Header Ads Widget

750 mortos na igreja ortodoxa etíope que dizem que estão com Arca da Aliança

 

Ark of the Covenant for the Tabernacle replica na BYU nesta foto de 16 de outubro de 2017. | (Wikimedia Commons)

Cerca de 750 pessoas foram mortas em um ataque a uma igreja ortodoxa, que se diz conter a Arca da Aliança descrita no Livro do Êxodo na Bíblia, na região de Tigray, no norte da Etiópia - lar de milhares de igrejas e mosteiros - de acordo com relatos.

Centenas de pessoas escondidas na Igreja Maryam Tsiyon em Aksum em meio a um conflito armado foram trazidas à tona e morta a tiros, e os moradores locais acreditam que o objetivo era levar a Arca do Pacto para Adis Abeba, o Programa Externo Europeu sem fins lucrativos com sede na Bélgica, relatado no relatório situacional deste mês,divulgado em 9 de janeiro.

"O número de pessoas mortas é relatado como 750", disse ele. A igreja, a mais antiga e sagrada do cristianismo etíope e também conhecida como Igreja de Santa Maria de Sião, pertence à Igreja Ortodoxa Etíope Tewahedo.

"Não ouvi mais do que rumores sobre o saque do Arco de Maryam Tsion, mas se é verdade que até 750 morreram defendendo-o, é concebível que os atacantes não parassem por aí", disse Michael Gervers, professor de história da Universidade de Toronto, de acordo com o The Telegraph.

"O governo e os eritreianos querem acabar com a cultura tigrayan. Eles se acham melhores do que o resto das pessoas no país. O saque é sobre destruir e remover a presença cultural de Tigray", explicou Gervers.

Boletins gratuitos do CP

Junte-se a mais de 250.000 outros para obter as principais histórias com curadoria diária, além de ofertas especiais!

BOLETINS GRATUITOS DO CP

Junte-se a mais de 250.000 outros para obter as principais histórias com curadoria diária, além de ofertas especiais!

O ex-editor do Serviço Mundial da BBC e pesquisador sênior do Instituto de Estudos da Comunidade, Martin Plaut, disse que aqueles que escaparam do massacre de Aksum relataram que o ataque começou depois que tropas federais da Etiópia e a milícia Amhara se aproximaram da igreja, informou o U.K. Church Times.

"As pessoas estavam preocupadas com a segurança da Arca, e quando ouviram que as tropas estavam se aproximando temiam que tivessem vindo roubá-la. Todos aqueles dentro da catedral foram forçados a sair para a praça", disse Plaut.

Acreditava-se que cerca de 1.000 pessoas estavam no complexo da igreja no momento do ataque. A EEPA disse que o massacre foi realizado por tropas federais da Etiópia e pela milícia aliada Amhara que luta contra a Frente de Libertação Popular de Tigray.

A igreja e a Arca provavelmente não foram danificadas, acrescentou Plaut.

Os combates começaram em Tigray desde 4 de novembro, quando o partido político da região, Tigray, a Frente Popular de Libertação, capturou a base do Exército do Comando Norte na capital regional Mekelle como parte de uma revolta, após a qual o primeiro-ministro Abiy Ahmed ordenou uma ofensiva militar. Abiy alegou em 28 de novembro que a Força Nacional de Defesa da Etiópia havia recuperado o "comando total" de Mekelle.

No entanto, os trabalhadores humanitários dizem que os combates continuam.

Postar um comentário

0 Comentários