Ataque em universidade do Quênia completa 5 anos

Portas Abertas acompanha e reúne mais de 70 sobreviventes do incidente em Garissa

Sobreviventes do ataque na Universidade de Garissa compartilham as experiências após traumas
Há cinco anos, a Universidade de Garissa foi atacada pelos extremistas islâmicos do Al-Shabaab, no Nordeste do Quênia. Após os radicais cercarem o local por 15 horas, universitários cristãos pagaram com a vida o preço de não negarem a Jesus. Os sobreviventes têm as marcas físicas e emocionais do incidente. A Portas Abertas contou a história na ocasião, e desde então trabalha no acompanhamento das vítimas. Uma das formas de trabalhar para a restauração dos cristãos foi promover um encontro de mais de 70 sobreviventes de todas as partes do país. O contato com os participantes permitiu a visão de como Deus trabalha em cada coração ferido.
Ben* estava a caminho da reunião de oração naquela manhã de abril. Ele ouviu os tiros e voltou para se esconder no alojamento. Ele confessa que as memórias do ataque são frequentes e que os aconselhamentos ajudam a elaborar melhor os fatos. "As feridas estão curadas, mas as cicatrizes estão lá", explica. Quanto ao perdão, ele é honesto, admite que não tem ódio pelos muçulmanos, mas que perdoar os extremistas é algo que só o Senhor pode fazer: "...eu não sei... acho que Deus fará isso por eles".
Ronnie* é outro sobrevivente que recorda do ataque sempre que olha nas mãos ou precisa ouvir alguma coisa. Ele foi baleado ao tentar escapar e teve a mão e a mandíbula atingidas, por isso perdeu três dedos esquerdos e teve a audição afetada. Outra consequência é a dificuldade de encontrar um emprego. Mesmo apto para ser um professor, a perda auditiva faz com que ele não seja contratado pelos administradores das escolas. “Outras pessoas podem ficar um dia ou dois sem pensar no incidente. Para mim, é diferente. Sempre que olho para os meus dedos ou me esforço para ouvir alguém, sou forçado a lembrar de tudo novamente”, diz Ronnie.
O ataque começou na sala onde estava acontecendo a reunião de oração diária. Nick* foi um dos poucos que testemunhou os assassinatos de cristãos no local. De maneira milagrosa, ele escapou e levou apenas um tiro no braço. Porém, a lesão o deixou incapaz de levantar objetos pesados e cumprir alguns tipos de tarefas.
Apesar disso, ele consegue atuar normalmente como professor. Ele conta que uma das maneiras que encontrou para aliviar a dor e processar as lembranças é falar sobre a experiência. "Não guarde para si mesmo... conte para muitas pessoas, quantas vezes puder. Dessa forma, sua raiva e amargura não aumentam”, aconselha. Nesse momento de cura, o cristão se apegou ao versículo de Jeremias 29.11 que diz: "Porque sou eu que conheço os planos que tenho para vocês, diz o Senhor, planos de fazê-los prosperar e não de lhes causar dano, planos de dar-lhes esperança e um futuro".
*Nomes alterados por segurança.
Pedidos de oração
  • Agradeça a Deus pela graça que ele mostrou aos sobreviventes e pela cura que trouxe à vida deles.
  • Interceda pelos cristãos que vivem próximos à fronteira com a Somália. Eles vivem sob risco de ataque a qualquer momento.
  • Ore pelos pastores e líderes das igrejas que trabalham nessas circunstâncias difíceis, cuidando dos cristãos traumatizados. Muitas vezes, eles próprios enfrentam os traumas.
  • Clame pelos sobreviventes como Ronnie, que ainda estão procurando emprego permanente. Que eles encontrem uma maneira de glorificar o nome de Deus em qualquer tarefa que fizerem.
  • Apresente o governo do país ao Senhor. Peça que tenha sabedoria divina e que tome atitudes prudentes para proteger e combater o extremismo.
Ataque em universidade do Quênia completa 5 anos Ataque em universidade do Quênia completa 5 anos Reviewed by MISSÕES URGENTE on 13:04 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.