Header Ads Widget

565 Mil afetados e 2.500 mortos em meio ao aumento do extremismo islâmico em Moçambique desde 2017

 

Casas destruídas são vistas na vila recém-atacada de Aldeia da Paz, nos arredores de Macomia, na província de Cabo Delgado, em Moçambique, em 24 de agosto de 2019. Em 1º de agosto de 2019, os habitantes da Aldeia da Paz se juntaram à longa lista de vítimas de um grupo islâmico sem rosto que há quase dois anos semeia a morte e o terror no norte do país. | AFP via Getty Images/MARCO LONGARI

Ataques extremistas violentos que levaram ao deslocamento de mais de meio milhão de pessoas e mais de 1.300 mortes de civis no norte de Moçambique nos últimos anos diminuíram em janeiro, à medida que as forças do governo tentam expulsar rebeldes islâmicos da província de Cabo Delgado.

Relatos indicam uma trégua nos violentos eventos extremistas relatados da província problemática, onde centenas de ataques terroristas foram realizados desde 2017 por extremistas locais considerados alinhados com Ahlu Sunnah wa-l-Jama'ah, que prometeu fidelidade ao Estado Islâmico.

De acordo com o Projeto de Dados de Conflitos Armados e Eventos (ACLED), a província de Cabo Delgado sofreu 776 "eventos de violência organizada" desde 2017, 2.578 "fatalidades por violência organizada" e 1.305 "mortes por alvos civis".

As Nações Unidas estimam que 565.000 pessoas fugiram de suas casas e aldeias devido a ataques de grupos não estatais.

Dados da ACLED indicam que houve 10 ataques militantes em janeiro. A AFP informa que o total está abaixo dos 30 ataques militantes registrados em dezembro.

Boletins gratuitos do CP

Junte-se a mais de 250.000 outros para obter as principais histórias com curadoria diária, além de ofertas especiais!

BOLETINS GRATUITOS DO CP

Junte-se a mais de 250.000 outros para obter as principais histórias com curadoria diária, além de ofertas especiais!

Como as forças do governo se envolveram em esforços para derrotar os terroristas, alguns relatórios deram crédito pelo declínio dos ataques ao aumento de terras do governo e ataques aéreos.

No entanto, a ACLED alertou para não dar crédito demais às forças do governo para o declínio de janeiro.

"O declínio da estação chuvosa nos ataques insurgentes em Cabo Delgado levou a especulações de que o governo obteve ganhos militares significativos contra a insurgência nas últimas semanas, uma narrativa que também apareceu na propaganda pró-governo", publicou uma atualização semanal da ACLED durante a primeira semana de fevereiro.

"Há sinais animadores para o governo na frente de segurança, e a ofensiva da semana passada em Mocimboa da Praia tem potencial para trazer mais. No entanto, a falta de atividade insurgente em janeiro não é necessariamente indicativa do sucesso do governo."

Os dados internacionais de violência coletiva observam em sua análise que a chuva e a falta de produção agrícola apresentam problemas anualmente nesta época do ano. O resultado é uma restrição à ação insurgente, não importa o que o governo ganhe.

"Como exemplo, em janeiro de 2020, a ACLED registra 25 eventos totais envolvendo insurgentes, resultando em 50 mortes em Cabo Delgado", explica o banco de dados. "Em janeiro deste ano, houve 22 eventos totais comparáveis envolvendo insurgentes, resultando em 47 mortes. Longe de prever o declínio da insurgência, o ritmo lento do conflito em janeiro de 2020 precedeu o ano mais bem sucedido do insurgente de longe."

A ACLED deu crédito ao governo por tornar as condições seguras o suficiente para que os Médicos Sem Fronteiras retornem ao distrito de Macomia, onde o grupo humanitário pode ajudar 100 pacientes por dia. A organização suspendeu seu programa na região em junho passado depois que insurgentes atacaram um centro de saúde lá.

"Esse MSF agora é capaz de retornar à Macomia sugere uma grande melhoria nas perspectivas de segurança lá", relata a ACLED. "Também representa uma grande melhoria de qualidade de vida para os civis do distrito."

Calton Cadeado, pesquisador de segurança da Universidade Joaquim Chissano, em Maputo, disse à AFP que vê o "sucesso da estratégia ofensiva das forças governamentais".

Como o comunicado relata, tropas do governo lançaram no mês passado uma série de ataques aéreos no distrito de Palma, o centro terrestre de um projeto de gás na província. As forças também mataram vários rebeldes escondidos em uma mesquita.

A ofensiva militar para eliminar o grupo terrorista, conhecido localmente como Al-Shabaab, mas não ligado ao grupo com o mesmo nome na Somália, está sob escrutínio. Ativistas acusaram os militares de matar indiscriminadamente qualquer um acusado de trabalhar com o grupo terrorista. No entanto, Cadeado disse à AFP que a relação entre os militares e os moradores locais "melhorou muito" recentemente.

Moçambique e Portugal estão preparando um programa bilateral de cooperação em segurança que será finalizado em fevereiro. De acordo com a ACLED, o acordo substituirá um acordo existente. O novo acordo incluirá o treinamento das forças militares moçambicanas por contrapartes portuguesas.

Um novo relatório da Ordem dos Advogados de Moçambique acusa o governo de não proteger os direitos humanos na província. A associação acusou o governo de não ter "uma estratégia para prevenir e combater o terrorismo".

"O governo desperdiçou oportunidades de cooperação internacional na prevenção e combate ao terrorismo, no âmbito da adesão do país às convenções internacionais", diz o relatório.

Em janeiro, o ministro português das Relações Exteriores, Augusto Santos Silva, disse à mídia que espera que um acordo para fornecer assistência da União Europeia a Moçambique seja concluído "nas próximas semanas".

Moçambique classifica-se como o 45º pior país para cristãos na Lista mundial de observação de Open Doors USA 2021 . O relatório deste ano é a primeira vez que o país está listado na lista anual do Open Doors. Ataques extremistas mataram muitos cristãos e terroristas queimaram igrejas e escolas.

Postar um comentário

0 Comentários