Header Ads Widget

Coreia do Norte deportou e matou famílias inteiras que seguem Jesus, diz relatório

 Para Kim Il-Sung, o avô do atual governante, qualquer forma de cristianismo no país precisava ser erradicada para limpar a raça dessa religião estrangeira.

As mãos e a Bíblia do cristão norte-coreano e sobrevivente do campo de prisioneiros Hea Woo. (Foto: Reprodução / Portas Abertas)

A Open Doors (Portas Abertas) produziu um relatório onde constata que, nas últimas seis décadas, o país asiático travou uma guerra contra o cristianismo.

O documento aponta que a dinastia Kim (iniciada com Kim Il-Sung, sucedida pelo filho Kim Jong-Il e agora com o neto Kim Jong-un) deportou e matou famílias inteiras que seguem Jesus. E sob o atual governante Kim Jong-un, a vida piorou para os cristãos.

Entrevistas feitas com refugiados, cartas secretas de líderes da igreja norte-coreana, pesquisas e relatos do livro Escaping from North Korea trazem a realidade enfrentada pelos 300.000 crentes da Coreia do Norte e também de qualquer um que tentar ajudá-los.

Relatos da perseguição

No relatório estão diversos depoimentos de assédio e perseguição, alguns sobre o assassinato de pessoas cristãs ou ligadas a esse grupo de fé:

Um sul-coreano espera um táxi quando alguém de repente se aproxima por trás dele. Ele não percebe o homem até sentir uma pontada aguda no pescoço. A injeção letal de uma agulha envenenada.

Embora a autópsia não determine a causa da morte, os relatos das testemunhas dizem o suficiente. Este cristão sul-coreano, fortemente envolvido em uma ferrovia subterrânea para ajudar os refugiados norte-coreanos a escapar, foi assassinado.

Menos de três semanas depois, outro cristão sul-coreano recebe um telefonema do serviço de inteligência sul-coreano dizendo-lhe para não se encontrar com um conhecido norte-coreano. Este homem tentará matá-lo, diz o informante. Não muito depois, na plataforma de um trem, a polícia sul-coreana prendeu o agente norte-coreano carregando agulhas e veneno.

A Coreia do Norte não mata apenas seus próprios cidadãos por serem cristãos, mas também estrangeiros. A guerra de seis décadas do país contra o cristianismo é letal e sem escrúpulos. Como resultado, os cristãos na Coreia do Norte foram forçados à clandestinidade.

“Nunca percebi atividades religiosas quando morava na Coreia do Norte”, disse um refugiado. “Tudo o que aprendemos foi que os cristãos eram espiões que colaboravam com o inimigo americano e que não hesitariam em nos pegar e matar. Quando eu fugi para a China e estava completamente desamparado, não tinha outro lugar para ir além de uma igreja. Bati na porta. Meu corpo inteiro tremia. O pastor me deu algum dinheiro e eu fugi, feliz por ter sobrevivido”.

O grande porquê: uma breve história

É difícil entender por que o regime brutal da Coreia do Norte está tão determinado a acabar com o Cristianismo. O seguinte resumo histórico fornece algumas pistas:

1866: O “incidente do General Sherman”: De acordo com a história oficial da Coreia do Norte, o primeiro confronto entre a Coreia e o Cristianismo ocorreu quando o navio norte-americano General Sherman entrou em águas coreanas para abrir negociações para o comércio. Os governantes coreanos atacam e, após vários dias, todos os membros da tripulação são mortos. Entre eles está um missionário americano que oferece uma Bíblia a um dos soldados coreanos - poucos segundos antes de o soldado cortar sua cabeça.

1903 e 1907, o avivamento irrompe: não mencionado na história oficial é que logo após o "incidente do General Sherman", mais cristãos estrangeiros vieram e o cristianismo começou a criar raízes mais profundas (antes de 1866, já havia cerca de 23.000 católicos romanos no país). Em 1903, um avivamento espiritual ocorre em Wonsan e em 1907 em Pyongyang. O avivamento rapidamente se espalhou por todo o país e muitos coreanos se voltaram para Cristo.

1910: O Japão invade e começa a perseguição: Lentamente, o Japão tenta assimilar a nação coreana, forçando-os a adorar seu imperador. Na década de 1930, o Japão exige legalmente que todos adorem o imperador Hirohito. Muitos cristãos coreanos recusam e são severamente punidos por sua "traição". Os cristãos se tornaram muito populares entre seus compatriotas por sua resistência contra o ocupante.

1945, a Coreia do Norte é libertada: durante séculos, o povo coreano esperou por um líder forte para enfrentar seus inimigos. Entra Kim Il-Sung, que de 1925 a 1945 liderou a luta contra o Japão, finalmente libertando a Coreia do Norte. Para os norte-coreanos, a história mundial é dividida em duas eras: antes e depois do nascimento de Kim II-Sung em 1902. Semelhante a como o mundo ocidental fala dos períodos antes e depois de Cristo.

1945, a ascensão de Kim Il-Sung ao poder muda tudo. Como os líderes do Partido Comunista Stalin (Rússia) e Mao Zedong (China), ele precisa de uma ideologia para agrupar as pessoas sob seu governo. A maioria de seus cidadãos nasceu durante a ocupação japonesa e nunca experimentou a liberdade. Eles também não aceitariam o governo de Kim. Ele emprestou muitos conceitos dos japoneses para sua ideologia de nacionalismo baseado em raça. Para o mundo exterior, Kim parecia um ditador comunista comum; na verdade, ele era mais fascista.

Na mente de Kim Il-Sung, um verdadeiro norte-coreano não acreditava em Deus. (A língua norte-coreana nem mesmo tem uma palavra boa para Deus.) Qualquer forma de cristianismo em seu país precisava ser erradicada para limpar a raça dessa religião estrangeira. Então, é claro, há também o culto à personalidade. Refugiados norte-coreanos o descrevem como "Kim Il-Sungism: a adoração dos líderes". A idolatria foi tão longe que todos os cidadãos são obrigados a se curvar diante das imagens de Kim Il-Sung e Kim Jong-Il. Em cada casa, há retratos de pai e filho, e as pessoas são obrigadas a cuidar bem das fotos - mesmo que isso lhes custe a vida. Quando ocorre um incêndio e pessoas morrem tentando resgatar as fotos, são comemoradas com grande honra. Quando eles não voltam para salvar as imagens emolduradas, eles enfrentam tortura e possível morte.

Década de 1950, cristãos norte-coreanos fogem para a Coreia do Sul: Não é surpresa que muitos cristãos tenham fugido para o país vizinho durante a Guerra da Coreia para escapar e adorar livremente. A partida deles nasce a ideia de Kim de que os cristãos são colaboradores. Ele ordena que sua máquina governamental investigue e identifique quais famílias são conhecidas por seguirem a Cristo.

Dezenas de milhares de cristãos são mortos ou enviados para regiões remotas e campos de concentração. Antes de 1945, havia aproximadamente 500.000 cristãos na Coreia do Norte. Dez anos depois, não havia nenhuma evidência visível de sua existência. Hoje, o Portas Abertas estima que haja cerca de 300.000 cristãos professando sua fé em segredo.

Postar um comentário

0 Comentários