Extremistas Fulani matam 18 pessoas, atacam pastor cristão e sequestram sua esposa na Nigéria - MISSÕES URGENTE
Seguir no Facebook Seguir no Twitter Seguir no Instagram

BRASIL MUNDO ISRAEL VERSÍCULOS PEDIDO DE ORAÇÃO VÍDEOS MÚSICA PREGAÇÕES CINEMA E TV COLUNA

quarta-feira, 30 de dezembro de 2020

Extremistas Fulani matam 18 pessoas, atacam pastor cristão e sequestram sua esposa na Nigéria

 

Houve relatos de mais violência contra cristãos por pastores Fulani no estado de Kaduna, na Nigéria.

A International Christian Concern (ICC) relata que pelo menos 18 pessoas foram mortas e muitas outras foram sequestradas de sete aldeias.

Os ataques foram realizados antes do Natal e incluíram o sequestro da esposa de um pastor na véspera de Natal.

De acordo com o ICC, os ataques começaram em 17 de dezembro, quando militantes mataram 10 pessoas na aldeia Gora Gan de Zangon Kataf LGA. No mesmo dia, outro grupo de extremistas muçulmanos atacou a vila de Kujeni Tudu, matando um idoso.

Em 19 de dezembro, militantes sequestraram o Reverendo Luka Dani da Igreja Evangélica Winning All localizada na vila de Galumi. Mais tarde, ele foi solto em 23 de dezembro. Os relatórios indicam que Dani e sua família deixaram a região.

Então, em 21 de dezembro, o Reverendo Thomas James da Igreja Batista Godiya, localizada em Gwazunu, foi sequestrado por militantes. Os extremistas Fulani também atacaram e destruíram a aldeia vizinha de Gbaja Katarma, onde mataram oito pessoas.

Em 24 de dezembro, militantes muçulmanos atacaram o Reverendo Luka Shaho da Igreja Assembleia de Deus localizada em Ungwan Waziri, espancando-o severamente. Sequestraram a Sra. Jumai Luka, a esposa do pastor. Ela ainda está desaparecida, de acordo com o ICC.

Como a CBN News relatou, os pastores Fulani, também conhecidos como a milícia Fulani, são um grupo semi-nômade que pastoreia gado sobre vastas áreas, vivendo nas regiões centrais da Nigéria. A maioria dos pastores são muçulmanos e lutaram com agricultores cristãos sobre pastagens por séculos.

Os Fulani foram os primeiros adotantes do Islã, participando de guerras santas, ou jihads, no século XVI que os estabeleceram como uma força social e econômica dominante na África Ocidental, de acordo com o WorldWatch Monitor.

Em um relatório divulgado no início deste ano, a Sociedade Internacional para as Liberdades Civis e o Estado de Direito (ISCLRL) estimou que mais de 32.000 cristãos foram mortos por militantes islâmicos desde 2009.

Nenhum comentário:

Postar um comentário