Prisioneiros cristãos são fuzilados por possuir uma Bíblia na Coreia do Norte

 Agentes também torturam cristãos em gaiolas eletrificadas e matam recém-nascidos nos 'campos de reeducação' da Coreia do Norte.

Soldado norte-coreano caminha com fuzil pendurado no ombro. (Foto: Ary News)

Um novo relatório expôs as atrocidades feitas contra os cristãos norte-coreanos presos por causa de sua fé em Jesus, incluindo abortos forçados, assassinato de bebês recém-nascidos e morte por execução por possuir uma Bíblia.

A organização ‘Korea Future Initiative’ (KFI), com sede em Londres, publicou seu último relatório, “Perseguindo a Fé: Documentando violações da liberdade religiosa na Coreia do Norte”, que inclui informações de 117 entrevistas com exilados do país isolado.

A investigação documenta 273 vítimas de violações da liberdade religiosa, com idades entre apenas 3 anos e mais de 80 anos.

Embora adeptos de várias religiões sejam mantidos em campos de "reeducação" da Coreia do Norte, as punições mais severas são reservadas para os cristãos, concluiu o relatório.

Mais de 200 cristãos foram identificados como, vítimas punidas por crimes, incluindo prática religiosa, atividades religiosas na China, posse de itens religiosos, contato com pessoas religiosas, frequentar um local de culto e compartilhar crenças religiosas.

Uma ex-prisioneira relembrou: “Os homens eram espancados como cães. Até na cela. Gritavam como loucos porque doía muito”.

"Embora as mulheres fossem espancadas com menos frequência, levei um soco no rosto e minha pele se rompeu e sangrei muito. [Os oficiais] me disseram para limpar o sangue, então eu limpei. Chorei muito quando eles me bateram de novo. O corte abriu novamente e sangrou durante meu próximo exame pré-julgamento. Eles me bateram de novo porque eu chorei", contou.

Em vários casos, prisioneiros encontrados com uma Bíblia ou panfletos religiosos foram executados por um pelotão de fuzilamento, enquanto outros foram trancados em gaiolas eletrificadas e alimentados com uma sopa aguada, como forma de tortura. Outros foram executados por ‘contrabandear’ páginas da Bíblia da China para os norte-coreanos fazerem livros de orações.

Em um caso, uma vítima encontrada com uma Bíblia foi executada publicamente na frente de mais de 1.000 pessoas. A vítima foi amarrada a uma estaca de madeira e executada por um pelotão de fuzilamento MPS.

Uma testemunha disse à KFI: “Eu vi a carne cair. Isso dá uma ideia do quão perto eu estava".

Outro homem, que se converteu ao cristianismo, foi supostamente forçado a entrar em uma gaiola de metal de apenas 1 metro de altura e 1,20 metro de largura.

“Havia barras de aço em todos os quatro lados que eram aquecidas com eletricidade”, disse ele à KFI. “Normalmente os prisioneiros duravam apenas três ou quatro horas na gaiola, mas eu sentei lá por 12 horas e orei. Continuei orando a Deus para me salvar", relatou.

O homem acabou sujando-se e desmaiou antes de ser espancado pelos guardas, que o deixaram com ferimentos graves.

Investigação

Os investigadores documentaram 32 incidentes de violência sexual contra as mulheres — que representaram 60% das vítimas identificadas no relatório — e abortos forçados.

No ‘centro de detenção preventiva MSS’ da província de Hamgyong do Norte, por exemplo, mulheres grávidas foram forçadas a receber uma injeção para induzir o parto. Depois de dar à luz bebês vivos, os recém-nascidos eram retirados delas, sufocados por guardas com plástico ou sacos de pano e depois descartados em um armário de limpeza.

“As mães das crianças abortadas foram forçadas a retomar o trabalho manual no dia seguinte ao aborto e sem medicamentos ou descanso”, observou o relatório.

Meninas de apenas 3 anos foram forçadas a passar por revistas de cavidade corporal “degradantes internas e invasivas”, de acordo com o relatório.

Em alguns casos, famílias inteiras foram presas, condenadas e levadas para campos de prisioneiros políticos, separadas por aderir ao cristianismo.

Um indivíduo entrevistado compartilhou como 10 participantes de grupos de estudo da Bíblia foram presos e condenados a campos de prisioneiros políticos. Posteriormente, o pai de uma das vítimas foi informado de que seu filho havia morrido em um campo de prisioneiros políticos.

Doutrinação ideológica

Il-lyong Ju, um exilado defensor dos direitos humanos que ajudou a redigir o relatório, disse que os norte-coreanos são "doutrinados a desprezar a religião desde tenra idade" e a "divinizar o líder supremo".

“As ações cruéis dos poucos privilegiados na Coreia do Norte que tiram nossas vidas e controlam nossos pensamentos devem ser evitadas”, disse ele.

“As autoridades norte-coreanas, cujos crimes evocam pensamentos de Auschwitz, devem ser identificadas e responsabilizadas. E não devemos esquecer os testemunhos dos sobreviventes neste relatório. Isso é o mínimo que nós, os norte-coreanos ainda livres, e você, o leitor a quem foi concedida a liberdade ao nascer, podemos fazer como nosso ato coletivo de humanidade. Temos liberdade. O povo norte-coreano, não”, acrescentou

Por meio do relatório, conduzido ao longo de um período de sete meses em 2019-2020, a KFI disse que espera "fornecer uma contabilidade precisa dos padrões de violações da liberdade religiosa documentadas perpetradas contra cidadãos norte-coreanos e informar a tomada de decisões na comunidade internacional".

Liderada por Kim Jong Un, a Coreia do Norte foi, nos últimos 18 anos, classificada como o pior perseguidor de cristãos do mundo na Lista Mundial de Vigilância do Portas Abertas dos EUA.

Prisioneiros cristãos são fuzilados por possuir uma Bíblia na Coreia do Norte Prisioneiros cristãos são fuzilados por possuir uma Bíblia na Coreia do Norte Reviewed by MISSÕES URGENTE on 14:31 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.