Líderes evangélicos condenam o protesto violento no Capitólio: 'Perigoso para nossa república' - MISSÕES URGENTE
Seguir no Facebook Seguir no Twitter Seguir no Instagram

BRASIL MUNDO ISRAEL VERSÍCULOS PEDIDO DE ORAÇÃO VÍDEOS MÚSICA PREGAÇÕES CINEMA COLUNA

quarta-feira, 6 de janeiro de 2021

Líderes evangélicos condenam o protesto violento no Capitólio: 'Perigoso para nossa república'

 

Apoiadores do presidente Trump entram em confronto com a polícia e as forças de segurança enquanto empurram barricadas para invadir o Capitólio dos EUA em Washington, D.C., em 6 de janeiro de 2021. Manifestantes violaram a segurança e entraram no Capitólio enquanto o Congresso debatia a certificação de voto eleitoral da eleição presidencial de 2020. ROBERTO SCHMIDT/AFP via Getty Images

Apoiadores evangélicos conservadores do presidente Donald Trump condenaram a violência que eclodiu no Capitólio dos EUA na tarde de quarta-feira, descrevendo-a como "perigosa para nossa república" e anti-americana.

Manifestantes invadiram o prédio do Capitólio e forçaram uma evacuação no dia em que os eleitores eleitorais seriam contados pelos legisladores e pelo vice-presidente Mike Pence, o que provavelmente levaria à solidificação da vitória eleitoral do democrata Joe Biden.

No início do dia, milhares de apoiadores, incluindo alguns apoiadores evangélicos do presidente, se reuniram na "Marcha salve a América" na qual Trump falou e continuou a pressionar alegações de fraude eleitoral que impactaram o resultado da eleição, apesar de todos os 50 estados terem certificado seus resultados.

À tarde, centenas de apoiadores de Trump romperam barricadas que revestem o Capitólio dos EUA, com alguns manifestantes entrando em confronto com a polícia. Dentro do Capitólio, a polícia teria se envolvido em impasses com manifestantes, já que as portas da Câmara e do Senado estavam trancadas. Uma pessoa teria sido baleada enquanto alguns policiais teriam sido feridos.

A violência levou o prefeito Muriel Bowser a emitir um toque de recolher de 12 horas a partir das 18h.m. Quarta a 6.m. Quinta-feira.

Boletins gratuitos do CP

Junte-se a mais de 250.000 outros para obter as principais histórias com curadoria diária, além de ofertas especiais!

BOLETINS GRATUITOS DO CP

Junte-se a mais de 250.000 outros para obter as principais histórias com curadoria diária, além de ofertas especiais!

Enquanto um dos maiores blocos de apoio de Trump vem de sua base evangélica conservadora, muitos líderes evangélicos notáveis que se envolveram informalmente ao longo dos anos com a Casa Branca de Trump foram às redes sociais para expressar seu descontentamento com a violência que ocorreu na capital do país.

Nas páginas seguintes estão sete líderes evangélicos que condenaram a violência de quarta-feira em Washington, D.C.

A pastora Paula White-Cain, conselheira espiritual do presidente Donald Trump, fala na Casa Branca no Dia Nacional da Oração, 4 de maio de 2017. | (Foto: Casa Branca/Captura de Tela)

Paula White

A televangelista da Flórida Paula White, conselheira espiritual de longa data de Trump que lidera a Iniciativa de Fé e Oportunidade da Casa Branca, foi ao Twitter para expressar sua decepção com a violência política.

White, um pastor pentecostal que dirige o New Destiny Christian Center em Apopka, estava entre os que falaram no comício no início da manhã perto da Casa Branca.

"Sempre denunciei a violência, a ilegalidade e a anarquia de todas as formas", ressaltou.

"Tenho profundas convicções para que todas as pessoas tenham proteção sobre a Primeira Emenda e a liberdade de expressão. Devemos ser capazes de fazer isso sem nos tornarmos violentos. Peço a todos que continuem orando."

O presidente do Family Research Council, Tony Perkins, discursa na Cúpula dos Valores Eleitorais no Omni Shoreham Hotel em Washington, D.C., em 11 de outubro de 2019. | Ron Walters

Tony Perkins

Perkins, um dos principais ativistas políticos evangélicos em Washington, D.C., que lidera o grupo conservador cristão Family Research Council, também foi às redes sociais na quarta-feira para expressar oposição à violência no Capitólio.

Perkins, que também é comissário da Comissão de Liberdade Religiosa Internacional dos EUA e é um pastor batista, chamou a violência de "ações sem lei" que são "erradas e perigosas para nossa república".

"A ilegalidade não é o caminho, e tais ações dificultam que os americanos cumpridores da lei lutem a boa luta. Ore por nossa República! Perkins escreveu.

O presidente da Coalizão Fé & Liberdade, Ralph Reed, discursa no National Press Club em 7 de novembro de 2018 em Washington, D.C. | (FOTO: THE CHRISTIAN POST)

Ralph Reed

Da mesma forma, o colega ativista político evangélico Ralph Reed, que lidera a organização de base conservadora cristã Faith & Freedom Coalition, postou no Twitter que a violência é inaceitável.

"A violência no Capitólio dos EUA é um ataque à democracia e ao governo representativo", enfatizou. "Recorrer à violência da máfia não tem lugar na vida da nossa nação, e eu a condeno e repudio."

Reed, 59, acrescentou que a violência em exposição "não representa nosso movimento ou a causa de Cristo".

Pastor Jack Graham fala na Igreja Batista prestonwood em Plano, Texas em 2 de junho de 2019. Nesse domingo, Graham comemorou 30 anos de ministério na igreja do Texas. Ele serviu anteriormente na Primeira Igreja Batista de West Palm Beach, Flórida. | Igreja Batista prestonwood

Jack Graham 

Jack Graham, o pastor sênior da Igreja Batista de Prestonwood em Plano, Texas, que no passado participou de eventos na Casa Branca durante o governo Trump, também usou sua conta no Twitter para se opor ao que viu em Washington.

"A violência na capital de nossa nação deve ser condenada e a lei e a ordem devem prevalecer", escreveu Graham no Twitter.

"Reze pelo nosso país. Isso é de partir o coração.

O evangelista Greg Laurie prega na Cruzada da Colheita do Sul da Califórnia de 2018 em Anaheim, Califórnia. | Colheita

Greg Laurie 

O evangelista da Califórnia Greg Laurie, o pastor sênior da Harvest Christian Fellowship, que também participou de eventos na Casa Branca ao longo dos anos, escreveu nas redes sociais que está "alarmado com as imagens" do Capitólio.

"Protesto vibrante é americano", tuitou Laurie. "Violência e anarquia não é."

Laurie continuou dizendo que ele condena a violência e pediu aos democratas e republicanos que se juntassem a ele rezando pela América.

"Reze pela paz em nossas ruas, por proteção e sabedoria para nossos líderes", escreveu ele.

Johnnie Moore (L) e Samuel Rodriguez (R)

Johnnie Moore e Samuel Rodriguez

Em uma declaração conjunta compartilhada com o The Christian Post, figuras evangélicas do Revs. Johnnie Moore e Samuel Rodriguez afirmaram que "não há situação concebível onde o que aconteceu no Capitólio dos EUA hoje é uma atividade aceitável".

Moore é o presidente do Congresso de Líderes Cristãos, um executivo de relações públicas, bem como um comissário da Comissão dos EUA para a Liberdade Religiosa Internacional. Rodriguez é o chefe da Conferência Nacional de Liderança Cristã Hispânica e pastor da Igreja Nova Temporada em Sacramento, Califórnia.

Embora Moore tenha se envolvido informalmente com a administração Trump nos últimos quatro anos, Rodriguez é um dos líderes espirituais que fez uma oração na posse de Trump em 2017.

"O comportamento violento e anarquista emanando da extrema esquerda ou da extrema direita é imoral e criminoso", afirmaram os dois na declaração conjunta. "Ela deve ser sumariamente condenada - começando pelo presidente dos Estados Unidos - e seus autores devem ser processados em toda a extensão da lei."

Os líderes enfatizaram que os esforços dos milhares de manifestantes pacíficos "foram estragados".

"Estamos aliviados que tanto o presidente eleito Biden quanto o presidente Trump tenham falado diretamente com a questão dizendo aos manifestantes em D.C. para irem para casa e pedirem paz", afirmaram Moore e Rodriguez. "Instamos todos os americanos - democratas e republicanos - a se unirem em oração por nossa nação para que a justiça e a justiça, o amor e a fidelidade guiem o coração de nossa nação (Ps. 89:14)."

Nenhum comentário:

Postar um comentário