Header Ads Widget

Centenas de muçulmanos atacam igreja e casas de cristãos no Egito

 

Os enlutados carregam cruzes e marcham após o funeral de cristãos coptas que foram mortos na sexta-feira em Minya, Egito, 26 de maio de 2017. | (Foto: Reuters/Mohamed Abd El Ghany)

Uma multidão de aldeões muçulmanos atacou as casas e lojas de cristãos coptas na província de Minya, no Egito, por causa de rumores de que um homem cristão havia postado um comentário denegrindo o Islã no Facebook, de acordo com relatos.

Pelo menos uma idosa foi hospitalizada por queimaduras sofridas no incêndio em sua casa depois que grupos próximos a grupos islâmicos usaram pedras e coquetéis Molotov para atingir a comunidade ortodoxa copta em al Barsha quinta-feira, de acordo com o Independent Catholic News.

O homem acusado de postar o comentário contra o Islã em sua conta pessoal do Facebook disse que sua página havia sido hackeada.

A multidão também tentou atacar a igreja de Abou Sefin, onde a congregação estava celebrando o início do jejum copta, informou o Christian Solidarity Worldwide,uma ONG reconhecida pelas Nações Unidas que trabalha em vários países para ajudar comunidades perseguidas.

Um micro-ônibus pertencente à igreja também teria sido queimado.

Boletins gratuitos do CP

Junte-se a mais de 250.000 outros para obter as principais histórias com curadoria diária, além de ofertas especiais!

BOLETINS GRATUITOS DO CP

Junte-se a mais de 250.000 outros para obter as principais histórias com curadoria diária, além de ofertas especiais!

Logo após o ataque, o general Osama Al Qadi, governador de Minya, convocou uma reunião com os líderes da aldeia para aliviar as tensões e acalmar as paixões, informou a ICN. Al Qadi também instou o clero muçulmano a promover a convivência e a tolerância através de seus sermões em mesquitas.

"Apesar desses apelos, as proclamações continuam a ser espalhadas pelas mídias sociais que fomentam a oposição e o confronto entre muçulmanos e cristãos coptas, instigando novos ataques sectários", acrescentou a ICN.

O número de pessoas presas sob acusação de desacato à religião e blasfêmia aumentou significativamente este ano.

"Este incidente deve ser investigado minuciosamente, com os responsáveis levados à justiça", disse o CEO da CSW, Scot Bower. "A hostilidade social que sustenta a discórdia sectária, que facilita surtos frequentes de violência na área, também deve ser abordada. Encorajamos as autoridades egípcias a se envolverem positivamente com organizações de direitos humanos para promover a diversidade religiosa e a igualdade de cidadania por meio do engajamento cívico e da educação."

De acordo com o grupo de perseguição cristã Open Doors USA, o Egito é o 16º pior perseguidor de cristãos do mundo.

"Muitos cristãos egípcios encontram obstáculos substanciais para viver sua fé", observa. "Há ataques violentos que fazem manchetes de notícias em todo o mundo, mas também há formas mais silenciosas e sutis de coação que sobrecarregam os crentes egípcios. Particularmente em áreas rurais no norte do Egito, os cristãos têm sido perseguidos de aldeias, e sujeitos à violência da máfia e à intensa pressão familiar e comunitária. Isso é ainda mais pronunciado para os cristãos que são convertidos do Islã."

De acordo com o grupo de advocacia Coptic Solidarity, com sede nos EUA, as restrições à liberdade de expressão, à livre reunião e à liberdade de imprensa foram bem documentadas desde que o presidente Abdel Fattah al-Sisi chegou ao poder em 2014.

"Esmagar a dissidência política, prender jornalistas e censurar a imprensa raramente são discutidos em relação a licenças de construção da igreja, práticas discriminatórias e violência contra coptas no Egito", escreveu Amy Fallas, do Instituto Tahrir de Política do Oriente Médio no início deste ano.

Postar um comentário

0 Comentários