“Queremos a lei islâmica”, afirma extremista em Moçambique - MISSÕES URGENTE
Seguir no Facebook Seguir no Twitter Seguir no Instagram

BRASIL MUNDO ISRAEL VERSÍCULOS PEDIDO DE ORAÇÃO VÍDEOS MÚSICA PREGAÇÕES CINEMA E TV COLUNA

sexta-feira, 5 de junho de 2020

“Queremos a lei islâmica”, afirma extremista em Moçambique

Cristãos estão entre os mais atingidos pelos ataques que já mataram 600 pessoas no país

Os cristãos de Moçambique são afetados pelos ataques de extremistas em busca de impôr as leis islâmicas
Os constantes ataques em Moçambique mataram 600 pessoas e deixaram 115 mil deslocadas no território. O motivo da onda de hostilidade é o desejo do grupo Al-Shabaab de estabelecer um califado na região, ou seja, quer que o país seja governado pela lei islâmica. A província de Cabo Delgado é a mais atacada.
Em 2020, o grupo al-Shabaab, sem conexões comprovadas com os radicais da Somália, multiplicou a violência ao destruir vilarejos, decapitar pessoas e obrigar a fuga de outras centenas. Em uma entrevista à Agence France-Presse (AFP), o coordenador da agência de ajuda humanitária Médicos Sem Fronteiras afirmou: “meus colegas testemunharam filas de pessoas andando nas estradas principais enquanto suas aldeias pegavam fogo".
A Portas Abertas noticiou o ataque em que 53 jovens foram mortos porque não aceitaram o convite para fazer parte do grupo extremista. Duas semanas antes, os radicais tomaram as cidades de Mocimba da Paia e Quissanga. Lá, eles hastearam a bandeira do grupo. Os militantes não se preocupavam em esconder seus rostos em um vídeo divulgado, e um deles ainda afirmou: "Não estamos lutando pela riqueza, apenas queremos a lei islâmica".
Porém, os analistas acreditam que pela província de Cabo Delgado ser rica em gás natural, os grupos extremistas estejam reivindicando o controle local. Os registros da Portas Abertas indicam que, do total de 14, nove distritos da região já foram atacados. “A escalada da violência em Moçambique é perigosa. A maioria da população nas partes norte do país é muçulmana moderada, enquanto as regiões central e sul são dominadas por cristãos”, afirma Jo Newhouse*, porta-voz da Portas Abertas na África Subsaariana.
Pedidos de oração
  • Clame para que Deus proteja e sustente os cristãos que estão deslocados por Moçambique à procura de segurança e meios de sobrevivência.
  • Interceda para que os governantes tenham sabedoria para traçar estratégias e agir para conter a onda de violência no país.
  • Ore pelos integrantes dos grupos extremistas, para que os planos deles sejam frustrados e encontrem Jesus neste momento. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário