Header Ads Widget

Gantz diz ao jornal saudita: Jerusalém é grande o suficiente para uma capital palestina


 O primeiro-ministro alternativo israelense Benny Gantz disse que os palestinos mereciam sua própria "entidade" e poderiam ter uma capital em Jerusalém.

Em uma rara entrevista ao jornal saudita Asharq al-Awsat, Gantz disse que os palestinos "querem e merecem uma entidade na qual possam viver de forma independente", segundo relatos da entrevista na imprensa israelense.

No entanto, Gantz não se comprometeria com que tipo de "entidade" ele estava falando.

"Um Estado ou um império, eles podem chamá-lo do que quiserem. É direito deles sentir independência e ter um capital", disse o ex-chefe de gabinete do IDF.

"Queremos uma entidade palestina que tenha contíguidade territorial adequada, o que torna possível viver confortavelmente dentro dela sem obstáculos ou obstáculos. O que insistimos é na segurança. Precisamos de pontos estratégicos de observação para a segurança", disse Gantz.

Gantz chocou alguns com seus comentários sobre Jerusalém.

"Jerusalém deve permanecer unida - mas com um lugar dentro dela para uma capital palestina", disse Gantz. Quando pressionado a esclarecer o que ele quis dizer, ele disse apenas que, "[Jerusalém] é uma cidade muito espaçosa, e cheia de locais sagrados para todos."

Gantz apoiou o plano de paz do presidente Trump, mas Gantz não conectou seus comentários a ele. O presidente Trump se referiu a Abu Dis, uma pequena cidade nos arredores de Jerusalém, em seu plano de paz como a futura capital de um Estado palestino.

O ex-prefeito de Jerusalém e atual Likud MK Nir Barkat reagiu aos comentários. "Jerusalém é a capital de apenas uma nação, é a capital do povo judeu eterno", e é "a capital do Estado de Israel", disse o Jerusalem Post citando Barkat.

A entrevista tem como pano de fundo os Acordos de Abraão, onde os Estados do Golfo e outros países muçulmanos vêm fazendo as pazes com Israel desde agosto. Há especulações de que a Arábia Saudita se juntará em algum momento, mas seus líderes dizem que Israel deve primeiro fazer as pazes com os palestinos e estabelecer um Estado palestino ao longo das linhas de cessar-fogo de 1967.

Postar um comentário

0 Comentários