Centenas de cristãos paquistaneses fogem após post no Facebook do pastor incitar muçulmanos que exigem sua decapitação - MISSÕES URGENTE
Seguir no Facebook Seguir no Twitter Seguir no Instagram

BRASIL MUNDO ISRAEL VERSÍCULOS PEDIDO DE ORAÇÃO VÍDEOS MÚSICA PREGAÇÕES CINEMA E TV COLUNA

terça-feira, 29 de dezembro de 2020

Centenas de cristãos paquistaneses fogem após post no Facebook do pastor incitar muçulmanos que exigem sua decapitação

 

Uma vista interior do teto e bancos da Igreja De Cristo em Rawalpindi, Paquistão. (Crédito da imagem: Muhammad Bin Naveed/Wikimedia Commons)

Centenas de famílias cristãs paquistanesas tiveram que fugir de suas casas antes do Natal depois que uma multidão de muçulmanos ameaçou incendiar o bairro depois que um post nas redes sociais foi publicado por um pastor local.

A International Christian Concern (ICC) relata que as famílias cristãs de Charar, um bairro em Lahore, fugiram por suas vidas depois que o pastor Raja Waris publicou um post no Facebook em 22 de dezembro. Os muçulmanos não aprovaram a mensagem.

Saleem Khokhar, um dos cristãos deslocados, disse ao ICC: "O pastor se desculpou pelo cargo e a questão foi resolvida no dia seguinte."

No entanto, o pastor e sua família se esconderam após receberem ameaças de extremistas locais. Uma multidão de centenas de muçulmanos continua a protestar contra os cristãos Charar.

Fontes locais disseram à organização sem fins lucrativos que a máfia exigiu que o pastor fosse decapitado por publicar o post nas redes sociais. Até agora, Waris não foi acusado de violar nenhuma das leis de blasfêmia do Paquistão.

"A situação se tornou perigosa quando alguém descobriu que os muçulmanos planejavam incendiar as casas dos cristãos", disse Khokhar ao ICC. "Isso forçou os cristãos a fugir do bairro."

"Este deveria ser um momento de alegria e celebração", acrescentou Khokhar. "Mas estamos fora de nossas casas e implorando aos nossos parentes e amigos para nos proteger e nos alimentar. Nenhum de nós está se sentindo bem com esta situação.

O gerente regional da ICC, William Stark, disse: "Nós aqui da International Christian Concern estamos preocupados com a situação em Charar. Pedimos às autoridades paquistanesas que protejam as casas dos cristãos de Charar. Ninguém deve ser forçado a fugir de sua casa por causa de um post nas redes sociais. As leis de blasfêmia do Paquistão não devem ser mal utilizadas para justificar a violência da máfia. Muitas vezes essas leis têm sido uma ferramenta nas mãos de extremistas que buscam provocar violência religiosamente motivada contra comunidades minoritárias."

Policiais foram destacados pelo governo local para manter os cristãos e seus bairros seguros. O ICC informa que 5.000 policiais e funcionários estavam em vigor para fornecer segurança a 623 igrejas e assentamentos cristãos apenas em Lahore.

Funcionários do governo paquistanês também expressaram seu apoio aos cristãos visitando várias igrejas durante o feriado de Natal. O comandante da delegacia de Rawalpindi e vários outros funcionários do governo visitaram a Igreja de São Paulo em Rawalpindi depois de serem convidados pelo reverendo Samuel Titus, pastor da igreja.

Como a CBN News relatou, no Paquistão, falsas acusações de blasfêmia são comuns e muitas vezes motivadas por vinganças pessoais ou ódio religioso. Tais acusações são altamente inflamatórias e têm o potencial de provocar linchamentos de máfia, assassinatos de vigilantes e protestos em massa. Atualmente, pelo menos 24 cristãos estão presos sob acusação de blasfêmia no Paquistão.

De acordo com a Comissão dos Estados Unidos para a Liberdade Religiosa Internacional, as leis de blasfêmia são surpreendentemente difundidas em todo o mundo. Setenta e um países espalhados por muitas regiões, mantêm tais estatutos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário