Oficiais comunistas chineses invadem acampamento de escola primária administrada pela igreja, prendem esposa de pastor

Os adoradores católicos chineses ajoelham-se e rezam durante a missa de domingo de Palma durante a Semana Santa da Páscoa em uma igreja "subterrânea" ou "não oficial" em 9 de abril de 2017 perto de Shijiazhuang, província de Hebei, China. | Getty Images/Kevin Frayer
Autoridades comunistas da província chinesa de Henan invadiram um acampamento de verão de escola primária organizado por uma igreja da casa e prenderam a esposa do pastor depois de acusar os cristãos de "realizar atividades religiosas ilegais".
De acordo com o cão de guarda da perseguição China Aid,cerca de 30 autoridades do Departamento de Assuntos Étnicos e Religiosos do Condado de Xinyang Gushi, o Departamento de Segurança Pública e a Força-Tarefa Conjunta de Chengguan (força de gestão urbana) invadiram uma igreja perto do Campus Norte da Terceira Escola De Gushi em 23 de agosto.
O líder da igreja, Wang Guangming, disse à China Aid que a igreja estava hospedando acampamento de verão no dia do ataque. Embora os alunos estivessem aprendendo piano, violão e teoria musical, as autoridades acusaram os líderes de "realizar atividades religiosas" e prenderam a esposa do pastor.
"Eu não estava presente na igreja naquele dia", disse Wang à China Aid. "Eles vieram e disseram que estávamos nos reunindo ilegalmente, e confiscaram minha propriedade pessoal, incluindo projetor, mesas, cadeiras, ventiladores e palestrantes. Eles não os trouxeram de volta a partir de hoje.
Outro membro disse à China Aid que funcionários do Departamento de Assuntos Étnicos e Religiosos alegaram ter recebido "uma dica dos moradores" sobre uma igreja ilegal que provocou o ataque. Alegando ser "aplicação da lei", as autoridades começaram a filmar e tirar fotos.
Henan é uma das províncias da China que tem o maior número de cristãos, com uma estimativa de 5 milhões a 6 milhões de crentes. A International Christian Concern observa que o Gabinete de Assuntos Étnicos e Religiosos do Condado de Xinyang, Gushi, disse anteriormente que, de 20 de agosto a 20 de setembro, realizaria uma investigação de um mês para reprimir atividades religiosas ilegais.
O presidente Xi Jinping ordenou que todas as religiões devem "sinicizar" para garantir lealdade ao partido ateu. Como resultado, o Partido Comunista Chinês tentou conter a disseminação do cristianismo através de seu arcabouço legal, Sinicização, fechamento ou demolição de igrejas ou locais de culto, prisão de cristãos e pressão social.
As autoridades chinesas também tentaram impedir que os cristãos transmitissem sua fé para a próxima geração.
Em seu relatório anualde 2020, a Comissão dos EUA para a Liberdade Religiosa Internacional observou que o Partido Comunista Chinês proibiu jovens menores de 18 anos de participar em serviços religiosos. Além disso, os líderes cristãos estão proibidos de organizar qualquer atividade com os jovens ou incentivá-los a considerar vocações ministeriais.
No início deste ano, as autoridades removeram à força crianças adotadas de seus pais cristãos, alegando que os documentos de adoção não eram mais válidos porque seus filhos estavam "presos por uma religião maligna".
Além de tirar crianças de seus pais cristãos, o PCC também ameaçou enviar crianças cristãs para campos de reeducação do governo e ordenou que os pais se abstivessem de matricular seus filhos em escolas da igreja.
Em Shangrao, uma área de Jiangxi, mais de 40 igrejas penduraram um slogan que diz: "Não-locais são proibidos de pregar; nenhuma pessoa menor de idade permitido na igreja.
Aaron Ma, pesquisador da Open Doors International, com sede na Ásia, disse ao World Watch Monitor que os cristãos são um "enigma" para o governo.
"O PCC (Partido Comunista Chinês) acredita que a Igreja é uma força desestabilizadora, mas não porque é ruim; na verdade, as comunidades e as autoridades locais tendem a acreditar que os cristãos são boas pessoas", explicou Ma. "Alguns sugerem que, como a lealdade dos cristãos é, antes de tudo, a Deus e não ao Partido Comunista, há um conflito de interesses que o partido acredita que pode potencialmente dificultar o processo de unificação. Outros estão mais preocupados com o que percebem como potencial 'caos' decorrente do grande número de cristãos."
A China também foi rotulada pelo Departamento de Estado dos EUA como um "país de particular preocupação" por "continuar a se envolver em violações particularmente graves da liberdade religiosa".
Oficiais comunistas chineses invadem acampamento de escola primária administrada pela igreja, prendem esposa de pastor Oficiais comunistas chineses invadem acampamento de escola primária administrada pela igreja, prendem esposa de pastor Reviewed by MISSÕES URGENTE on 15:11 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.