Header Ads Widget

Mais de 500 cristãos têm casas queimadas em Bangladesh

 Os seguidores de Jesus perderam tudo durante o incêndio

A causa do incêndio no acampamento de refugiados em Bangladesh ainda é desconhecida, mas alguns moradores acreditam que o fogo começou a partir de um fogão a gás

No dia 13 de janeiro, por volta das 2h da manhã, pelo menos 500 cristãos tiveram os lares queimados em Bangladesh. O fogo se originou no bloco E do acampamento Noyapara Rohingya, de acordo com Mukul Kumar Nath, oficial do Serviço de Bombeiros de Teknaf. O acampamento abriga o povo rohingya, refugiados cristãos vindos de Mianmar.

Duas unidades de combate a incêndios de Teknaf e Ukhya chegaram prontamente ao local e controlaram as chamas após duas horas de esforços. A causa exata do incêndio ainda é desconhecida, mas alguns moradores alegaram que o fogo se originou de um fogão a gás. Pelo menos 25 pessoas ficaram feridas e muitos cristãos perderam tudo no ocorrido. O vídeo abaixo mostra o momento em que as chamas tomaram conta da comunidade.

Bangladesh ocupa o 31º lugar na Lista Mundial da Perseguição 2021, onde os seguidores de Cristo enfrentam pressão do governo, comunidade, amigos e familiares para abandonarem a fé em Jesus. Além disso, a vulnerabilidade dos cristãos em Bangladesh teve um aumento com a pandemia da COVID-19 e o ciclone Amphan. O governo tem negligenciado ajuda a muitos seguidores de Cristo, pedindo para que voltem ao islã para receberem auxílio.

Socorro para os cristãos em Bangladesh

Sua oração e contribuição são imprescindíveis para que a Portas Abertas possa assistir os cristãos rohingya. Ao doar, você auxilia na distribuição de alimentos, materiais sanitários e outras necessidades básicas das famílias cristãs. 

Pedidos de oração

  • Ore por esses cristãos que perderam tudo no incêndio, para que Deus os conforte e supra as necessidades deles.
  • Interceda pelos vizinhos e pelos ministérios que trabalham para ajudar os cristãos nesse momento, para que sejam fortalecidos na fé e tragam esperança para as famílias em vulnerabilidade.
  • Peça pelas autoridades da vila, para que tomem medidas rápidas para realocar as famílias em um lugar seguro.

Postar um comentário

0 Comentários