Header Ads Widget

Lei da Igualdade coloca políticas cristãs de contratação em 'risco' sem isenções religiosas, alerta ADF

 

Uma bandeira cor de arco-íris é vista do lado de fora da Suprema Corte dos EUA em Washington, EUA, em 27 de abril de 2015. | REUTERS/Jonathan Ernst

A ampla Lei de Igualdade defendida pelos democratas colocaria as práticas de contratação de organizações baseadas na fé em "perigo" e criaria preocupações adicionais de liberdade religiosa para escolas, igrejas e ministérios cristãos, argumenta uma proeminente organização sem fins lucrativos.

Os funcionários da Alliance Defending Freedom detalharam na última sexta-feira as implicações da Lei da Igualdade, legislação apoiada pelo presidente Joe Biden que codificaria as proteções de discriminação baseadas na orientação sexual e identidade de gênero na lei federal.

A organização jurídica, que ganhou vários casos de liberdade religiosa perante a Suprema Corte dos EUA nos últimos anos, alertou aqueles que assistem a um webinar online que a Lei da Igualdade poderia ampliar a definição de acomodação pública de uma maneira que pudesse colocar as instituições baseadas na fé em risco.

O conselheiro sênior Gregory Baylor disse que o projeto de lei, que passou pela Câmara controlada pelos democratas em 2019, "expande drasticamente" o escopo do que constitui um local de acomodação pública.

"De acordo com a lei que temos agora, não são muitas entidades: são restaurantes, são hotéis, são meios de transporte", explicou.

Boletins gratuitos do CP

Junte-se a mais de 250.000 outros para obter as principais histórias com curadoria diária, além de ofertas especiais!

BOLETINS GRATUITOS DO CP

Junte-se a mais de 250.000 outros para obter as principais histórias com curadoria diária, além de ofertas especiais!

De acordo com Baylor, os defensores da Lei da Igualdade querem expandir a definição de acomodação pública para incluir uma "categoria muito, muito mais ampla de organizações", incluindo "entidades sem fins lucrativos como abrigos e bancos de alimentos".

"A maneira como eles escreveram não exclui a possibilidade de que uma escola religiosa ou mesmo uma igreja em algumas de suas funções possam ser consideradas um local de acomodação pública", continuou.

Baylor explicou que a legislação, que estagnou no Senado controlado pelos republicanos no último Congresso, "cria muita incerteza" sobre os requisitos em torno dos processos de contratação das organizações.

Observando que muitas organizações religiosas têm políticas que refletem suas crenças sobre casamento, moralidade sexual e distinção entre os sexos, Baylor alertou que a Lei da Igualdade "coloca todos aqueles em risco".

"Há alguma preocupação de que até mesmo uma igreja possa ser considerada um lugar de acomodação pública" se abrir suas instalações "para um evento aberto ao público", afirmou Baylor.

Ele argumentou que a Lei da Igualdade poderia considerar uma escola religiosa um lugar de acomodação pública.

"Se uma lei que proíbe a discriminação do SOGI se aplica a uma escola como local de acomodação pública, seria muito difícil manter padrões de admissão de alunos (e) para códigos de conduta para os alunos", explicou.

Além disso, a Lei da Igualdade busca "proibir a discriminação com base na orientação sexual e identidade de gênero no ambiente de emprego".

Em 2020, a Suprema Corte dos EUA decidiu no Condado de Bostock v. Clayton que uma funerária de propriedade cristã com sede em Michigan estava errada ao demitir uma funcionária transgênero depois que ele passou para uma mulher.

Baylor ressaltou que "a Lei da Igualdade imporia ... uma proibição de ... SOGI discriminação na moradia", incluindo dormitórios universitários.

"É provavelmente o caso de que os dormitórios estão cobertos pela proibição da Lei da Moradia Justa sobre discriminação e, se esse for o caso, pense em escolas que têm dormitórios de sexo único, pense em faculdades cristãs que não estão dispostas a colocar homens que se identificam como mulheres em dormitórios femininos", acrescentou Baylor.

Ele também disse que, de acordo com a Lei da Igualdade, as igrejas podem ser "obrigadas a permitir que homens que se identificam como mulheres usem os banheiros femininos".

Baylor também alertou que dormitórios separados por sexo podem estar em perigo sob a Lei da Igualdade. Ele sugeriu que as escolas poderiam ser obrigadas a permitir que homens que se identificam como mulheres vivam em dormitórios só para mulheres e usassem espaços privados só para mulheres.

Segundo Baylor, a Lei da Igualdade também pode impactar "a lei que rege os beneficiários da assistência financeira federal".

"Há um número enorme de entidades que recebem dinheiro do governo federal", disse Baylor. "Toda instituição pública de ensino recebe dinheiro do governo federal, quase todas as instituições privadas de ensino superior recebem dinheiro do governo federal e isso, é claro, está vindo, na maioria dos casos, através da ajuda estudantil que os alunos recebem do governo federal" para ajudar a pagar sua educação.

Baylor explicou que até algumas escolas privadas e religiosas do K-12 são beneficiárias de assistência financeira federal.

"Assim, se a Lei da Igualdade for aprovada, [eles] poderão estar sujeitos a essa proibição da discriminação", continuou.

Baylor observou que a "proibição da discriminação" incluiria "coisas mais inesperadas" como exigir que os empregadores usem os pronomes preferidos de uma pessoa transgênero, independentemente de "se isso viola sua consciência ou não".

"Eles também dizem que um empregador, a fim de cumprir a proibição ... sobre a discriminação sogi no emprego, deve incluir em seus planos de saúde coisas que eles podem se opor a como hormônios trans sexo, bloqueadores de puberdade para crianças e cirurgia de redesignação sexual", afirmou Baylor.

Segundo o advogado, as leis "foram interpretadas para exigir ... dando acesso a homens que se identificam como mulheres em espaços privados femininos como vestiários, vestiários, vestiários e coisas dessa natureza." Ele observou ainda que qualquer escola que recebe financiamento federal poderia ser forçada a "permitir que homens que se identificam como mulheres joguem em equipes esportivas".

Baylor alertou que instituições religiosas de ensino superior que não recebem nenhum dinheiro do governo federal ainda poderiam "ser atingidas de todas as partes diferentes da Lei da Igualdade".

Se as escolas forem determinadas a serem locais de acomodação pública, "suas práticas de admissão, seus códigos de conduta estudantil agora se tornariam suspeitos sob a Lei de Igualdade".

"Não há bala de prata para contornar isso se se tornar lei", enfatizou Baylor.

Embora a Lei da Igualdade não tenha se tornado lei no último Congresso, o projeto de lei provavelmente voltará a ser votado este ano, já que os democratas assumiram o controle total do legislativo e Biden tornou a aprovação do projeto uma prioridade legislativa.

Em contraste com a maioria das proibições à discriminação baseadas na orientação sexual e identidade de gênero em nível estadual, a Lei de Igualdade não inclui "generosas isenções religiosas".

Segundo Baylor, "a lei tiraria das pessoas religiosas e organizações religiosas o melhor argumento legal e de liberdade religiosa que eles têm".

"Isso está sob um estatuto de 1993 chamado Ato de Restauração da Liberdade Religiosa", disse ele.

O vice-presidente de Relações Governamentais da ADF, J.D. Mesnard, disse que muitas cidades ou estados têm orientação sexual e leis de identidade de gênero nos livros.

"Essa legislação é geralmente muito mais extrema do que o que está lá fora", disse Mesnard. "Essa legislação, de fato, reduzirá as isenções que podem existir em algumas dessas leis estaduais ou municipais do SOGI e é isso que torna tudo mais uma ameaça."

Baylor previu que aqueles que buscam entrar com ações judiciais alegando discriminação com base na orientação sexual ou identidade de gênero poderiam optar por processar sob a Lei de Igualdade, em vez de qualquer lei equivalente em nível estadual devido à ausência da isenção religiosa.

Ele disse que a falta de isenção da liberdade religiosa lhes daria "menos obstáculos para atravessar".

Discutindo o cenário do Congresso, Mesnard destacou que os democratas têm uma estreita maioria de 50 a 50 no Senado, com a vice-presidente Kamala Harris votando no desempate.

Embora as regras do Senado exijam 60 votos para aprovar a maioria da legislação, os democratas têm discutido a abolição da regra de obstrução para permitir que a legislação seja aprovada com uma maioria simples. Se isso acontecer, a aprovação da Lei da Igualdade se tornaria muito mais provável.

Mesnard alertou que, mesmo que a Lei da Igualdade não seja aprovada como um projeto de lei autônomo, "há muito potencial para peças dela, talvez peças muito significativas, sendo incluídas em outros projetos de lei, especialmente projetos de lei do orçamento".

Ele mencionou que, sob o processo de reconciliação, um monte de disposições poderiam ser "purê lá como ... parte da negociação e não tem o limite de 60 votos. No processo de reconciliação, as contas só precisam de uma maioria simples para serem aprovadas.

Postar um comentário

0 Comentários