Cristianismo cresce mais rápido do que em qualquer outro momento da história

Mas continua declinando na Europa e nos Estados Unidos. Pesquisadores explicam movimento.

Cruzada no Quênia. (Foto: Reprodução / Facebook)
Quando percebemos a situação do cristianismo no mundo hoje, vemos uma imagem um tanto quanto surpreendente. Em muitas partes, há notícias inspiradoras sobre o crescimento da igreja. Em outras, nem tanto.

Na África e na Ásia há milhões de pessoas conhecendo a Cristo através de grupos de discipulado. Quase todos os povos africanos estão experimentando a transformação do evangelho nos últimos 12 anos, apesar da perseguição.

Comunidades muçulmanas inteiras estão sendo impactadas pelo amor de Jesus, onde o islamismo imperou por séculos.

A média de conversões diárias por continentes, segundo dados do The Status of Global Christianity [O status do cristianismo global], entre 2000 e 2020 (7300 dias) foi:

  • 37835 (África)
  • 16988 (América Latina)
  • 12443 (Ásia)
  • 1999 (América do Norte)
  • 473 (Oceania)
  • 8 (Europa)
O que faz surgir a pergunta: o que a igreja do hemisfério sul está fazendo de diferente?

Buscando responder o questionamento, dois pesquisadores, Glenn Sunshine, professor e Jerry Trousdale, pastor e missionário passaram cinco anos identificando vários valores bíblicos que são adotados na “igreja do hemisfério sul”, mas não na “igreja do hemisfério norte”.

Da pesquisa surgiu o livro The Kingdom Unleashed [O reino descoberto]. Os pesquisadores também resumiram algumas das suas descobertas ao The Christian Post. São elas:

Oração abundante e ousada


Na África é normal que igrejas passem de 50 a 100 dias em oração e jejum. Nas igrejas americanas, os períodos de jejum e oração não são a norma e, se houver reuniões de oração, pode haver poucos participantes. Pesquisas também revelam que americanos passam pouco tempo no “lugar secreto”.

É fácil confiarmos em nossos muitos recursos, e não em Deus. E, no processo, perdemos o privilégio de depender de Deus todos os dias.

No “sul”, as pessoas geralmente não têm escolha a não ser confiar em Deus para atender às suas necessidades – elas não tem os recursos para pensar o contrário. Sua consciência aguda de suas necessidades os leva a orar não apenas por suas necessidades físicas, mas também por orientação e direção, poder e descobertas espirituais, curas, libertações e identificação de pessoas para discipular.

Discipulado para conversão

Evangélicos do “norte” tendem a pensar no cristianismo em termos de conversão, perdão de pecados e vida eterna. No “sul”, eles se concentram muito menos na conversão e mais no discipulado.

Quando Jesus chamou os Doze, ele os discipulou por quase três anos antes de pedir uma declaração de fé: “Quem vocês dizem que eu sou?”.

Em outras palavras, ele os discipulou à conversão, em vez de convertê-los e depois discipulá-los.

Discipulado baseado na obediência

Até a ideia do que significa ser um discípulo é diferente. Para nós, o discipulado é baseado no conhecimento. Mas na Grande Comissão, Jesus nos diz para fazer discípulos (não convertidos) e ensiná-los a obedecer a tudo que Ele ordenou.

O discipulado bíblico é, portanto, baseado na obediência, não no conhecimento.

Essa abordagem resulta, portanto, em transformação pessoal e comunitária. Á medida que as pessoas mergulham nas Escrituras, elas aprendem que isso influencia todas as áreas da vida. Se Jesus é o Senhor de tudo, então não há área da vida que não seja Dele por direito.

Capacitar pessoas “comuns” para o ministério

Isso muda fundamentalmente a maneira como o “sul” entende o “ministério”. Nos EUA, “entrar no ministério” significa se tornar um pastor ou missionário.

Os pastores devem pregar, orar, visitas os doentes, aconselhar as pessoas, discipular os membros da igreja, evangelizar, orientar a igreja, administrar ou supervisionar a administração etc. Em outras palavras, eles são responsáveis por praticamente tudo que a igreja faz.

Mas tudo isso é realmente o trabalho dos pastores? Efésios 4 nos diz que os pastores devem equipar os crentes para o ministério – em outras palavras, devem ser treinadores e professores, mas o trabalho real do ministério deve ser realizado pelas pessoas da congregação, algo que vemos nas igrejas do “sul”.

Faça discípulos “replicadores”, não “conversores”

Os membros dos grupos de discipulado também são incentivados a contar aos outros o que estão aprendendo. Assim, mesmo antes de se converterem à fé, eles são ensinados a compartilhar o que estão aprendendo sobre Deus.

Como resultado, quando chegam à fé, é a coisa mais natural do mundo compartilhar com outras pessoas, iniciar novos grupos de discipulado e até mesmo fundar pequenas igrejas. Carpinteiros, professores, taxistas, agricultores e até políticos estão fazendo discípulos e plantando igrejas.

Em algumas partes da África, podemos identificar movimentos com mais de trinta gerações de plantadores de igreja. É assim que o evangelho se espalha nesses países.

Treinamento interminável de liderança para todos

O ministério leigo também é central no “sul” para encontrar pastores. Em muitas igrejas nos EUA, tornar-se pastor requer anos de educação formal, no mínimo formação em teologia e, muitas vezes, um diploma de Mestre em Divindades.

Além de um estágio, a evidência da eficácia no ministério pastoral não é necessária, pelo menos para as pessoas que estão começando.

Onde o cristianismo cresce rapidamente, a evidência de um ministério eficaz precede o chamado pastoral. Você precisa ter um histórico de fazer discípulos e plantar igrejas antes de ser reconhecido como pastor.
Cristianismo cresce mais rápido do que em qualquer outro momento da história Cristianismo cresce mais rápido do que em qualquer outro momento da história Reviewed by MISSÕES URGENTE on 09:11 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.