Extremistas islâmicos queima igreja e mata 18 cristãos no Congo

 

Forças de segurança congolesas carregam corpos de militantes rebeldes em um caminhão depois de repelir um ataque a uma vila perto da cidade de Beni em maio de 2019. | YouTube/VOA notícia

Suspeitos de extremistas islâmicos mataram pelo menos 18 pessoas e incendiaram uma igreja e várias casas no leste da República Democrática do Congo em um ataque noturno na quarta-feira, de acordo com relatos.

A Reuters informa que um ataque à Vila Baeti, na província de Kivu do Norte, foi confirmado pelo Exército na RDC. A vila fica cerca de 12 milhas a oeste da cidade de Oicha.

Enquanto as autoridades se recusaram a dar um número de mortos, Kinos Katuho, líder de um grupo local de direitos civis, disse à imprensa que pelo menos 18 mortes foram contabilizadas em um número provisório de mortes. Mais tarde, ele disse à AFP que pelo menos 19 foram mortos - 17 homens e duas mulheres.

A culpa pelo ataque foi colocada nas Forças Democráticas Aliadas, um grupo militante sediado na vizinha Uganda que também tem sido ativo na província de Kivu do Norte e acusado de matar centenas só este ano.

Masisa Mushogoro, que lidera um comitê de desenvolvimento no villlage, disse à Reuters que o ataque criou uma "dor em nossos corações" bem como "pânico total na aldeia".

Boletins gratuitos do CP

Junte-se a mais de 250.000 outros para obter as principais histórias com curadoria diária, além de ofertas especiais!

BOLETINS GRATUITOS DO CP

Junte-se a mais de 250.000 outros para obter as principais histórias com curadoria diária, além de ofertas especiais!

"Não sabemos se amanhã o ADF voltará aqui novamente", disse Mushogoro.

Janvier Kasairio, representante local de um grupo da sociedade civil, disse à AFP que entre 15 a 20 pessoas foram mortas e várias casas foram incendiadas.

Katuho disse à AFP que 40 casas e uma igreja foram incendiadas e várias pessoas estão desaparecidas.

"O exército foi alertado, mas não interveio", ele foi citado como dizendo.

No entanto, um porta-voz das forças armadas disse à AFP quando perguntado sobre a alegação de Katuho de que "não pode reagir a essa bobagem".

A ADF tem sido ativa no território Beni da província de Kivu do Norte por três décadas. No entanto, as campanhas militares contra o grupo militante que começaram no outono passado fizeram com que a facção se dispersa em grupos menores que se espalharam para territórios vizinhos, onde o número de ataques aumentou, segundo as Nações Unidas.

Nos últimos dois anos, a ADF intensificou e expandiu seus ataques contra comunidades civis nas províncias orientais da RDC. Uma contagem não oficial citada pela AFP constata que pelo menos 600 civis foram mortos pela ADF desde que a repressão militar começou no ano passado.

De acordo com a ONU,os ataques da ADF no último ano e meio levaram à morte de mais de 1.000 pessoas e feriram muitas outras. A ONU também afirma que as ações da ADF podem equivaler a crimes de guerra e crimes contra a humanidade.

A AFP informa que a ADF nunca assumiu a responsabilidade pelos ataques. Mas alguns de seus ataques foram reivindicados pela província centro-africana do Estado Islâmico. No entanto, não há evidências claras de estreita colaboração entre os dois grupos.

Em maio, a ADF foi culpada por uma série de ataques a aldeias na província de Ituri, nos quais 57 pessoas foram mortas. Em janeiro, a ADF foi culpada por uma série de ataques no território beni, nos quais pelo menos 36 pessoas foram hackeadas até a morte com facões.

De acordo com o Kivu Security Tracker, uma iniciativa de pesquisa que monitora a violência na região, houve mais de 3.771 mortes violentas na província desde 2017.

Extremistas islâmicos queima igreja e mata 18 cristãos no Congo Extremistas islâmicos queima igreja e mata 18 cristãos no Congo Reviewed by MISSÕES URGENTE on 16:36 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.