Header Ads Widget

Jovem cristão é ameaçado de morte e preso após contestar o islamismo no Paquistão

 O jovem Raja Warris compartilhou uma publicação nas redes sociais que contestava o islamismo e foi ameaçado de morte por extremistas islâmicos.

A polícia paquistanesa deteve Raja Warris para evitar que o rapaz sofresse atos de violência da multidão de extremistas islâmicos enfurecidos. (Foto: Reuters)

Um cristão de 25 anos está sob custódia policial em Lahore, Paquistão, depois de compartilhar a postagem de outra pessoa que contesta o Islã em sua página no Facebook, segundo informou a agência Morning Star News.

Centenas de muçulmanos foram ao bairro do jovem Raja Warris, na área de Charar, em Lahore, na noite de 26 de dezembro, ameaçando decapitar o rapaz e incendiar casas a menos que a polícia o prendesse, disse o reverendo Ayub Gujjar, vice-moderador do a Diocese de Raiwind da Igreja do Paquistão.

“O incidente aconteceu depois que Warris compartilhou uma postagem no Facebook em 22 de dezembro, que foi considerada uma blasfêmia pelos muçulmanos locais”, disse Gujjar ao Morning Star News.

Warris se desculpou pessoalmente com os muçulmanos, dizendo que compartilhou o post para entendimento acadêmico entre cristãos e muçulmanos e não pretendia ofender nenhum muçulmano, e que a questão parecia estar resolvida temporariamente, disse Gujjar.

“Em 26 de dezembro, fomos informados por membros de nossa congregação em Charar que uma enorme multidão se reuniu na localidade a pedido de um clérigo afiliado ao grupo extremista religioso-político Tehreek-e-Labbaik Paquistão [TLP], e estavam exigindo a decapitação do catequista”, disse Gujjar. “Temendo a violência, centenas de residentes cristãos fugiram de suas casas, enquanto cerca de 400 policiais foram posicionados na área para impedir a violência”.

Quando Gujjar e alguns anciãos da igreja local chegaram à Delegacia de Defesa, para se encontrar com o superintendente assistente da polícia, uma grande multidão se reuniu do lado de fora das instalações e gritou palavras de ordem contra os cristãos, disse ele. Os oficiais insistiram que os líderes da igreja entregassem Warris sob sua custódia para acalmar os ânimos.

“Buscamos ter um momento para negociação com os líderes do protesto, mas a polícia disse que não poderia garantir a segurança de nosso povo se o acusado não fosse apresentado para prisão”, disse Gujjar. “Nós relutantemente concordamos em trazer Warris, mas exigimos que ele fosse mantido em um local não revelado devido à séria ameaça à sua vida”.

Acusação

A polícia registrou em 27 de dezembro uma primeira acusação (No. 1122/20) contra Warris sob a Seção 295-A e a Seção 298-A das leis de blasfêmia do Paquistão e apresentou o documento aos líderes da máfia, que então cancelaram o cerco, disse Gujjar .

A Seção 298-A prevê até três anos de prisão por comentários depreciativos sobre um "personagem sagrado", neste caso Maomé, o profeta do Islã, e a Seção 295-A pede até 10 anos de prisão por "deliberado e malicioso atos destinados a alcançar sentimentos religiosos”.

A polícia transferiu Warris, sua esposa e dois filhos para uma casa segura para sua segurança, disse Gujjar.

Os líderes da Igreja se reuniram com o clero muçulmano na tentativa de restaurar a paz e livrar Warris do caso, disse o bispo da diocese de Raiwind, Azad Marshall.

“Warris é um jovem educado que adora servir a Deus”, disse Marshall ao Morning Star News. “Eu estava profundamente preocupado com a situação em Charar, pois qualquer ação errada poderia ter resultado em distúrbios violentos que poderiam colocar em risco a vida de nosso povo. Entramos imediatamente em contato com oficiais do governo e da polícia, que ajudaram a restaurar a ordem no bairro e, felizmente, nenhuma perda de vidas e propriedades foi relatada”.

Marshall disse que o incidente destaca a necessidade de “uso responsável” da mídia social no Paquistão.

“Os cristãos, especialmente, precisam ser mais cuidadosos ao compartilhar conteúdo, porque qualquer postagem baseada na fé pode ser usada para instigar a violência contra a comunidade”, disse ele. “Precisamos entender que os sentimentos religiosos islâmicos são intensos em nosso país, portanto, é importante analisar cuidadosamente o conteúdo antes de postá-lo online”.

Os líderes da Igreja solicitaram a intervenção do Representante Especial do Primeiro Ministro para a Harmonia Religiosa, Allama Tahir Ashrafi. Em um país onde uma maioria cada vez mais islâmica torna perigosa a liberdade de expressão e qualquer crítica legítima à religião, Ashrafi também apelou ao “uso responsável” das redes sociais.

Contexto

Atualmente, há 24 cristãos presos sob acusação de blasfêmia no Paquistão, segundo ativistas de direitos humanos.

Embora sucessivos governos tenham reconhecido que as leis contra a blasfêmia são descaradamente mal utilizadas, pouco esforço foi feito para impedir os abusos.

Em 7 de dezembro, o Departamento de Estado dos EUA redesignou o Paquistão entre nove outros "Países de Preocupação Particular" por graves violações da liberdade religiosa. Anteriormente, o Paquistão havia sido adicionado à lista em 28 de novembro de 2018.

O Paquistão ficou em quinto lugar na lista mundial para da 2020 da organização de apoio aos cristãos perseguidos, a Missão Portas Abertas World Watch. O documento lista os 50 países onde é mais difícil ser cristão.

Postar um comentário

0 Comentários