Header Ads Widget

Arábia Saudita remove conteúdo antissemita e anti-Israel dos livros didáticos

 O IMPACT-se, instituto de pesquisa que analisa livros didáticos, divulgou uma atualização do relatório de janeiro de 2020 com os novos conteúdos.

Relatório de acompanhamento IMPACT-se sobre o currículo 2020-21 da Arábia Saudita. (Foto: Reprodução / CBN News)

Mesmo ainda não tendo feito a paz com Israel e aderido aos Acordos de Abraão, a Arábia Saudita está tomando medidas para revisar sua narrativa para as gerações futuras.

Um novo relatório mostra que muito do ódio e incitamento que estava presente anteriormente nos livros sauditas foram removidos do currículo deste ano, bem como quantidades significativas de material anti-semita e anti-Israel e a maior parte do conteúdo relacionado à Jihad.

O IMPACT-se, instituto de pesquisa que analisa livros didáticos, divulgou um follow-up para seu relatório de janeiro de 2020, avaliando os novos livros didáticos 2020/2021.

“Examinando a linha de tendência de nossos relatórios de 2002, 2008 e até 2019 do currículo saudita, fica claro que esses novos livros didáticos de 2020 representam um esforço institucional para modernizar o currículo do Reino,” disse Marcus Sheff, CEO da IMPACT-se.

“As autoridades sauditas começaram um processo de erradicação do ódio antijudaico, incluindo um notório Hadith que alimentou o anti-semitismo no mundo muçulmano”, disse Sheff em um comunicado.

Remoção de termos

Ele diz que um exemplo é um Hadith (o que os muçulmanos acreditam ser um registro das palavras, ações ou aprovação silenciosa de seu profeta Maomé) que tem sido a base de grande parte do sentimento antijudaico no mundo muçulmano, agora foi removido. Dizia que muçulmanos e judeus lutariam entre si em uma guerra e que os muçulmanos matariam todos os judeus. Essa história estava no currículo por décadas.

Um tropo anti-semita clássico que foi incluído até 2019 também foi removido. Isso afirma que os judeus (chamados de “forças sionistas”) “controlam o mundo e usam meios nefastos para atingir seus fins, como dinheiro, mulheres e drogas”.

A maioria das referências à Jihad e ao martírio, como “Jihad no caminho de Alá é o clímax do Islã”, foi removida; e as atitudes em relação a Israel estão se tornando “mais equilibradas e tolerantes”, diz o relatório. Por exemplo, todo o capítulo chamado “o perigo sionista” foi removido.

De acordo com o relatório, embora a direção seja positiva e a moderação tenha sido introduzida, ainda há um caminho a percorrer. O ódio pelos judeus ainda aparece na educação islâmica, incluindo a descrição de “malfeitores judeus” como macacos.

Israel não está totalmente legitimado, por exemplo, não aparece nos mapas. E o sionismo ainda é considerado um “movimento político racista”, diz o relatório.

“Outras melhorias precisam ser feitas. Mas a impressão predominante é de uma vontade de se envolver, de participar no diálogo sobre o conteúdo do currículo e, finalmente, avançar para a reforma dos livros didáticos”, disse Sheff.

Postar um comentário

0 Comentários