Conheça os 23 países que sempre estiveram na Lista Mundial - MISSÕES URGENTE
Seguir no Facebook Seguir no Twitter Seguir no Instagram

BRASIL MUNDO ISRAEL VERSÍCULOS PEDIDO DE ORAÇÃO VÍDEOS MÚSICA PREGAÇÕES CINEMA COLUNA

terça-feira, 12 de janeiro de 2021

Conheça os 23 países que sempre estiveram na Lista Mundial

 Descubra as nações que apareceram 28 vezes como locais mais perigosos para os cristãos

Cristãos indígenas na Colômbia também enfrentam perseguição por parte da comunidade

A Portas Abertas passou a divulgar anualmente a Lista Mundial da Perseguição (LMP) em 1993. A partir dos dados contidos nela foi possível monitorar e medir a perseguição aos cristãos no mundo. Nesses quase 30 anos, as mudanças na metodologia da pesquisa permitiram elevar a credibilidade, objetividade, transparência e qualidade acadêmica da LMP. Além disso foi possível implantar projetos que fossem eficazes para fortalecer a Igreja Perseguida.

Desde o início, 23 países sempre estiveram presentes no ranking dos 50 locais mais perigosos para os cristãos, são eles: Coreia do Norte, Afeganistão, Somália, Líbia, Paquistão, Iêmen, Irã, Nigéria, Índia, Sudão, Arábia Saudita, Maldivas, Egito, China, Mianmar, Vietnã, Uzbequistão, Laos, Argélia, Tunísia, Brunei, Butão e Omã. Já os mais novos integrantes da LMP entraram em 2020, Burkina Faso e Camarões foram elencados nas 28ª e 48ª posições, respectivamente.

O primeiro lugar na Lista Mundial da Perseguição foram ocupados por três países: Coreia do Norte, Arábia Saudita e Somália. A Coreia do Norte está na posição desde 2002, mas inicialmente, Arábia Saudita foi o número 1 em perseguição aos cristãos por sete vezes, contra duas da Somália

Dentre os países que sempre estiveram na LMP, 20 apareceram pelo menos uma vez no Top10. Os mais presentes foram Coreia do Norte com 27 vezes, Irã com 26, Arábia Saudita e Somália com 22 vezes, Afeganistão com 20, Maldivas e Iêmen com 18, Laos com 13 e China com 12. Somente a Argélia e a Tunísia nunca estiveram entre os 10 países onde os cristãos são mais perseguidos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário