Header Ads Widget

Cristãos lutando contra grilheiros em Beirute após explosão deixa 300 mil famílias deslocadas

Móveis danificados são vistos em primeiro plano enquanto as pessoas assistem à missa de domingo na Igreja de St. Antoine parcialmente danificada em 16 de agosto de 2020, em Beirute, Líbano. A explosão no porto de Beirute na semana passada matou mais de 200 pessoas, feriu milhares e acabou com inúmeras vidas. Houve pouco apoio visível das agências governamentais para ajudar os moradores a limpar os escombros e ajudar os deslocados, embora dezenas de voluntários de todo o Líbano tenham descido sobre a cidade para ajudar a limpar. Getty Images/Chris McGrath
A explosão em Beirute no início deste mês não só matou cerca de 200 pessoas e deslocou cerca de 300.000 famílias, mas também ameaça mudar a demografia dos distritos cristãos, já que os grileiros de terras estão buscando tirar vantagem da situação sombria.
"Há pessoas tentando lucrar com essa catástrofe e comprar terras e casas dos cristãos", disse a instituição de caridade católica Aid to the Church in Need, citando um parceiro local, o Monsenhor Toufic Bou-Hadir.
"As pessoas querem ficar. Alguns idosos, e os mais jovens, também, estão hospedados em suas casas, mesmo aqueles que estão danificados", acrescentou Bou-Hadir, diretor da Comissão Patriarcal Maronita para a Juventude.
"Com todo o respeito às pessoas que possuem outras crenças religiosas, não podemos vender casas cristãs para os outros. Não queremos mudar a demografia. A terra não tem apenas valor material. É nossa dignidade. É onde temos nossas raízes."
A explosão ocorreu em 4 de agosto, quando centenas de toneladas de nitrato de amônio se tornaram uma força mortal e poderosa na área portuária. A causa da explosão foi negligência ou "ação externa, com um míssil ou uma bomba", disse o presidente libanês Michel Aoun.
Roland Alford, diretor executivo da Alford Technologies, disse à Reuters que é uma das maiores explosões não nucleares de todos os tempos. Afetou cerca de metade da cidade.
De acordo com a Britannica, Beirute está dividida entre cristãos e muçulmanos, com a parte oriental da cidade sendo "quase solidamente cristã" e o ocidente sendo "predominantemente muçulmano". Vários bairros da metade cristã foram destruídos.
Líderes da Igreja recentemente pressionaram políticos a aprovar uma lei impedindo os cristãos de vender suas casas. Falando na danificada Catedral de Maronite de Beirute para uma vigília noturna, o arcebispo Paul Abdel Sater também pediu aos cristãos que não perdessem a fé em seu futuro na cidade.
Enquanto os jovens cristãos estão ajudando se voluntariando para reconstruir as áreas afetadas, a emissora cristã árabe SAT-7 está focada em oferecer esperança, de acordo com a CBN News.
"Começamos a transmitir orações e para as pessoas, para sua segurança para aqueles que perderam entes queridos e para as pessoas responsáveis no governo - as posições do governo, para que Deus possa abrir seus olhos para que possamos salvar as pessoas dessa miséria", disse George Makeen, diretor dos Canais Árabes SAT-7.
Juliana Sfeir, gerente de marca da academia SAT-7 em Beirute, que tem reportado desde o início, explicou que os libaneses nunca haviam experimentado algo como esta explosão, mesmo em 15 anos de guerra civil.
"Eles perderam a esperança no futuro", escreveu Sfeir em um post no Facebook. "Por favor, reze por proteção de outra guerra civil. Por favor, reze por proteção contra a emigração também. Muitos dos nossos jovens vão querer ir embora agora. Por favor, reze para que estejamos aqui no SAT-7 para sermos a igreja que cura."
Rami Shamma, diretor de operações de campo da Visão Mundial-Líbano, disse ao The Christian Post mais cedo que sentiu a explosão a cerca de 30 quilômetros de Beirute. Ele disse que lembrava as pessoas da guerra.
"Parte do porto que foi destruído foi a mesma parte destruída na guerra civil libanesa", disse Shamma. "Tudo o que vemos nos levou de volta 15 anos para o que aconteceu ... Não temos balas nos prédios, mas tudo está despedaçado e no chão. As imagens eram assustadoras."
Os hospitais, já estressados pelos pacientes do COVID-19, foram invadidos após a explosão, de acordo com Shamma. Pessoas feridas que vão aos hospitais que já são "fracas" experimentam longos tempos de espera. Quatro hospitais também foram fortemente danificados pela explosão, causando problemas de capacidade.
A Visão Mundial está ajudando os libaneses afetados pela explosão de várias maneiras. Shamma disse que necessidades básicas como comida, água e abrigo são o foco no Líbano, mas também está sendo prestado cuidados de saúde emocional, o que é crucial para as crianças libanesas.

Postar um comentário

0 Comentários