5 maneiras de o Irã violar o direito dos cristãos à liberdade religiosa

Uma bandeira iraniana voa em uma vila montanhosa de Abyaneh. | Wikimedia Commons/Nick Taylor
Cinco grupos cristãos apresentaram um relatório colaborativo ao Comitê de Direitos Humanos das Nações Unidas, listando cinco maneiras pelas quais os cristãos iranianos enfrentam violações ao seu direito à liberdade de religião ou crença que vão contra os compromissos internacionais do país islâmico.

O grupo de vigilância sem fins lucrativos Artigo 18, que promove a liberdade religiosa e a tolerância para os cristãos no Irã, divulgou o relatório em colaboração com suas organizações parceiras Open Doors, Christian Solidarity Worldwide, Middle East Concern e The World Evangelical Alliance.

Aqui estão as cinco maneiras que o Irã persegue os cristãos, de acordo com o relatório:

1. O Irã proíbe serviços de igrejas em língua persa e materiais religiosos, e força o fechamento daqueles que não cumprem, aponta o relatório.

Em maio passado, uma igreja assíria no noroeste do Irã foi fechada e a cruz foi removida de sua torre porque supostamente atraiu iranianos nascidos em muçulmanos, pois seus serviços eram realizados na língua persa, de acordo com o World Watch Monitor.

Membros da Igreja que foram considerados evangelizados para muçulmanos, como o pastor assírio Victor Bet-Tamraz,foram acusados de "ações contra a segurança nacional" e deram longas sentenças de prisão.

2. O governo iraniano usa os artigos 489, 499 e 500 do Código Penal do país para processar os cristãos por suas atividades religiosas pacíficas.

No mês passado, quatro cristãos iranianos convertidos — Hossein Kadivar, Khalil Dehghanpour, Kamal Naamanian e Mohammed Vafadar — foram convocados para iniciar suas sentenças de cinco anos de prisão por liderarem igrejas na cidade de Rasht, no norte, pelas quais foram condenados por "agir contra a segurança nacional".

3. As autoridades iranianas processam — e em um caso executado — iranianos que deixam o Islã sob acusações de "apostasia", e justificam-no através do uso do artigo 220 do Código Penal Iraniano e do artigo 167 da Constituição, que permite aos juízes confiar em leis islâmicas não codificadas.

O prisioneiro cristão iraniano Yousef Nadarkhani foi preso pela primeira vez sob acusação de apostasia e recebeu uma sentença de morte em 2010. Essa condenação foi anulada em 2012, após protestos internacionais. Ele, no entanto, ainda está cumprindo uma sentença de 10 anos por suas atividades cristãs.

4. O Irã confisca ou força o fechamento de propriedades da igreja, assim como fez com a Igreja Presbiteriana Assíria em Tabriz em maio passado.

"Agentes de inteligência invadiram a igreja de 100 anos, oficialmente reconhecida como patrimônio nacional no Irã, na quinta-feira, 9 de maio, trocaram todas as fechaduras, derrubaram a cruz da torre da igreja e ordenaram que a igreja saísse", informou o artigo 18 na época.

5. O Irã discrimina os não-muçulmanos nas leis de casamento e herança, e no acesso ao emprego e à educação.

De acordo com o Código Civil do país, uma mulher muçulmana não pode se casar com um homem não muçulmano, conforme o artigo 1059, e um não-muçulmano não pode herdar de um muçulmano, de acordo com o artigo 881, aponta o relatório.

De acordo com o Código Civil do país, uma mulher muçulmana não pode se casar com um homem não muçulmano, conforme o artigo 1059, e um não-muçulmano não pode herdar de um muçulmano, de acordo com o artigo 881, aponta o relatório.

Os grupos cristãos também exortaram a UNHRC a fazer algumas perguntas específicas ao governo iraniano, incluindo como o artigo 13 da Constituição iraniana, que reconhece apenas zoroastrianos, judeus e cristãos como minorias religiosas, está em consonância com as disposições do pacto, e se o Irã planeja alterar seu Código Civil para permitir que não-muçulmanos herdem de muçulmanos ou mulheres muçulmanas para se casar com não-muçulmanos."

O Irã também deve ser solicitado por informações sobre os adeptos da fé das minorias que desejam praticar sua fé na língua persa, e responder a relatos de que os adeptos da fé das minorias estão sendo julgados sob acusações de segurança nacional pela prática legítima de sua fé, diz o relatório.

O país deve ser solicitado a esclarecer como as acusações de apostasia estão em consonância com o artigo 18 do ICCPR, que prevê a liberdade de escolher e mudar a religião, e também enviar relatórios sobre quantos convertidos cristãos estão atualmente detidos por acusações relacionadas à segurança nacional ou apostasia.

O Irã é o nono pior país do mundo quando se trata de perseguição cristã na Lista de Observação Mundial de Open Doors USA 2020. Pelo menos 169 cristãos foram presos no Irã durante o período de relatórios da organização de 2019 — 1 de novembro de 2018 a 31 de outubro de 2019.
5 maneiras de o Irã violar o direito dos cristãos à liberdade religiosa 5 maneiras de o Irã violar o direito dos cristãos à liberdade religiosa Reviewed by MISSÕES URGENTE on 21:47 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.