Boko Haram mata pelo menos 60 no nordeste da Nigéria

Os restos de carros queimados ficam em frente ao centro humanitário das Nações Unidas em Monguno, Nigéria, após um ataque reivindicado pela província do Estado Islâmico da África Ocidental ter sido realizado em 13 de junho de 2020. | Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários
Pelo menos 20 soldados e 40 civis, incluindo uma menina de 4 anos, foram mortos em dois ataques reivindicados por uma facção do Boko Haram no último sábado, à medida que a tendência de violência extremista no nordeste da Nigéria continua.

No domingo, o coordenador humanitário das Nações Unidas na Nigéria, Edward Kallon, condenou os ataques nas áreas do governo local de Monguno e Nganzai no estado de Borno, nos quais muitos civis foram mortos e uma instalação de ajuda humanitária foi danificada por "grupos armados não estatais".

"Estou profundamente triste com a notícia de que muitos civis, incluindo uma criança inocente, perderam suas vidas nesses terríveis ataques", disse Kallon em um comunicado. "Minhas mais profundas condolências vão para suas famílias. Aqueles que foram feridos também estão em meus pensamentos e eu desejo-lhes uma recuperação rápida.

Dois residentes e um lutador da Força Civil de Tarefas Civis não identificados disseram à Reuters que militantes entraram em Nganzai por volta da mesma hora na manhã de sábado em caminhonetes e motocicletas antes de matar mais de 40 moradores.

Enquanto isso, dois trabalhadores humanitários anônimos e três moradores da área disseram à agência de notícias que militantes armados com armamento pesado chegaram à cidade vizinha de Monguno por volta das 11h, quando invadiram as forças do governo.

Dizem que os militantes mataram pelo menos 20 soldados, enquanto alguns civis foram feridos no fogo cruzado entre os militantes e os soldados.

Além do falecido, a ONU informa que pelo menos outras 37 pessoas ficaram feridas nos dois ataques.

"Eles dispararam granadas impulsionadas por foguetes indiscriminadamente que caíram sobre as casas, matando três pessoas e ferindo muitas outras", disse à AFP Kulo Gana, morador de Monguno. "Vi os corpos dos dois soldados e do membro da milícia nas ruas após os combates."

De acordo com as fontes que falaram com a Reuters, dizem que os militantes incendiaram uma delegacia local e um escritório humanitário da ONU em Monguno. Além disso, as fontes disseram que os militantes distribuíram cartas aos residentes na língua hauçá dizendo-lhes para não trabalharem com militares, ocidentais cristãos brancos ou "não crentes".

A ONU afirmou que a instalação humanitária "só sofreu danos leves" como os relatórios iniciais indicaram que o edifício era alvo.

No entanto, veículos da ONU e de organizações não governamentais em frente às instalações foram incendiados. Devido a medidas de segurança de proteção, nenhum funcionário que trabalhava no centro da ONU foi ferido.

Kallon disse que os trabalhadores de ajuda e suas instalações "nunca devem ser um alvo e devem ser protegidos e respeitados o tempo todo".

"Estou aliviado por todos os funcionários estarem seguros e seguros, mas estou chocado com a intensidade deste ataque", disse Kallon. "É o mais recente de muitos confrontos que afetam civis, atores humanitários e a assistência que prestamos."

Os ataques em Monguno e Nganzai vêm poucos dias depois de 81 pessoas (alguns relatos sugerem que pelo menos 69 pessoas) foram mortas quando suspeitos de radicais islâmicos atacaram uma comunidade nômade na área do governo local de Gubio, Borno, na última terça-feira.

A facção do Boko Haram, a província do Estado Islâmico da África Ocidental, que se separou da insurgência em 2016, assumiu a responsabilidade pelos três ataques recentes, de acordo com a Reuters.

"Estou chocado com os ataques violentos contínuos lançados por grupos armados não estatais em áreas civis no estado de Borno", enfatizou Kallon.

A ONU informa que há mais de 150.000 pessoas deslocadas na cidade de Monguno. O organismo internacional alertou que os ataques impedem sua capacidade de prestar assistência às pessoas necessitadas. Cerca de 25 organizações de ajuda estão ajudando as pessoas deslocadas em Monguno.

O ISWAP está associado à rede terrorista Estado Islâmico e realizou inúmeros ataques na Nigéria desde sua formação em 2016. Relatórios indicaram que os ataques do ISWAP têm como alvo principalmente bases militares e o grupo impôs impostos e controles comerciais em áreas que deseja controlar.

O ISWAP foi responsável pelas mortes de civis, incluindo a morte em dezembro de 2019 de 11 trabalhadores cristãos e a execução em janeiro de 2020 de um estudante cristão nigeriano por um soldado infantil.

O governo nigeriano está enfrentando uma pressão internacional crescente sobre sua incapacidade de proteger seus cidadãos de ataques realizados pelo Boko Haram e pelo ISWAP no nordeste, bem como à violência contra comunidades no Cinturão Médio que já levou a milhares de mortes nos últimos anos.

De acordo com a ONU, há milhões de pessoas vivendo como pessoas deslocadas internamente em toda a Nigéria que foram arrancadas pela violência em suas comunidades. Nos estados nordestinos de Borno, Adamawa e Yobe, há mais de 10,6 milhões de pessoas precisando de ajuda.

Os defensores pedem ao governo Trump que nomeie um enviado especial para monitorar a situação na Nigéria.

Em dezembro passado, o Departamento de Estado dos EUA incluiu a Nigéria pela primeira vez em sua "lista especial de observação" de países que se envolvem ou toleram graves violações da liberdade religiosa. A Nigéria é o 12º pior país do mundo quando se trata de perseguição cristã, de acordo com a Lista de Observação Mundial de Open Doors USA 2020.
Boko Haram mata pelo menos 60 no nordeste da Nigéria Boko Haram mata pelo menos 60 no nordeste da Nigéria Reviewed by MISSÕES URGENTE on 15:27 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.