Iraquianos ainda vivem em campos de deslocados na região de Mosul

A invasão do Estado Islâmico deixou a cidade em ruínas, sem água potável e assistência médica

A cidade de Mosul está destruída e boa parte da população vive em campos de deslocados
Há seis anos, no dia 6 de junho, militantes do grupo extremista Estado Islâmico (EI) invadiam a cidade de Mosul, ao norte do Iraque. Apesar dos radicais não dominarem mais o território hoje, os militantes ainda presentes em menor número e a COVID-19 preocupam a população, que voltou para o terceiro maior município do país. As ruas cheias de escombros e as casas vazias são consequências da guerra local que ocorreu entre 2014 e 2017.
Mais de 3 milhões de iraquianos tiveram que se deslocar pelo país em busca de um local seguro para sobreviver. Dois anos após o Estado  Islâmico perder o domínio sobre o Iraque, ainda existem 1,4 milhão de pessoas vivendo em campos de deslocados internos e em assentos informais, garante a Agência da Organização das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR).
A falta de perspectivas e a COVID-19 em Mosul
O motivo dos iraquianos não terem voltado para as antigas casas é a destruição total de grandes partes da cidade de Mosul. Em entrevista à agência de notícias Reuters, Sabiha Jassim contou o que avistou ao retornar para o território: “Vi estragos na cidade. Todas as casas e edifícios estão em completa ruína. Vi cadáveres com meus próprios olhos”. A iraquiana precisou retornar ao campo de deslocados porque não havia mais acesso a água potável e nem assistência médica na cidade. Autoridades locais garantiram que outras 200 famílias voltaram a viver nos campos pelos mesmo motivos.
A pandemia da COVID-19 agravou a situação dos iraquianos que vivem em campos de deslocados, já que os locais estão lotados e as condições de higiene não são as recomendadas pelas autoridades sanitárias. "É certamente muito provável que a COVID-19 prejudique os esforços de segurança doméstica e a cooperação internacional contra o Estado Islâmico, permitindo que os jihadistas preparem melhor os ataques e escalem campanhas de guerra insurgente nos campos de batalha em todo o mundo", afirmou a organização The International Crisis Group em um relatório.
A falta de perspectivas de futuro é outro fator que preocupa os governantes, já que os jovens nas regiões afetadas se tornam presas fáceis para os recrutadores do Estado Islâmico. Porém, a própria reconstrução de Mosul pode ser uma oportunidade para geração de empregos para a população. Um exemplo claro são as construções de uma igreja e uma mesquita na cidade com a ajuda da UNESCO. "Alguns cristãos já estão trabalhando em Mosul, mas o principal desafio será restabelecer a confiança entre os povos e as comunidades”, explicou Olivier Poquillon, líder cristão local.
Ajude a reconstruir a vida de um cristão no Iraque!
A Portas Abertas presta assistência emergencial aos cristãos vítimas de guerras, mas também coopera para que os seguidores de Jesus possam voltar às cidades de origem e retomar a vida. Contribua para a reconstrução de casas e igrejas no Iraque, assim os cristãos poderão cumprir o chamado de ser sal e luz onde há trevas.
Iraquianos ainda vivem em campos de deslocados na região de Mosul Iraquianos ainda vivem em campos de deslocados na região de Mosul Reviewed by MISSÕES URGENTE on 07:33 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.