Header Ads Widget

Quase 100 cristãos são mortos por extremistas na República Democrática do Congo

 

Três congoleses andam de moto e carregam uma cruz para uma sepultura ao longo da estrada que liga Mangina a Beni em 23 de agosto de 2018, em Mangina, na província de Kivu do Norte. | JOHN WESSELS/AFP via Getty Images

Um grupo islâmico militante com uma agenda expansionista matou pelo menos 100 pessoas, a maioria cristãs, no leste da República Democrática do Congo nas últimas semanas, de acordo com um relatório do cão de guarda da perseguição Open Doors.

Mais de 100 pessoas foram mortas em três grandes ataques do grupo extremista islâmico chamado Forças Democráticas Aliadas no país de maioria cristã, informou a Open Doors.

Em 14 de janeiro, cerca de 46 pessoas pertencentes ao grupo étnico pigmeu foram mortas na província de Ituri por supostos militantes do grupo extremista, que é conhecido por atacar, sequestrar e matar cristãos, bem como treinar e enviar jihadistas para outros países da África.

Os cerca de meio milhão de pigmeus enfrentam extensa perseguição e discriminação no país, observou a Open Doors.

Em 4 de janeiro, cerca de 22 civis foram mortos com armas e facões em um ataque noturno na aldeia Mwenda, na região de Beni, na província vizinha de Kivu do Norte.

Boletins gratuitos do CP

Junte-se a mais de 250.000 outros para obter as principais histórias com curadoria diária, além de ofertas especiais!

BOLETINS GRATUITOS DO CP

Junte-se a mais de 250.000 outros para obter as principais histórias com curadoria diária, além de ofertas especiais!

Militantes das Forças Democráticas Aliadas, que tem sede na vizinha Uganda, mataram mais 25 pessoas na aldeia de Tingwe, na mesma região, no mesmo dia.

Pelo menos 17 aldeões próximos foram assassinados com facões uma semana antes na vila de Mwenda.

A maioria dos mortos nos três ataques na região de Beni eram cristãos.

Grupos extremistas islâmicos têm "uma clara agenda expansionista islâmica", disse Illia Djadi, porta-voz do Open Doors sobre liberdade de religião ou crença na África subsaariana. "É um lembrete do que está acontecendo em outras partes da região central do Sahel – grupos como o Boko Haram no nordeste da Nigéria, por exemplo. A ideologia, a agenda de estabelecer um 'califado' na região, e a forma como operam é a mesma, e podemos ver como eles afligem o sofrimento terrível em pessoas inocentes."

Entre 20 de novembro e 3 de dezembro do ano passado, homens das Forças Democráticas Aliadas mataram pelo menos 30 cristãos,estupraram 10 jovens mulheres e meninas e sequestraram várias outras de igrejas em uma série de ataques a cinco aldeias na província de Kivu do Norte, de acordo com o Fundo Barnabas.

Em outubro passado, militantes das Forças Democráticas Aliadas mataram pelo menos 18 pessoase incendiaram uma igreja e várias casas em um ataque noturno na Vila Baeti, na província de Kivu do Norte, informou a Reuters na época.

As Forças Democráticas Aliadas foram formadas em 1996, fundindo vários grupos rebeldes existentes.

Em um relatório de 2020, a ONU reconheceu que abusos "generalizados, sistemáticos e extremamente brutais" dos direitos humanos pelo grupo militante islâmico "poderiam constituir, por sua natureza e escopo, crimes contra a humanidade e crimes de guerra".

Embora o grupo militante não tenha se ligado formalmente ao grupo terrorista Estado Islâmico, o EI assumiu a responsabilidade por alguns de seus ataques, chamando o Congo de "Província da África Central" do "califado".

A RDC está em 40º lugar na Lista mundial de observação de Portas Abertas 2021, acima do número 57 do ano anterior.

Postar um comentário

0 Comentários