Header Ads Widget

Heróis da fé: Susanna Wesley – criando filhos para servir a Deus

Dedicada a servir a Deus, ajudando pessoas em suas vidas religiosas, Susanna Wesley também teve vida marcada pela determinação em formar a vida cristã de seus filhos.

Susanna Wesley, mãe dos pregadores Charles e John Wesley. (Cortesia da Comissão Geral Metodista Unida de Arquivos e História).

Mãe de John Wesley, a londrina Susanna Annesley nasceu em 20 de janeiro de 1669, em Spital Yard, Bishopsgate, como filha mais nova de um proeminente pastor presbiteriano, Samuel Annesley, que morreu em 1696.

Em 1688, então com 19 anos, Sussana se casou com Samuel Wesley (que, como sua família, não pertencia à linha dos não-conformistas, aqueles que não se conformavam com o governo e com as práticas da Igreja Anglicana). Depois, ambos foram convertidos do não-conformismo ao anglicanismo.

O ministério paroquial de Samuel o levou de Londres para Surrey, depois para Lincolnshire, onde foi Reitor de Epworth de 1697 até sua morte em 1735.

Foi neste local que Susanna Wesley criou sua grande família e salvou seu marido da vergonha em várias ocasiões. Ela cuidou da educação de seus 19 filhos, liderou grupos de pessoas com instruções bíblicas enquanto Samuel ficava fora e encontrou tempo para ler e escrever fartamente.

Hoje, Sussana é lembrada principalmente como a mãe de John e Charles Wesley. No entanto, ela foi, pelo menos para muitos metodistas posteriores, um arquétipo de feminilidade evangélica cuja contribuição intelectual e espiritual só agora está sendo totalmente avaliada desde a publicação da edição completa de seus escritos.

Outro aspecto reconhecido na vida de Sussana tem sido sua influência na formação do filho Charles Wesley, através da inculcação de seus escritos catequéticos (como aqueles sobre o Credo dos Apóstolos e os Dez Mandamentos escritos em 1710-11) e conversas diárias animadas com cada um de seus filhos.

Sussana dizia separar dias da semana para falar com cada um deles. Ela compartilhou orações familiares, leitura da Bíblia e os ensinou em um esquema educacional rigoroso. Um cronograma cuidadosamente ordenado em que até mesmo as tarefas domésticas se tornassem atos religiosos era essencial para uma vida disciplinada.

Segundo a Susanna Wesley Foundation, durante sua viuvez a esposa do reverendo Samuel escreveu algumas obras importantes em defesa do anglicanismo reformado.

Vários eventos importantes constituíram sua espiritualidade. O primeiro foi sua disputa com Samuel sobre dizer "Amém" no final da oração pelo Rei William em 1701, demonstrando assim a defesa da liberdade de consciência como uma Alta Igreja Anglicana e apoiadora dos Stuarts, nascida de seu feroz espírito dissidente.

Em segundo lugar, a preservação milagrosa do filho John (junto com as outras crianças) no incêndio que destruiu a Reitoria de Epworth em 1709 deu a ela um senso especial da providência e graça de Deus que marcou ela e sua filha ‘Jacky’ como instrumentos divinos.

E em terceiro lugar, a realização de cultos "irregulares" na cozinha da Reitoria de Epworth enquanto Samuel estava ausente demonstrou como a abordagem metódica de sua própria vida pessoal se transformou em um imperativo de educar os outros, a família e os paroquianos.

Ela explicou isso em termos de uma santa mordomia a ela confiada: “Não posso deixar de ver cada pessoa que você deixa sob meus cuidados como um talento confiado a mim sob a confiança do grande Senhor.”

Um aspecto da reverência de Susanna pelo Tempo Sagrado era a centralidade e importância do Dia do Senhor. Ela tem várias meditações sobre o "dia mais feliz" que serviram para lembrar às pessoas que "esses momentos sagrados podem sempre ser empregados em Teu serviço", um dia de devoção.

Dentro da tradição puritana, Holy Living enfatizou a centralidade do conceito de Igreja como a família de Deus, a congregação reunida, modelando sua vida no padrão de Jesus Cristo para seu comportamento moral. Susanna modelou a família Epworth em modelos adaptados de Thomas à Kempis, Richard Baxter, Richard Lucas e outros.

A Susanna Wesley Foundation registra que os meios da graça empregados por Deus para edificar uma vida santa foram, para Susanna, a oração, o autoexame, a meditação e a leitura das Escrituras e a sagrada comunhão regular.

Os 'modos e meios de religião' de Susanna listados em seu diário de 1718 são muito próximos aos meios de graça de seu filho John informando a vida do Clube Sagrado em Oxford na década de 1730, assim como sua teologia da presença real na comunhão estabelecida em um carta a John em 1732.

Susanna considerava a oração a principal arma contra a tentação, enquanto a meditação era "incomparavelmente o melhor meio de espiritualizar nossas afeições, confirmar nosso julgamento e adicionar força às nossas resoluções piedosas"

Por todas as suas atividades, Susanna acabou reforçando o papel das mulheres na igreja e até mesmo levou à formação de toda a Igreja Metodista.

Em seu diário, Susanna escreveu: “Eu sou uma mulher, mas também sou dona de uma grande família. E embora a carga superior das almas contidas nele recaia sobre você, ainda em sua longa ausência eu não posso deixar de olhar para cada alma que você deixa sob minha responsabilidade como um talento confiado a mim sob uma custódia.”

Ela foi enterrada em 1742 em Bunhill Fields, Londres, não muito longe da Capela da Fundição, onde uma sociedade foi estabelecida por seu filho John como um centro para o trabalho metodista em Londres.

Postar um comentário

0 Comentários