Eritreia prende 30 pessoas que compareceram a casamento cristão em meio à repressão à fé diz relatório da ONG

Migrantes cristãos da Eritreia e da Etiópia rezam e lêem a Bíblia antes da missa de domingo na igreja improvisada em "A Nova Selva" perto de Calais, França, 2 de agosto de 2015. | (Foto: REUTERS/Pascal Rossignol)
Cerca de 45 pessoas que participaram de reuniões cristãs já foram presas nos últimos meses na capital da Eritreia, um país classificado como o sexto pior do mundo quando se trata de perseguição cristã.

Grupos de direitos estão levantando o alarme, pois relatórios recentes indicam que cerca de 30 pessoas foram presas enquanto participavam de uma cerimônia de casamento para um casal cristão na capital do país da África Oriental, Asmara, na última semana de junho.

A Eritreia, sem fins lucrativos com sede em Londres, que promove a harmonia religiosa e os direitos humanos, divulgou uma declaração esta semana explicando que o grupo de detidos foi alvo do regime em Asmara.

Acredita-se que os detidos foram levados para uma delegacia local conhecida como Kalai Medeber.

"Isso leva a contagem de prisioneiros a 45 no total desde abril passado, quando outro grupo de 15 cristãos que estavam participando de um culto foram retirados da área de Mai Chehot da capital e transportados para o campo de prisioneiros em Mai Serwa", explicou a Release Eritreia.

A Christian Solidarity Worldwide, uma organização não-governamental que opera em mais de 20 países, também soou o alarme sobre as recentes prisões, já que a Eritreia continua sendo um dos regimes mais repressivos do mundo.

A CSW, uma ONG credenciada pelas Nações Unidas, alertou que as novas detenções relatadas na Eritreia ocorrem em meio a crescentes preocupações com o impacto mortal da pandemia COVID-19 no sistema prisional superlotado da Eritreia.

A diretora da Eritreia, Berhane Asmelash, disse à CSW em um comunicado que o governo "desculpará essas prisões dizendo que essas pessoas estão detidas por violar as restrições do COVID".

"Mas a reação é muito pesada", disse Asmelash. "Por que detê-los em tais condições? Por que não multa ou avisá-los?

A CSW observou que dezenas de milhares de eritreias estão presos em mais de 300 centros de detenção insalubres sem acusação ou julgamento. Alguns prisioneiros de consciência na Eritreia foram detidos por décadas devido a suas opiniões políticas ou crenças religiosas.

O governo da Eritreia tem sido liderado pelo presidente Isaias Afwerki desde a independência do país da Etiópia em 1993. A Eritreia só reconhece quatro afiliações religiosas — cristianismo ortodoxo, islã sunita, igreja luterana evangélica da Eritreia e Igreja Católica. Afwerki é supostamente um membro da igreja ortodoxa.

Segundo Asmelash, toda a população prisional da Eritreia é estimada em 48.000 com "alimentos insuficientes e devido ao bloqueio".

"O presidente está usando o COVID-19 para arrecadar fundos, mas as pessoas na Eritreia estão famintas", disse Asmelash. "Aqui não há comida, não tem dinheiro. Não há nada.

Na semana passada, o Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas, do qual a Eritreia é membro, realizou um diálogo interativo sobre a situação dos direitos humanos na Eritreia, que incluiu vários países e organizações não governamentais.

Entre os grupos que tomaram a palavra durante o diálogo estavam o CSW, o East and Horn of Africa Human Rights Defenders Project e a Human Rights Watch, entre outros.

Durante a reunião, os oradores pediram à Eritreia que permitisse que o relator especial das Nações Unidas visitasse o país e criticaram a falta de melhorias na situação dos direitos humanos dois anos após a Eritreia concordar em se juntar ao conselho.

Alguns oradores do diálogo manifestaram preocupação com as detenções arbitrárias, desaparecimentos forçados e torturas usadas contra a oposição política. Eles pediram que prisioneiros políticos e prisioneiros de fé e consciência fossem imediatamente libertados.

Relatora Especial da ONU sobre a Situação dos Direitos Humanos na Eritreia Daniela Kravetz, advogada de direitos humanos nomeada para o cargo em 2018, condenou o fracasso do governo em defender a liberdade de religião.

"[T]o construir as bases para uma sociedade próspera, as autoridades da Eritreia devem abrir espaço cívico para a sociedade civil independente", disse Kravetz em um comunicado em 30 de junho. "Hoje, não há espaço para defensores independentes dos direitos humanos, membros da oposição política e jornalistas independentes. Neste último ano, testemunhamos o aumento do encolhimento do espaço cívico na Eritreia, com as prisões de praticantes de diferentes congregações religiosas durante reuniões de oração, de membros de grupos minoritários e de pessoas que expressaram dissidências."

Kravetz alertou que, em vários casos, as instituições que pediram reformas e questionaram as ações do governo têm enfrentado "represálias". Tais instituições incluem a Igreja Católica e entidades islâmicas, disse ela.

"Um espaço cívico aberto é um pilar básico para o sucesso de qualquer nação", argumentou Kravetz.

A Open Doors USA, uma organização cristã de vigilância da perseguição que trabalha com a Igreja perseguida em mais de 60 países, classifica a Eritreia como o sexto pior país do mundo quando se trata de perseguição cristã em sua Lista Mundial de Vigilância de 2020 devido ao número de abusos de direitos humanos e prisões injustas.

A Open Doors relata que, sob o regime de Afwerki, os cristãos que não são membros de igrejas aprovadas pelo Estado são considerados "agentes do Ocidente e uma ameaça ao Estado".

De acordo com o Open Doors, centenas de membros de igrejas não registradas estão presos, alguns por mais de uma década. Alguns prisioneiros são forçados a trabalhar longas horas em campos comerciais de flores ou são detidos em contêineres de transporte que podem atingir temperaturas extremamente quentes sob o sol.

Esse foi o caso de Helen Berhane, uma cristã da Eritreia que se encontrou com o presidente dos EUA Donald Trump em julho passado, juntamente com um grupo de outros crentes perseguidos de todo o mundo.

Berhane passou 32 meses detida dentro de um contêiner de metal por causa de sua fé. Ela contou a Trump sobre a situação dos cristãos na Eritreia.

"Mas a razão pela qual estou aqui [é] todos os nossos pastores, eles ainda estão na prisão na Eritreia, incluindo o Patriarca [Abune] Antonios",disse ela. "Essa é a minha mensagem e voz para aqueles que estão sem voz."

A Eritreia é reconhecida pelo Departamento de Estado dos EUA como um "país de particular preocupação" por se envolver em violações sistêmicas e notórias da liberdade

religiosa.
Eritreia prende 30 pessoas que compareceram a casamento cristão em meio à repressão à fé diz relatório da ONG Eritreia prende 30 pessoas que compareceram a casamento cristão em meio à repressão à fé diz relatório da ONG Reviewed by MISSÕES URGENTE on 11:38 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.