Header Ads Widget

Igreja Metodista Unida deve se dividir por discordâncias sobre questões LGBT

Grupo de teólogos conservadores anunciam plano para lançar uma nova denominação na próxima conferência global da UMC.

Sessão especial da Conferência Geral da Igreja Metodista Unida no Missouri, em 2019. (Foto: United Methodist News Service / Kathleen Barry)

Igreja Metodista Unida (UMC), a terceira maior denominação cristã dos Estados Unidos, deu mais um passo em direção à divisão, causado pelo antigo debate sobre questões LGBT. Devidos às discordâncias sobre o tema, o grupo de conservadores teológicos revelou recentemente o plano para formar uma nova denominação.

A Igreja Metodista Global (GMC) surgiu como produto do Conselho de Liderança de Transição de 17 membros, um grupo de Metodistas Unidos teologicamente conservadores.

A Wesleyan Covenant Association (WCA), um grupo conservador de defesa dos Metodistas Unidos, anunciou o lançamento do GMC em 1 de março, explicando que não iniciará oficialmente as operações até que uma política de separação formal seja aprovada pela UMC.

“Os Metodistas Unidos teologicamente conservadores não fizeram segredo dos seus esforços para formar uma nova igreja”, afirmou a WCA durante o anúncio.

“No final de 2018, a Wesleyan Covenant Association criou um Grupo de Trabalho dos Próximos Passos para começar a esboçar seu próprio ‘Livro de Doutrinas e Disciplina’ delineando confissões teológicas essenciais e estruturas de governo para a consideração de uma nova igreja.”

Os criadores do GMC e outros Metodistas Unidos estão adiando novas ações até os resultados da próxima reunião legislativa da Igreja, conhecida como Conferência Geral, que deve ocorrer de 29 de agosto a 6 de setembro de 2022, em Minneapolis, Minnesota.

Na agenda da Conferência Geral de 2022 estará uma proposta para financiar e criar pelo menos uma nova denominação separada para aqueles que não querem mais permanecer na UMC.

União homossexual

Por décadas, a UMC tem debatido se deve mudar sua posição oficial, conforme descrito no Livro da Disciplina, que rotula a homossexualidade como pecado, proíbe a ordenação de homossexuais não celibatários e proíbe a bênção de casamentos entre pessoas do mesmo sexo.

Esses esforços para reformar o Livro de Disciplina têm sido regularmente apresentados na Conferência Geral, a reunião legislativa de toda a igreja que normalmente ocorre a cada quatro anos.

Todas as tentativas de mudar a posição da UMC na Conferência Geral falharam, em grande parte por causa dos delegados da África e de outros lugares no exterior que tendem a ser mais conservadores.

Em fevereiro de 2019, em uma sessão especial da Conferência Geral realizada especificamente para tratar do assunto, os delegados votaram para reafirmar a posição tradicional, rejeitando uma proposta conhecida como "Plano de Uma Igreja" que teria permitido que órgãos regionais e congregações locais determinassem suas próprias posições sobre questões LGBT.

Ala de esquerda

Mesmo com muitas perdas, os Metodistas Unidos progressistas (ala de esquerda) continuaram a fazer campanha contra a posição oficial da denominação, desafiando totalmente as regras ao ordenar clérigos abertamente homossexuais ou oficializando casamentos entre pessoas do mesmo sexo.

Por exemplo, em 2016, a Jurisdição Ocidental da UMC elegeu por unanimidade Karen Oliveto para ser bispa da Área Sky da Montanha da UMC, tornando-a a primeira bispa abertamente gay na Igreja.

Embora o Conselho Judicial Metodista Unido, que é o tribunal mais alto da denominação, tenha decidido em 2017 que sua eleição violou a lei da igreja, ela permanece no cargo até o momento.

Keith Boyette, presidente da Wesleyan Covenant Association e porta-voz da Igreja Metodista Global, disse ao The Christian Post que a liderança da UMC mostrou "uma relutância em defender seus ensinamentos."

“Nos Estados Unidos, particularmente, alguns bispos, clérigos e igrejas estão operando em desafio aberto aos ensinamentos da Igreja Metodista Unida”, disse Boyette.

“A Igreja tornou-se ingovernável como consequência, tal desafio desenfreado destruiu a integridade da Igreja.”

Boyette disse que “esse desafio só aumentou nos últimos anos”, observando que “aqueles que defendem a mudança nos ensinamentos oficiais e que estão em desafio deixaram bem claro que não deixarão a Igreja voluntariamente”.

“Com o desafio e a desobediência na liderança da Igreja, eles não podem ser forçados a sair”, continuou ele. “À luz disso, os líderes teologicamente conservadores decidiram lançar uma nova denominação que seja fiel à sua doutrina e ensinamentos e acabar com este conflito sem fim dentro da Igreja Metodista Unida.”

John Lomperis do Instituto de Religião e Democracia, que serviu como delegado à Conferência Geral da UMC, disse ao CP que ele acreditava que “o gato saiu do saco” quando se tratou da divisão.

“Líderes de todas as facções principais admitiram que precisamos nos separar, e uma separação está chegando. A questão principal é se vamos nos separar de uma forma relativamente amigável e aceitável para todos os lados, ou se vamos nos separar de uma forma muito mais combativa e amarga”, disse Lomperis.

Quantos devem sair

Adam Hamilton, um pastor da megaigreja Metodista Unida conhecido por seu apoio à mudança da posição do Livro da Disciplina sobre as questões LGBT, disse em 2019 que esperava que até 7.500 congregações deixassem a denominação devido ao debate.

Hamilton fez essa previsão no encontro do Instituto de Liderança realizado em setembro de 2019 em sua Igreja da Ressurreição, sediada em Kansas, quando a Conferência Geral ainda estava programada para ocorrer em maio de 2020.

“Daqui a um ano, não seremos a mesma igreja que somos hoje”, disse Hamilton, que previu que haveria “entre 3.400 e 7.500 igrejas a menos” na IMU como resultado.

Hamilton argumentou que entre 3.400 e 6.800 congregações sairão do UMC para se juntar a uma nova denominação teologicamente conservadora, enquanto 300 a 1.000 igrejas decidirão que o UMC ainda não é inclusiva o suficiente.

Postar um comentário

0 Comentários