Nigéria refuta alegações de 'genocídio' cristão

Os fiéis cristãos seguram cartazes enquanto marcham nas ruas de Abuja durante uma oração e penitência pela paz e segurança na Nigéria em Abuja em 1º de março de 2020. Os bispos católicos da Nigéria reuniram fiéis, bem como outros cristãos e outras pessoas para orar por segurança e denunciar as mortes bárbaras de cristãos pelos insurgentes do Boko Haram e os incessantes casos de sequestro por resgate na Nigéria. AFP via Getty Images/KOLA SULAIMON
Grupos de defesa estão refutando uma declaração divulgada no domingo pela presidência nigeriana alegando que grupos internacionais de direitos que dizem que há um "genocídio" em curso contra cristãos na Nigéria receberam financiamento de uma organização separatista.

Garba Shehu, porta-voz do presidente da Nigéria Muhammadu Buhari, acusou os indígenas de Biafra de gastar US$ 85.000 por mês para financiar uma campanha internacional de difamação por meio de organizações não governamentais e meios de comunicação nos Estados Unidos e na Europa.

"Esta declaração dos funcionários de Buhari é para distrair de sua própria incompetência ou conluio com os autores do genocídio nas comunidades cristãs nas partes Norte e Middlebelt da Nigéria", disse Ann Buwalda, presidente da Jubilee Campaign USA, que defende minorias étnicas e religiosas.

O governo nigeriano tem enfrentado uma pressão internacional crescente para proteger seus cidadãos, já que milhares de pessoas já foram mortas nos últimos anos por grupos extremistas islâmicos como o Boko Haram no nordeste ou radicais de pastores étnicos que lançaram vários ataques contra comunidades agrícolas adormecidas no Cinturão Médio.

Shehu alegou que organizações e legisladores nos EUA e na Europa estão sendo enganados pelo IPOB para pensar que o governo está implícito na morte de cristãos. Ele argumentou que o IPOB está tentando criar uma disputa entre a Nigéria e os aliados ocidentais.

Uma "investigação muito profunda e ampla de uma agência do governo nigeriano" trabalhando com parceiros internacionais descobriu que existem "duas campanhas interconectadas" sendo realizadas pelo IPOB, disse Shehu.

"Ambos estão usando a capa do cristianismo — e pedindo que um enviado especial dos EUA seja nomeado para impedir o 'genocídio' dos cristãos na Nigéria."

O IPOB foi fundado em 2012 e busca restaurar o estado independente de Biafra no leste da Nigéria. É reconhecida como uma organização terrorista na Nigéria.

"Por razões de conveniência, [a liderança do grupo] afirma ter interesse no bem-estar dos cristãos — mas isso é um ardil: o caso da independência, acredita o líder, é fortalecido por 'provar' que o governo da Nigéria é 'autocrático', engajado em um 'massacre silencioso' de seus próprios cidadãos ao longo da religião e linhas étnicas – e que, portanto, a única opção viável para a minoria religiosa e étnica única é uma Biafra soberana separada da Nigéria."

Shehu chamou a campanha internacional de mídia de "divisiva" e disse que "evidências disponíveis" sugerem que a campanha foi financiada com US$ 85.000 em gastos mensais desde outubro passado "sem registros da fonte dessa grandeza".

"A campanha consiste em produzir artigos em nomes dos supostos líderes das ONGs cristãs (de grupos de campanha criados na época em que este contrato de RELAÇÕES com uma empresa de lobby dos EUA foi assinado) e cartas de e para membros do Congresso para a Casa Branca", disse ele.

"Infelizmente, alguns membros do Congresso foram claramente convencidos de que há de fato uma 'perseguição cristã' em curso na Nigéria - e fazê-lo citando a campanha - e eles são conhecidos por estar assumindo o caso diretamente com a Casa Branca para nomear o enviado especial."

Shehu reclamou que uma instituição de caridade americana garantiu uma reunião com o secretário de Estado Mike Pompeo e fez apresentações a membros da Comissão dos EUA para a Liberdade Religiosa Internacional.

Em dezembro passado, o Departamento de Estado dos EUA adicionou a Nigéria pela primeira vez à sua "lista especial de observação" de países que se envolvem ou toleram "graves violações da liberdade religiosa".

Shehu acrescentou que há também um ângulo europeu para a campanha que é "mais opaco do que sua campanha irmã dos EUA" porque há "menos exigência legal para arquivamentos públicos".

"[W]hat é conhecido disso no momento é que seu Orçamento é suficiente para contratar quatro empresas de RP no Reino Unido, Bélgica, França e EUA (este último adicional ao acima)", observou ele, ao apontar que houve um debate sobre o "genocídio cristão" na Câmara dos Comuns do Reino Unido.

Shehu acusou o IPOB de "usar indevidamente a questão do bem-estar dos cristãos puramente para promover seus próprios fins políticos" e da comunidade internacional para "ignorar esta campanha".

No entanto, ativistas nos EUA recuaram contra a declaração do governo Buhari e garantiram que eles não têm conexão com o IPOB.

Entre várias organizações internacionais que conscientizam sobre a perseguição cristã na Nigéria está a Jubilee Campaign USA, que enviou dados e pesquisas ao Tribunal Penal Internacional no ano passado argumentando que o padrão para o genocídio foi alcançado quando se trata de violência contra cristãos na Nigéria.

O relatório da Campanha jubileu concentrou-se principalmente na violência que ocorre no Cinturão Médio da Nigéria e estados do norte, onde milhares de cristãos foram deslocados por ataques de pastores predominantemente muçulmanos Fulani e grupos islâmicos como o Boko Haram. Buhari é um fulani étnico.

Buwalda, da Campanha Jubileu, disse ao The Christian Post que, embora o movimento Biafra também tenha levantado preocupações de genocídio relacionadas à sua comunidade no sudeste da Nigéria com o ICC, o movimento não está de forma alguma associado à sua organização.

"A Campanha Jubileu dos EUA não teve nenhum contato com pessoas relacionadas à Biafra, nem nunca assumimos o assunto", disse ela. "Todos os relatórios da Campanha jubileu apresentados ao ICC sobre a questão do genocídio estão relacionados com o Cinturão Médio e estados do norte."

"Ninguém que defendemos jamais mencionou o separatismo", acrescentou. "Todas as pessoas que defendemos em nome têm pedido ajuda do governo da Nigéria - seu governo - e nos pediram para ir ao TPI por conta do fracasso total do governo federal da Nigéria em fornecer proteção contra a perseguição grosseira e sistemática da comunidade cristã nesses estados que sofreram ..."

Buwalda disse que ninguém da Campanha Jubileu está ciente de quem tem defendido a questão da Nigéria "já recebeu um centavo de fundos de pessoas relacionadas a Biafra".

Dede Laugesen, diretora executiva do grupo de advocacia Save the Persecuted Christians, com sede nos EUA, disse à CP que sua organização fez parceria com a Mission Africa International, Jubilee Campaign, a Leah Foundation, o Fundo Nazareno e outros grupos para pressionar um enviado especial dos EUA à Nigéria para enfrentar a violência em curso.

"O presidente Buhari está girando propaganda para sugerir que qualquer um de nós está trabalhando com o IPOB", afirmou Laugesen. "Apoiamos uma Nigéria forte, unida e pacífica — algo que o IPOB se opõe."

"Nós não temos, e não coordenaríamos com ou pegamos dinheiro dos secessionistas do IPOB. Estamos ansiosos para o dia em que todos os nigerianos vivem unidos em paz e segurança. A liberdade religiosa e o Estado de Direito devem ser fortalecidos e defendidos em todos os níveis do governo nigeriano."

Laugesen enfatizou que "a corrupção e as agendas islâmicas radicais devem ser eliminadas".

"Buhari falhou em ambos, enquanto o banho de sangue dos cristãos continua inabalável e grupos terroristas islâmicos se revoltam, estupram e matam impunemente", afirmou. "A evidência esmagadora é clara. É hora - tempo passado - para a comunidade internacional interceder."

De acordo com o Open Doors USA, o movimento separatista Biafra, com sede no sudeste da Nigéria, também enfrentou perseguição. No entanto, de acordo com o relatório anual de 2020 da USCIRF, relatos da mídia indicaram que membros do IPOB "atacaram cinco cristãos, incluindo um padre, por realizar uma missa em desafio às ordens do IPOB para ficar em casa".

Emeka Umeagbalasi, criminologista cristã com sede no sudeste do estado de Anambra, uma área dominada por Igbo que se separou como parte de uma Biafra independente em 1967, disse à CP que a "presidência está obviamente em pânico e banalizando o genocídio em curso contra os cristãos na Nigéria".

Umeagbalasi lidera uma organização da sociedade civil chamada International Society for Civil Liberties & Rule of Law (Intersociety), que regularmente produz relatórios estatísticos sobre quantos cristãos foram mortos em diferentes atos de violência em toda a Nigéria.

A intersociety estimou que mais de 11.500 cristãos foram mortos entre junho de 2015 e março de 2020 na Nigéria.

Em nota na terça-feira, a Intersociety explicou que recebeu apoio sob a forma de doações gratuitas de recursos profissionais, assessoria especializada, assistência técnica e "doações individuais em dinheiro ou quantias em dinheiro" que são "periodicamente e voluntariamente doadas por alguns cidadãos interessados" que são "geralmente pessoas menos expostas politicamente".

Outras fontes de renda para a Intersociety incluem quantias em dinheiro periódicas alocadas pelo próprio Umeagbalasi.

A Intersociety ressaltou que a organização nunca recebeu patrocínio de um órgão estrangeiro ou de patrocínios internacionais e afirmou que suas campanhas de defesa sobre o assassinato de cristãos no sul de Kaduna, Planalto e Benue foram feitas gratuitamente "sem patrocínio do grupo".

"Sobre a questão relativa à alegação da Presidência de patrocínio internacional e 'IPOB' de 'ONGs cristãs', não estamos surpresos", disse a Intersociety. "É uma tragédia na Nigéria que aqueles na posição de liderança nunca estejam interessados em prestar serviços de liderança, mas enriquecer rapaciously através dos cofres do Estado."

"... [Isso] explica por que eles veem as atividades e serviços legítimos prestados por órgãos independentes, incluindo os direitos e as ONGs democráticas como "patrocinados". Como cada aspecto de suas negociações de cargos públicos é fortemente monetizado ou quantificado em termos monetários, eles vêem qualquer outro serviço social como 'patrocinado'."

A Intersociety observou que a Nigéria se envolveu no passado em uma guerra de palavras com grupos internacionais de direitos. Houve acusações de que a Anistia Internacional é patrocinada por políticos que buscam prejudicar a reputação da Nigéria ou que a organização está sendo aproveitada pelo Boko Haram e pela Província da África Ocidental do Estado Islâmico.

O líder do IPOB, Nnamdi Kanu, emitiu um estatal no Facebook no domingo afirmando que "cada centavo que a indomável família IPOB em todo o mundo contribui para nossa libertação vai para o desmantelamento da Nigéria e restauração de Biafra, quero dizer cada centavo".

"Mais uma vez, o governo nigeriano confirmou inadvertidamente que gastamos muito em nossa ofensiva diplomática", escreveu Kanu no post.

O comissário da USCIRF, Johnnie Moore, que visitou a Nigéria para se reunir com as vítimas no início deste ano em sua capacidade pessoal, disse à CP que a Nigéria "seria totalmente imune a essa crítica se simplesmente fizesse mais para proteger seus cidadãos mais vulneráveis".

"Acredito que a Nigéria é absolutamente capaz de proteger seus cidadãos se quiser fazê-lo, mas até agora seus esforços foram inadequados", disse Moore. "Afinal, ninguém - incluindo o próprio governo - nega que pessoas inocentes estejam morrendo em todo o país desnecessariamente, e às vezes, diariamente."
Nigéria refuta alegações de 'genocídio' cristão Nigéria refuta alegações de 'genocídio' cristão Reviewed by MISSÕES URGENTE on 10:21 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.