Milícias islâmicas persegue cristãos na República Centro-Africana - MISSÕES URGENTE
Seguir no Facebook Seguir no Twitter Seguir no Instagram

BRASIL MUNDO ISRAEL VERSÍCULOS PEDIDO DE ORAÇÃO VÍDEOS MÚSICA PREGAÇÕES CINEMA COLUNA

sábado, 19 de setembro de 2020

Milícias islâmicas persegue cristãos na República Centro-Africana

 Mesmo sendo uma nação de maioria cristã, o islamismo cresce e a ação de milícias tem gerado caos

Ore por este país, onde a ação de milícias gera caos, com ataques violentos a igrejas e cristãos

Na República Centro-Africana, que ocupa a 25ª posição na Lista Mundial da Perseguição 2020, os três principais tipos de perseguição são opressão islâmica, crime organizado e corrupção e antagonismo étnico. A milícia Seleka se subdividiu em várias facções; a maioria desses combatentes é muçulmana e constantemente ataca igrejas e casas de cristãos. A milícia Seleka é um dos principais atores na guerra civil na República Centro-Africana. Esse grupo era formado por combatentes do norte do país.

O Anti-Balaka começou como unidades de autoproteção locais e grupos de vigilantes, tornando-se um dos principais atores na guerra civil, mas se transformou em gangues criminosas, sobretudo na capital, Bangui. Militantes Anti-Balaka também atacam igrejas e cristãos. Assim, os cristãos são atacados e ameaçados tanto por militantes do Seleka quanto do Anti-Balaka. Igrejas e pastores são os principais alvos dos ataques. Cristãos ex-muçulmanos enfrentam pressão da família e comunidade. O Anti-Balaka também realiza ataques violentos contra muçulmanos. A população nas áreas de maioria muçulmana é influenciada a se opor aos cristãos.

A República Centro-Africana passou por vários conflitos e cinco golpes desde sua independência da França, em 1960. A instabilidade e fraqueza dos sucessivos governos, assim como sua falta de legitimidade, significam que a França, seu ex-colonizador, ainda tem um papel decisivo no país. Ao longo do tempo, tem havido muitas intervenções diretas do exército francês para apoiar o governo no poder e, às vezes, para proteger os próprios cidadãos franceses e outros estrangeiros que moram no país.

Mesmo expulso de algumas partes, Seleka ainda controla algumas áreas
A República Centro-Africana é considerada uma nação cristã, mas o islã tem crescido significativamente na última década, indo de 5% para 13% da população. O crescimento é fortalecido pela migração de pessoas do Chade e Sudão. Descontentamento dos muçulmanos do Norte foi uma das causas do golpe de março de 2013. Os cristãos locais afirmam que a rebelião que levou ao golpe de 2013 partiu de uma agenda jihadista.

Embora o Seleka tenha sido expulso de muitas partes do país, vários desafios permanecem. Em Bangui, um crescente grupo de radicais muçulmanos continua a manter o controle no enclave denominado PK5, onde ainda impõe terror. No nordeste do país, de maioria muçulmana, muitos cristãos são obrigados a fugir de seus vilarejos e não têm acesso a terras agrícolas. Um grande número de cristãos vive em situação de extrema pobreza em acampamentos para deslocados internos.

O estado de ausência de leis e a inabilidade do governo em manter a lei e a ordem significam que os cristãos, bem como a população em geral, têm pouca proteção contra os atos criminosos dos grupos militantes.

A pressão aos cristãos no país
A média de pressão aos cristãos na República Centro-Africana é no limite entre alta e muito alta, com uma pontuação de 10,5 pontos, uma redução dos 10,7 do ano anterior. Exceto na família e nação, a pressão em todas as outras esferas da vida é mais alta que 10 pontos e pontua mais alto na comunidade, com 13,1 pontos. A pontuação para violência permanece em um nível extremo, com 15,6 pontos, embora ainda seja 0,5 pontos menor que no ano anterior.

Os cristãos perseguidos na República Centro-Africana contam com nossas orações para que o bom pastor os sustente, revelando seu cuidado em meio ao caos. Clame para que a situação do país seja mudada, para que venha o reino de Deus e a vontade dele seja feita nesta nação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário