Header Ads Widget

Cristãos são perseguidos na República do Laos

 Os seguidores de Cristo são pressionados pelas autoridades, amigos e familiares a abandonarem a fé

Além das autoridades do Laos, os familiares, amigos e vizinhos dos cristãos os pressionam para abandonar a fé

Hoje, a população do Laos comemora o Dia da República. A data tornou-se especial em 1975, quando a república foi proclamada e o governo de Pathet Lao instaurado. Esse grupo político, apoiado pelo Vietña e pela União Soviética, assumiu o governo após uma guerra civil.

A população do Laos é majoritariamente budista, fato que contribui para que as autoridades pressionem e monitorem todas as atividades dos seguidores de Cristo. Além disso, os familiares, amigos e vizinhos também exercem pressão sobre os cristãos para que o evangelho deixe de ser disseminado no país.

O Laos ocupa a 20ª posição na Lista Mundial da Perseguição 2020, devido aos índices de violência contra os cristãos. Além de prisões e multas, famílias são constantemente expulsas das aldeias e obrigadas a viver em situações precárias por não abdicarem a fé. Elas passam a viver em casas improvisadas, sem banheiros e eletricidade adequados. As crianças também são prejudicadas com a expulsão das aldeias porque precisam caminhar por longos quilômetros para chegar até as escolas.

A Portas Abertas trabalha através de parceiros locais para ajudar os cristãos do Laos a seguirem firmes na fé, quando enfrentam ataques e violências. Além disso, os parceiros no local auxiliam as famílias através de fornecimento de material cristão, treinamento para liderança e programa de discipulado, e programas de desenvolvimento socioeconômico.

Pedidos de oração

  • No Dia da República do Laos, peça que Deus visite as autoridades, tocando os corações e dando sabedoria para governar o país.
  • Ore pelos cristãos locais, para que Cristo os mantenha firmes na fé, mesmo diante dos ataques e pressões.
  • Clame para que os agressores sejam alcançados pelo amor e graça de Jesus, tendo a vida transformada.

Postar um comentário

0 Comentários