Líderes religiosos da Virgínia exortam o Governador Northam a não aplicar uma nova lei exigindo que eles violem convicções religiosas - MISSÕES URGENTE
Seguir no Facebook Seguir no Twitter Seguir no Instagram

BRASIL MUNDO ISRAEL VERSÍCULOS PEDIDO DE ORAÇÃO VÍDEOS MÚSICA PREGAÇÕES CINEMA COLUNA

sábado, 19 de dezembro de 2020

Líderes religiosos da Virgínia exortam o Governador Northam a não aplicar uma nova lei exigindo que eles violem convicções religiosas

 

Virginia Gov. Ralph Northam fala durante uma cerimônia de inauguração de Rumors of War, uma estátua do artista Kehinde Wiley, no Museu de Belas Artes da Virgínia em 10 de dezembro de 2019, em Richmond, Virgínia. | Zach Gibson/Getty Images

Quarenta líderes religiosos da Virgínia assinaram uma carta pedindo ao Governador Ralph Northam e aos legisladores estaduais que não apliquem uma nova lei que exigiria que os residentes violassem suas convicções religiosas. Promulgada em julho, a "Lei de Valores da Virgínia" exige que igrejas e ministérios religiosos e escolas contratem funcionários que não compartilham as mesmas opiniões sobre sexualidade, casamento e identidade de gênero.



Os infratores enfrentarão multas de até US$ 100 mil. Da mesma forma, outro projeto de lei que também se tornou lei em 1º de julho, exige que igrejas e empresas religiosas incluam em seus planos de saúde a cobertura de cirurgias de gênero que alteram o corpo eletivamente e os proíbe de oferecer esportes, aulas de paternidade e discipulado cristão caso se baseem na crença de que o sexo biológico é um traço imutável.

"Todos devem ser livres para viver e trabalhar
de acordo com suas crenças sem medo de punição governamental injusta - independentemente de essas crenças serem religiosas. Nosso governo deve proteger, não ameaçar, essa liberdade", diz a carta aberta dos líderes religiosos.

"Cada um de nós opera como uma organização com crenças fundamentais que unem nossa equipe e voluntários.

Essas mesmas convicções nos levam a servir nossas comunidades com uma missão particular. Estamos orgulhosos de viver com as palavras da Seção 16 da Declaração de Direitos da Constituição da Virgínia, que declara: "é dever mútuo de todos praticar a tolerância cristã, o amor e a caridade uns com os outros".

A lei estadual, disseram eles, não deve interferir em sua missão central nem em grupos alvo com

hostilidade. Se a Virgínia os forçar a escolher, eles não terão outra opção a não ser fechar, acrescentaram os líderes religiosos. Sua carta vem meses depois que a Igreja Batista da Estrada do Calvário, a Igreja Comunitária da Companheirismo, a Academia Cristã Comunitária e a Rede de Cuidados, desafiaram a Lei de Valores da Virgínia em um processo movido no início deste ano.



O caso, Calvary Road Baptist Church v. Herring, alega que a lei é uma violação de suas liberdades para viver suas convicções religiosas. "Nossos clientes oferecem orientação espiritual, educação, apoio à gravidez e oportunidades atléticas para suas comunidades por causa dos valores religiosos que os motivam", disse Denise Harle, advogada da Aliança Defendendo a Liberdade, que representa as igrejas e ministérios da Virgínia, em um comunicado compartilhado com o

The Christian Post. "Mas a nova lei da Virgínia força esses ministérios a abandonar suas convicções ou pagar multas incapacitantes.


Tal hostilidade governamental não tem lugar em uma sociedade livre. Os ministérios da Virgínia estão comprometidos com sua fé, e eles estão pedindo que o Estado lhes permita viver e trabalhar de acordo com suas crenças, como outros virginianos podem fazer."

Apresentada no final de setembro no Tribunal do Circuito da Virgínia para o condado de Loudoun, a denúncia afirma que a Lei de Valores da Virgínia viola a Lei de Restauração da Liberdade Religiosa da Virgínia e uma série de disposições da Constituição estadual, incluindo livre exercício, liberdade de expressão, liberdade de associação, cláusula de estabelecimento e direitos do devido processo

legal.

conjunto com o caso estadual, os advogados da ADF também entraram com uma ação federal no Tribunal Distrital dos EUA para o Distrito Oriental da Virgínia em Updegrove v. Herring, em defesa do fotógrafo de casamentos Bob Updegrove.



A lei estadual agora proíbe o fotógrafo da Virgínia de explicar publicamente no site de seu estúdio por que ele só celebra cerimônias de casamento entre um homem e uma

mulher. Tais comunicações são agora consideradas legalmente discriminatórias com base na orientação sexual. "Todos os americanos, incluindo os artistas, devem ser livres para viver pacificamente e trabalhar de acordo com sua fé sem medo de punição injusta", disse o conselheiro sênior da ADF, Jonathan Scruggs, em um comunicado em setembro.





Scruggs é o diretor do Centro de Iniciativas de Consciência da ADF.



"Por causa da nova lei da Virgínia, fotógrafos como Bob enfrentam uma escolha impossível: violar a lei e arriscar a falência, promover visões contra sua fé ou

fechar. O governo não pode exigir que os artistas criem conteúdo que viole suas convicções mais profundas." Em junho, a Suprema Corte dos EUA decidiu em um caso marcante, Bostock v. Clayton County,que era inconstitucional demitir alguém com base na orientação sexual e no "status transgênero".



Fazê-lo é uma forma de discriminação sexual que é proibida sob o título VII da Lei dos Direitos Civis de 1964, decidiu a suprema corte.

Nenhum comentário:

Postar um comentário