Igrejas terão de cortar gastos para ajudar mais necessitados após pandemia, diz pastor

O pastor Tim Keller lembrou que muitas igrejas terão de deixar de investir em seus próprios 'luxos' para ajudar um número maior de pessoas necessitadas.


Tim Keller é pastor da Igreja Presbiteriana Redeemer, em Nova York. (Imagem: Youtube / Reprodução)
Após a pandemia do coronavírus, muitas igrejas precisarão aprender a "fazer mais com menos" e sacrificar programas e outros “luxos” para ajudar os necessitados, disse o pastor e autor Tim Keller.

Durante uma recente entrevista com Gabe Lyons na Conferência Virtual anual Q 2020, Keller, pastor aposentado de 69 anos da Igreja Presbiteriana Redeemer na cidade de Nova York, disse que a pandemia de coronavírus é "mais parecida com o 11 de setembro do que diferente". As duas tragédias foram sem precedentes e resultaram em "danos multidimensionais", tanto sociais quanto econômicos.

“As instituições cristãs serão confrontadas com a necessidade de fazer mais com menos”, ele previu, explicando que depois do 11 de setembro, a Igreja Redeemer tinha 25% mais pessoas e 25% menos de renda.

“O número de pessoas e as necessidades expandiram-se enormemente, mas como muitas pessoas perderam o emprego e deixaram a cidade e tudo mais, a arrecadação estava tendo um déficit enorme”, disse ele. “É exatamente a mesma coisa agora: todas as igrejas que conheço estão dizendo: 'Temos que fazer mais com menos. Temos muito mais necessidades e menos recursos para fazer isso. 'E isso significa não apenas uma nova abordagem para a administração, mas também pensar no que você gasta seu dinheiro ".

Keller, que hoje atua como presidente da Redeemer City to City, que ajudou a iniciar mais de 500 igrejas em dezenas das cidades mais influentes do mundo, disse que o período entre o isolamento e a disponibilidade de uma vacina contra o coronavírus será um "período intermediário".

"Não sei como será", ele admitiu. "Tudo o que posso dizer é que serão necessárias duas coisas: um pensamento inovador e mais networking com conversação".

"A segunda coisa é que você sempre lidera através do sacrifício", continuou Keller. “A igreja em geral terá que gastar menos dinheiro consigo mesma - isto é, com seus próprios programas - e mais dinheiro com as pessoas carentes. E a única maneira de fazer isso será cortar as coisas que estão fazendo agora”.

“Isso significa [o pastor] sacrificar parte do seu salário como uma maneira de garantir que a igreja seja capaz de atender às necessidades da sua comunidade? Eu não sei”, ele continuou. “Mas a liderança acontece sempre com inovação e sacrifício. E nós vamos ter que fazer as duas coisas nos próximos um ano ou dois”.

Portas abertas ao Evangelho

Nova York é o epicentro do surto de COVID-19 do país, com um número total de mortos em 12.067 e 158.000 casos confirmados na segunda-feira à tarde.

Keller apontou que o vírus "sacudiu" o orgulho humano e causou ansiedade nas pessoas, acrescentando que toda vez que uma tragédia ocorria em Nova York, "havia cerca de 10 ou 20% mais pessoas dispostas a ouvir uma pregação do Evangelho".

"Isso é tudo. É temporário, desaparece, francamente, com bons tempos”, afirmou. "Mas você realmente tem cerca de 10 ou 20% mais ouvidos abertos, e só precisa estar mais confiante para chegar lá e dizer as coisas".

"Na Redeemer há pessoas que se tornaram cristãs logo após o 11 de setembro, porque apareceram na igreja por estarem assustadas e apenas sentiam que precisavam de uma conexão", acrescentou Keller.

Ainda assim, o teólogo, palestrante e autor disse que não está otimista em relação à mudança permanente da cultura como resultado do vírus, enfatizando que os cristãos ainda precisarão “encontrar novas maneiras de formular a verdade cristã de uma maneira que se conecte à cultura, mas não o faça, não se comprometa com isso”.

Em uma entrevista anterior ao ‘Christian Post’, Keller apontou que o coronavírus está fazendo o que o 11 de setembro fez ao Estado: apresentando uma oportunidade única para os cristãos servirem como farol de esperança em meio à escuridão.

"No nível nacional, não tenho muita esperança", admitiu. "Os políticos estão tentando atribuir um ao outro lado a culpa pelo vírus e isso é desencorajador. Eles estão tentando marcar pontos para que, quando a pandemia comece a diminuir, pareçam bons".

"Mas no nível local, isso provavelmente não vai acontecer. Todo mundo vai dizer: 'OK, como lidamos com a devastação em nossas comunidades?' E é aí que eu penso, se os cristãos estão dispostos a chegar lá e ser bons samaritanos e dizer: 'Como trabalhamos com pessoas de raças e religiões diferentes e apenas tentar amá-las e como podemos dar as mãos?', teremos menos polarização e uma oportunidade real de testemunhar”.
Igrejas terão de cortar gastos para ajudar mais necessitados após pandemia, diz pastor Igrejas terão de cortar gastos para ajudar mais necessitados após pandemia, diz pastor Reviewed by MISSÕES URGENTE on 15:57 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.