Header Ads Widget

A surpreendente revelação de Jonathan Cahn por trás da praga do COVID-19

 

(Pixabay.com)

Em seu impressionante novo best-seller The Harbinger II: The Return, Jonathan Cahn adverte que a América está enfrentando agora o momento mais crítico de sua história, pendurado no equilíbrio entre a vida e a morte.

Esta sequência fascinante revela que o antigo mistério do tempo das Escrituras — previsto pela primeira vez em seu primeiro livro The Harbinger— marca 2020 como o ano dos tremores. Ele descobre ainda mais sobre o antigo segredo que está por trás de tudo o que está acontecendo hoje, do coronavírus à fome, do colapso econômico à peste, da luta e divisão à agitação social que está acontecendo nas cidades em todo o país.

O Jubileu do Aborto

Em uma recente entrevista com Shannon Scholten, apresentadora da televisão Voice of Truth, Cahn revelou uma verdade chocante sobre o ano do Jubileu e o que poderia significar para a América.

"O Jubileu geralmente é uma coisa boa", disse Cahn, "porque é o ano em que tudo o que foi roubado é devolvido ao seu dono original. Mas Jubileu para alguém que tomou a terra de outra pessoa não é uma grande coisa porque eles a perdem. Jubileu não é apenas restauração, mas também é um ano de restituição.

"O Jubileu vem a cada 50 anos", continuou Cahn. "Quando você conta de volta — quando o aborto sob demanda começou na América? Começou no ano de 1970. Então, descobrimos que o ano jubilar do aborto é o ano de 2020."

Usando Jeremias 7:30-31, Cahn apontou que assassinar crianças também foi um pecado cometido por Israel antigo, o que levou ao julgamento daquela nação. "O profeta Jeremias estava sobre o Vale de Hinnom com um vaso de argila na mão e disse a Israel: 'Você assassinou crianças - o sangue das crianças está aqui por causa do que você fez, e a mesma morte virá até você.' E então ele quebrou o frasco, um sinal de destruição vindo. O sangue dos inocentes é o que invoca o julgamento na Bíblia."

Enquanto Israel matou milhares de crianças naquela época, hoje milhões de bebês foram mortos através do aborto. "Esta geração em que estamos agora se afastou de Deus mais dramaticamente do que qualquer geração na história", disse Cahn. "Eles mataram mais bebês do que qualquer outra geração na história. É a maior queda que já tivemos.

"Jeremias disse que o julgamento que ocorreu sobre Israel, de sacrificar crianças no Campo de Potter no Vale de Hinnom, voltaria sobre eles. Está ligado, porque a América seguiu o modelo da queda de Israel. O pecado antigo está se reproduzindo em solo americano. Há exatos 50 anos, a nação deu sua bênção e sanção ao sacrifício de seus mais inocentes legalizando a morte de seus filhos não nascidos e, em seguida, celebrando o ato."

Cahn apontou outro fato arrepiante que se liga. "O pecado do aborto é o pecado dos mais velhos contra os mais jovens. Note que esta praga COVID-19 atinge o mais velho e poupa o mais novo. Esta praga identificou o velho, porque a morte de crianças é um pecado do velho contra os jovens.

"Então, de acordo com o Jubileu", disse ele, "tiramos vidas, agora a vida é tirada de nós. A vida foi tomada no Jubileu do aborto."

O derramamento de sangue continua

Cahn disse que os efeitos deste Jubileu são de longo alcance. "Deixe-me ir mais longe", disse ele. "O aborto começou em Nova York e se espalhou para o resto da América. E a maioria dos casos de COVID foram em Nova York. Assim como há 50 anos, Nova York espalhou o aborto — agora também espalhou essa morte.

"Qual foi o dia em que o aborto foi aprovado?", Continuou ele. "Na verdade, foram dois dias em 1970. Em 9 de abril, o Senado de Nova York aprovou, e em 10 de abril a assembleia de Nova York aprovou. Cinquenta anos depois, o The New York Times publicou um gráfico da média de sete dias para encontrar o pico da peste em Nova York, e que eles descobriram que identificaram dois dias: 9 de abril e 10 de abril. Exatamente 50 anos para os dias exatos em abril.

"Não há nenhuma maneira que você pode contornar o que esta pandemia fez. Isso nunca aconteceu na história do mundo. Nunca tivemos uma paralisia como essa. Estamos recebendo socos de punho.

O que podemos fazer?

Há uma escritura que Cahn traz à tona em ambos os livros de Harbinger como um farol de esperança no meio de toda a agitação:

"Se meu povo, que é chamado pelo meu nome, se humilhará e rezará, e buscará meu rosto e se afastará de seus caminhos perversos, então ouvirei do céu, e perdoarei seu pecado e curarei sua terra" (2 Cronron. 7:14).

"O que esse verso tem a ver com o tempo em que estamos agora?" Cahn perguntou. "É a resposta. Se nos humilharmos, rezarmos e buscarmos Seu rosto e nos afastarmos de nossos maus caminhos, Ele ouvirá do céu, nos perdoará e curará nossa terra. Ele vai!

Mas Cahn também trouxe à tona uma revelação surpreendente do verso antes disso — um verso que previu os tremores de hoje: "Quando eu calo os céus para que não haja chuva, ou comando gafanhotos para devorar a terra ou enviar uma praga entre o meu povo" (2 Cronron. 7:13, NIV).

"Esse versículo diz: 'se eu calar oscéus' — temos fome hoje devido à mega seca que está quebrando a cadeia de fornecimento de alimentos em todo o mundo. Então diz "se eu enviar gafanhotos na terra" — este ano tivemos a maior praga de gafanhotos em gerações acontecendo em todo o mundo, na África, Ásia e agora na América Latina. Então, temos a seca e a fome, gafanhotos e, claro, a peste — todos os três mencionados nas Escrituras. Está tudo aí."

Cahn passou a apontar uma Escritura em Mateus 24:7 (NKJV): "Pois a nação se levantará contra a nação e o reino contra o reino. E haverá fome, peste e terremotos em várioslugares.". Cahn acrescentou: "Se você olhar no texto original, ele fala sobre nação contra nação como sendo 'raça contra raça, ethnos contra ethnos.' E vemos a questão racial hoje. Todas essas coisas estão acontecendo no mundo agora.

O que Cahn vê como a única esperança da América? "Este é o momento", disse ele. "A voz de Deus está chamando como nunca antes. Ele está dizendo que é hora de acordar. Precisamos entender onde estamos como sociedade e nos arrepender. Precisamos que o amor de Deus entre. Caso contrário, será o fim do jogo. Nossa única esperança é se arrepender e voltar a Deus."

Postar um comentário

0 Comentários