Header Ads Widget

Pastor é liberado após mais de um ano preso no Laos: “Resposta de oração”

Sithon Thippavong ficou detido na província de Savannakhet, acusado de organizar serviços religiosos sem a permissão das autoridades.

O Pr. Sithon Thippavong, ao lado de sua esposa, após sua libertação da prisão na província de Savannakhet. (Foto: Arquivo pessoal)

O pastor Sithon Thippavong, 35 anos, foi libertado no início de abril depois de ser condenado pelo Tribunal Popular Provincial sob acusações de "interromper a unidade" e "criar desordem", disse um oficial do gabinete do procurador da província à RFA.

O líder cristão ficou em uma prisão na província de Savannakhet, no sul do Laos.

“Ele foi sentenciado a um ano de prisão e multado em quatro milhões de kip [equivalente a U$ 426], com dois milhões de kip pagos por cada cobrança”, contou um funcionário sob condição de anonimato.

"Ele já cumpriu pouco mais de um ano de prisão, então foi solto", disse a autoridade.

Um membro da igreja de Sithon confirmou que o pastor havia sido libertado. “Ele agora está viajando de volta para sua casa na aldeia Kaleum-Vangkae [do distrito de Xonnaboury]”, disse a fonte à RFA.

“Estou feliz, muito feliz, por ele ter sido libertado”, disse outro cristão à RFA, dizendo que contaria a outros membros da igreja que Sithon havia sido libertado da prisão e organizaria uma cerimônia de ação de graças para celebrar a liberdade do pastor.

“Oramos pelo pastor Sithon há mais de um ano”, disse ele. “Estamos muito animados por ele ainda estar vivo e finalmente ter sido salvo por Deus.”

“Ele pode ter ficado doente e frágil na prisão, mas agora ficará muito feliz por poder servir a Deus novamente”, disse ele.

Resposta de oração

"A libertação do pastor Thippavong é uma resposta às orações em todo o mundo", disse o grupo de liberdades religiosas dos EUA, Christian Beyond Borders, em um e-mail para a RFA. "Estamos gratos por sua libertação e por estar em casa com esta família."

"Estamos gratos pelo passo em direção à liberdade religiosa no Laos que foi dado com esta notícia", acrescentou o grupo.

O pastor Sithon começou a pregar o cristianismo aos moradores do distrito de Xonnaboury em Savannaket em 2011 e foi preso em 15 de março de 2020 por organizar serviços religiosos sem a permissão das autoridades.

No dia de sua prisão, Sithon estava se preparando para realizar um culto quando sete policiais chegaram e exigiram que o pastor cancelasse o processo e assinasse um documento renunciando à sua fé cristã, disseram as fontes.

Quando Sithon se recusou a assinar o documento, ele foi levado sob custódia, e sua família nunca foi formalmente informada de sua prisão ou das acusações feitas contra ele.

Desrespeito e discriminação

Os cristãos do Laos estão autorizados pela Lei da Igreja Evangélica do país, aprovada e assinada no Laos em 19 de dezembro de 2019, para conduzir cultos e pregar em todo o país e manter contato com os crentes em outros países.

Mas, na prática, a lei parece se aplicar apenas na capital Vientiane e em outras grandes cidades, enquanto os cristãos nas áreas rurais continuam sujeitos ao desrespeito do público em geral e à discriminação nas mãos das autoridades locais, dizem as fontes.

Quatro cristãos laosianos e três líderes cristãos foram detidos por sete dias em 2018 no vilarejo de Nakhanong, no distrito de Phin de Savannkhet, por celebrar o Natal sem permissão.

E em outubro, as autoridades no distrito de Ta Oy, província de Saravan, no sul do país, expulsaram sete cristãos e destruíram suas casas quando eles não renunciaram à sua fé - uma clara violação da lei.

Os cristãos então passaram dois meses vivendo na floresta, mas foram autorizados a voltar para sua aldeia em dezembro, embora tenham sido proibidos de reconstruir suas casas.

Embora melhorias nas condições de liberdade religiosa tenham sido observadas no Laos em 2019, casos de abuso ainda eram vistos em áreas rurais remotas, disse a Comissão bipartidária de Liberdade Religiosa Internacional (USCIRF) dos EUA em um relatório divulgado em maio de 2020.

Postar um comentário

0 Comentários