Sudão é o terceiro país árabe a selar acordo de paz com Israel

 Israel e Sudão iniciarão negociações nas próximas semanas sobre acordos de cooperação em agricultura, economia, comércio, aviação, questões de migração e outras áreas de benefício mútuo.

Secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo (direita) esteve em Cartum, no Sudão, junto a uma delegação de Israel, para mediar um acordo de paz entre o estado árabe e o estado judeu. (Foto: Embaixada dos EUA em Cartum / Domínio Público)

O Sudão se tornou a terceira nação árabe, depois dos Emirados Árabes Unidos e do Bahrein, a normalizar os laços com o estado judeu de Israel como parte de um acordo de paz mediado pelos EUA, chamado de ‘Acordos de Abraão, conforme anunciou a Casa Branca.

“Eles estão escolhendo um futuro no qual árabes e israelenses, muçulmanos, judeus e cristãos possam viver juntos, orar juntos e sonhar juntos, lado a lado, em harmonia, comunidade e paz”, disse o presidente Trump em um comunicado divulgado pela Casa Branca na última sexta-feira (23).

O primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu saudou o acordo como mais um "avanço significativo".

"Que grande mudança", disse Netanyahu. "Em Cartum, a capital do Sudão, eles adotaram em 1967 os ‘Três Nãos’da Liga Árabe: não à paz com Israel, nenhum reconhecimento de Israel e nenhuma negociação com Israel. Mas hoje, Cartum está dizendo sim à paz com Israel, sim ao reconhecimento de Israel e sim à normalização com Israel".

De acordo com o comunicado, Israel e Sudão iniciarão negociações nas próximas semanas sobre acordos de cooperação em agricultura, economia, comércio, aviação, questões de migração e outras áreas de benefício mútuo.

“Parabéns a @POTUS @realDonaldTrump por esta CONQUISTA HISTÓRICA DIPLOMÁTICA”, postou Johnnie Moore, proeminente defensor da liberdade religiosa e fundador da KAIROS Company. “O verdadeiro boicote árabe a Israel em 1967 foi chamado de‘ Resolução de Cartum ’. Hoje, de Cartum, os Estados Unidos intermediaram a paz entre o Sudão e Israel”.

Depois de décadas vivendo sob uma ditadura islâmica brutal “que apoiava o terrorismo, o povo do Sudão está no comando e a democracia está criando raízes”, acrescentou a Casa Branca.

O acordo "tem valor simbólico para Israel, já que Cartum sediou a famosa cúpula da Liga Árabe em 1967, na qual oito nações árabes aprovaram o que ficou conhecido como 'Três Nos' - sem paz com Israel, sem reconhecimento de Israel e sem negociações com Israel", O Wall Street Journal observou, acrescentando que ajudará o Sudão a reviver uma economia à beira do colapso.

A Comissão dos EUA para a Liberdade Religiosa Internacional reconheceu cautelosamente as melhorias na atmosfera religiosa e política do Sudão depois que o presidente da comissão, Tony Perkins, visitou o Sudão em fevereiro.

“Somos gratos ao primeiro-ministro Hamdok e outros membros da ousada liderança de transição do país que se reuniram com a USCIRF para transmitir seu desejo explícito de trazer uma nova era de abertura e inclusão para seu país, que sofreu por 30 anos sob repressão religiosa brutal e autocrática”, disse Perkins na época, segundo o Crux.

As autoridades também compartilharam na época como planejavam expandir a liberdade religiosa em um país que é classificado como o sétimo pior do mundo quando se trata de perseguição aos cristãos, de acordo com a lista mundial da Portas Abertas (EUA), atualizada anualmente.

Nobel da Paz

No mês passado, um membro do Parlamento norueguês, Christian Tybring-Gjedde, nomeou Trump para o Prêmio Nobel da Paz de 2021, citando seu trabalho em ajudar a intermediar um acordo de paz histórico entre Israel e os Emirados Árabes Unidos.

“Hoje indiquei o presidente dos EUA, Donald Trump, para o Prêmio Nobel da Paz”, anunciou Tybring-Gjedde no Facebook na época.

“O acordo pode abrir para uma paz duradoura entre vários países árabes e Israel”, explicou. “Agora é esperar que o Comitê do Nobel seja capaz de considerar o que Trump alcançou internacionalmente e que não tropece no preconceito estabelecido contra o presidente dos EUA. Em seu testamento, Alfred Nobel definiu três critérios para se qualificar ao Prêmio da Paz. Donald Trump satisfaz todos os três”.

Sudão é o terceiro país árabe a selar acordo de paz com Israel Sudão é o terceiro país árabe a selar acordo de paz com Israel Reviewed by MISSÕES URGENTE on 10:17 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.