'Ameaçado de extinção': cristãos permanecem em risco de 'erradicação' no Iraque pós-ISIS

Uma mulher e seus filhos participam de uma cerimônia de Páscoa na Igreja de São João (Mar Yohanna) na quase deserta cidade iraquiana de Qaraqosh em 16 de abril de 2017, perto de Mossul, Iraque. | Carl Court/Getty Images
Os cristãos em território iraquiano, antes detidos pelo Estado Islâmico, ainda enfrentam a possibilidade de extinção, já que a população cristã continua a diminuir após a derrota militar do culto à morte jihadista e o surgimento de milícias apoiadas pelo Irã na área.

A Aid to the Church in Need, uma organização internacional de ajuda humanitária que gastou mais de US$ 53 milhões para ajudar os cristãos no Iraque nos últimos cinco anos, publicou um longo relatório esta semana com base em uma série de pesquisas de cristãos que ainda vivem nas Planícies de Nínive do Iraque.

Através das pesquisas, a organização identificou os principais desafios enfrentados pelos cristãos iraquianos que retornaram às suas cidades no norte do Iraque após a invasão do Estado Islâmico das Planícies de Nínive e da cidade de Mossul em 2014.

As tensões sectárias e políticas continuam a ser os principais fatores que impulsionam a emigração de cristãos da região.

O relatório estima que, a menos que "medidas urgentes" sejam tomadas pela comunidade internacional, a comunidade cristã da região poderia cair para apenas 23.000, o que sugere que cerca de 20% da população cristã que vivia na região antes da invasão do Estado Islâmico em 2014 permaneceria.

De acordo com a Aid to Church in Need, a comunidade cristã da região cairia na definição de "ameaçada de extinção".

"As descobertas... deixar claro que restaurar a estabilidade da comunidade cristã nesta região pós-conflito só é possível com um esforço conjunto focado em segurança, educação, oportunidades econômicas de longo prazo e reconstrução", afirma o relatório.

Edward Clancy, diretor de divulgação da Ajuda à Igreja em Necessidade dos EUA, disse que a comunidade internacional deve "tomar medidas imediatas e decisivas" para resolver as questões "ameaçando a presença cristã contínua no Iraque".

"É mais importante do que nunca que os líderes mundiais trabalhem juntos para evitar que o número de cristãos caia ainda mais no Iraque", disse ele.

Embora o Estado Islâmico tenha sido expulso de seu território há três anos, a pesquisa mostra que as preocupações com o grupo terrorista ou grupos semelhantes ainda são predominantes para os cristãos iraquianos.

Cerca de 87% dos cristãos entrevistados para o estudo disseram se sentir "inseguros ou absolutamente inseguros". Enquanto isso, 67% acreditam que é "provável ou muito provável" que o Estado Islâmico ou um grupo semelhante retorne à área.

Quando o Estado Islâmico tinha o controle da área, centenas de milhares de minorias religiosas foram mortas, escravizadas e forçadas a sair de suas casas nas Planícies de Nínive. Mas desde a derrota do Estado Islâmico na região, os cristãos continuaram a fugir ou não voltaram devido à falha na infraestrutura governamental e ao surgimento de duas milícias apoiadas pelo Irã que operam nas Planícies de Nínive.

Também foram levantadas preocupações de que uma vez cidades predominantemente cristãs estão sendo repovoadas com muçulmanos.

De acordo com o relatório, 69% dos cristãos que disseram que planejam emigrar do Iraque citaram "razões políticas e de segurança como a causa primária".

Também descobriu que todos os cristãos entrevistados que vivem na área mencionaram a falta de segurança.

A Ajuda à Igreja em Necessidade destacou a presença da Milícia Shabak e da Brigada babilônia como "motivo de preocupação".

A Brigada babilônia é uma milícia que faz parte das Forças de Mobilização Popular cujos membros são predominantemente muçulmanos xiitas. No entanto, seu líder pretende ser um católico caldeano.

Enquanto isso, a milícia Shabak também tem principalmente membros muçulmanos xiitas da comunidade minoritária Shabak, que também foi deslocada pelo Estado Islâmico.

No ano passado, o líder da milícia foi sancionado pelo governo dos EUA por extrair dinheiro da população local através de "extorsão, prisões ilegais e sequestros". O líder da Brigada babilônia também foi sancionado.

"Em algumas áreas, as milícias foram acusadas de posicionar estrategicamente os santuários muçulmanos xiitas em posições proeminentes, às vezes em frente a monumentos cristãos, como uma forma de intimidação", diz o relatório.

O relatório levanta sérias preocupações de que ambas as milícias estejam operando impunemente.

"Em particular, as milícias nas Planícies de Nínive se recusaram a cumprir as instruções do primeiro-ministro em julho de 2019 para dissolver e integrar-se ao Exército iraquiano", adverte a organização. "Em parte, essa recusa em cooperar diz respeito a interesses econômicos e políticos entrincheirados. Em parte, refere-se a um medo genuíno do Isis, e ao sentimento de que tais milícias são necessárias para proteger contra o retorno de grupos semelhantes ao EI. A milícia Shabak é amplamente apoiada pela população shabak."

De acordo com o relatório, Bartella, uma cidade no Iraque que já foi lar de 40.000 cristãos antes do Estado Islâmico, agora é povoada por maioria Shabak. Relatos anteriores indicaram que o Irã financiou a construção de uma escola primária, biblioteca e mesquita na outrora cidade cristã.

Cerca de 39% dos entrevistados que vivem sob uma milícia apoiada pelo Irã dizem ter sido impactados negativamente por uma milícia desde que o Estado Islâmico foi derrotado.

Ambas as milícias têm sido alvo de inúmeras denúncias. A Ajuda à Igreja nas Necessidades admite que é difícil verificar todas as alegações feitas contra as milícias, mas alguns grupos de direitos, como a Human Rights Watch, reuniram evidências relacionadas a supostos abusos.

As milícias são acusadas de saquear casas sunitas e cristãs, ocupar e vender ilegalmente terras agrícolas, apoiar e tolerar pessoas que ocupam ilegalmente casas cristãs, extorsão, apoiar ou tolerar boicotes de empresas cristãs, ameaçar o clero, tentar controlar postos de controle em áreas cristãs e até mesmo bloquear as estradas que levam às igrejas.

A pesquisa constatou que outras razões comuns para o desejo de os cristãos emigrarem são o desemprego, a corrupção e a discriminação religiosa.

"O relatório não é pessimista, mas é um aviso claro porque, sem uma ação política concertada e imediata, a presença de cristãos na região das Planícies de Nínive e seus arredores será eliminada", disse o padre Andrzej Halemba, que supervisiona os projetos da Igreja em Necessidade no Oriente Médio, em um comunicado.

De acordo com Halemba, cerca de 36,2% dos cristãos deslocados voltaram para suas casas no norte do Iraque após a derrota do Estado Islâmico.

"A perspectiva é inevitavelmente sombria porque os cristãos sentem que chegaram a um ponto de virada em termos da viabilidade de sua presença na região", explicou Halemba. "Existem estratégias de contenção, planos e iniciativas que não só são viáveis, mas sustentáveis se dada a cooperação regional, nacional e internacional. Por mais que essas estratégias sejam variadas, o que todos eles têm em comum é a urgência."

A ajuda à Igreja em Necessidade ajudou a restaurar 2.860 casas cristãs danificadas ou destruídas em seis comunidades nas Planícies de Nínive nos últimos anos.

Mas agora, a organização está mudando seus esforços de reconstrução para se concentrar mais em edifícios administrados pela Igreja que precisam ser reconstruídos ou reparados.

De acordo com a organização, pelo menos 34 edifícios administrados pela igreja foram destruídos, enquanto 132 sofreram danos causados pelo fogo e 197 foram parcialmente danificados.

Halemba pede "a presença de uma representação permanente dos cristãos no governo nacional e local para garantir a defesa de seus direitos humanos fundamentais, especialmente o direito à igualdade de cidadania".
'Ameaçado de extinção': cristãos permanecem em risco de 'erradicação' no Iraque pós-ISIS 'Ameaçado de extinção': cristãos permanecem em risco de 'erradicação' no Iraque pós-ISIS Reviewed by MISSÕES URGENTE on 10:20 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.