27 mortos, alguns queimados vivos em ataques jihadistas em aldeias predominantemente cristãs no Mali

Músicos e cantores em uma comunidade do Dogon no Mali | Wikimedia Commons/BluesyPete
Suspeitos radicais islâmicos mataram pelo menos 27 pessoas, algumas das quais foram queimadas vivas, em uma série de ataques que se estenderam da última terça-feira à noite de quarta-feira em três aldeias que os defensores dizem ser predominantemente habitadas por cristãos no Mali Central, disseram autoridades.

Como as escaladas na violência comunitária têm atormentado o país da África Ocidental nos últimos anos, autoridades locais disseram à Reuters que os ataques nas aldeias de Bankass, Koro e Tillé foram realizados por homens armados em motocicletas que eles acreditam ser jihadistas que afirmam proteger pastores Fulani dos agricultores de Dogon.

"Ficamos surpresos com o ataque à vila de Tillé", disse o vice-prefeito de Doucombo, Yacouba Kassogué, à agência de notícias. "Sete foram mortos, todos Dogons, alguns deles queimados vivos."

Pelo menos 20 pessoas foram mortas em aldeias vizinhas de Bankass e Koro.

De acordo com as autoridades locais, a maioria das vítimas nessas duas aldeias foram baleadas ou queimadas até a morte.

De acordo com a agência interdenominacional de ajuda cristã Barnabus Aid, os ataques realizados na semana passada no Mali Central vitimaram "aldeias principalmente cristãs de Dogon".

"Desde 2016, os jiadistas travam uma guerra para ocupar o norte e o centro do Mali com o objetivo declarado de estabelecer a Sharia (lei islâmica) em todo o país", diz um comunicado da agência de ajuda.

"O Mali sofreu seu pior ano de violência extremista em sete anos em 2019. Militantes jihadistas realizaram ataques homicidas no norte e na área central, jogando lixo nas aldeias cristãs e fazendo com que centenas fugissem apenas com as roupas nas costas."

Dezenas de pessoas teriam sido mortas durante um suposto ataque fulani na vila principalmente cristã de Sobame Da, uma vila na região de Mopti, no centro do Mali, em junho de 2019.

Embora os relatórios iniciais sugerissem que mais de 100 foram mortos em Sobame Da, as autoridades mais tarde revisaram o número de mortos para 35, incluindo 24 crianças, alegando que as autoridades haviam confundido anteriormente pessoas desaparecidas com os mortos.

No entanto, alguns líderes comunitários argumentaram que o número inicial de mortos era preciso e que os investigadores não descobriram todos em casas queimadas pelos criminosos, de acordo com o The Washington Post.

Mali, um país predominantemente muçulmano na África Ocidental, classifica-se como o 29º pior país do mundo quando se trata de perseguição cristã na Lista mundial de observação de 2020 da Open Doors USA.

De acordo com o Projeto Joshua, a comunidade Dogon tradicionalmente celebra a religião animista, mas está cada vez mais se voltando para o Islã "por falta de uma alternativa". Hoje, a maioria das comunidades doGon são muçulmanas, mas cerca de 11% acreditam em Jesus.

"Nas poucas aldeias onde o cristianismo foi vivido por missionários, ou locais que se tornaram cristãos em outros lugares, pode-se de fato ver o crescimento da fé cristã", relata o Projeto Joshua.

De acordo com um dossiê do Open Doors sobre o Mali, militantes islâmicos no país "têm estado ocupados atacando as forças de segurança e os cristãos do país". O documento relata que "aldeias cristãs foram alvo e destruídas, com os ataques às vezes tendo elementos étnicos e religiosos".

"Com os ataques crescentes na região de Mopti e em outras áreas, escolas e igrejas da igreja foram incendiadas, centenas de escolas (incluindo escolas cristãs) foram fechadas em 2019", disse um pesquisador de campo do Open Doors.

Nos últimos anos, Mali tem visto escaladas em ataques violentos entre agricultores dogon e pastores Fulani.

Em março de 2019, as milícias Dogon foram acusadas de realizar um ataque que matou cerca de 150 pastores Fulani em Ogossagou. Outro ataque contra Fulani em Ogossagou, em fevereiro, teria matado 31. Militantes Dogon e Fulani foram acusados de realizar ataques de represália.
27 mortos, alguns queimados vivos em ataques jihadistas em aldeias predominantemente cristãs no Mali 27 mortos, alguns queimados vivos em ataques jihadistas em aldeias predominantemente cristãs no Mali Reviewed by MISSÕES URGENTE on 19:12 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.