Header Ads Widget

Rabinos pedem a Netanyahu que permita sacrifício da Páscoa no Monte do Templo

O pedido foi feito por meio de carta enviada ao primeiro-ministro e assinada por rabinos proeminentes de Israel.

Kohanim (sacerdotes / descendentes do primeiro Sumo Sacerdote Aarão), realizam uma reconstituição da cerimônia do Templo em Shavuot (Festa das Semanas). (Foto: Adam Eliyahu Berkowitz)

Um grupo de rabinos proeminentes enviou uma carta ao primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, solicitando que uma oferta de Páscoa seja permitida no Monte do Templo.

“Pedimos que nos permitam, como representantes do povo judeu, realizar o sacrifício da Páscoa este ano e todos os anos a partir de agora para ilustrar e observar a liberdade de culto no dia 14 de Nissan à noite”, diz a carta.

A carta diz ainda:

“Pedimos que fale sobre isso publicamente nos próximos dias, declarando abertamente que o Estado de Israel, o estado do povo judeu, pretende permitir que os judeus, em virtude de seus direitos religiosos e nacionais, mantenham uma liberdade moderada e modesta de adoração no Monte do Templo. Esta mensagem é especialmente importante nos dias antes da Páscoa, nosso tempo de liberdade, e para dar tempo para preparar adequadamente um sacrifício da Páscoa que será para toda a nação de Yisrael, enquanto sinaliza para o mundo inteiro que o Deus de Israel nos concedeu o Êxodo do Egito e nos ordenou cumprir os mandamentos da Torá com o objetivo de trazer Israel e todas as nações à liberdade. Para fazer isso, devemos cumprir a principal mitzvá nacional; o sacrifício da Páscoa!”

O documento também faz citação a questões políticas.

“Abençoamos você porque você terá grande sucesso nas próximas eleições. Que seja a vontade do Senhor de todos, cuja Santa presença habita em Sião e cuja cidade eleita é Jerusalém, que continuem a liderar o Estado de Israel e o povo de Israel nos próximos anos para sempre”, diz o documento.

“Vamos adorar a Deus, o Deus de Israel, o Criador do mundo no lugar que Deus escolheu. Daí vem luz e instrução para todo o mundo”, escrevem.

Segundo eles, “o dever de adoração e o direito de adoração do povo de Israel, como nos dias do Êxodo do Egito, é a expressão mais clara do Êxodo do povo de Israel para o mundo da liberdade”.

A carta foi assinada pelos “movimentos do United Temple para o Templo e o Monte do Templo, em nome de toda a casa de Israel”. Entre os nomes estão: Rabino Israel Ariel Presidente do Temple Institute, Rabino Baruch Kahana, chefe da guarda sacerdotal, Rabino Aryeh Lipo, Secretário.

O Rabino Hillel Weiss, o ex-porta-voz do Sinédrio, enfatizou que uma estrutura de Templo não é necessária para trazer o sacrifício da Páscoa e um altar temporário que pode ser montado e desmontado em um dia seria suficiente.

Sacrifícios obrigatórios

“Apesar de várias questões da lei judaica, como impureza ritual e falta de um sumo sacerdote, os judeus ainda são obrigados e tecnicamente capazes de trazer o sacrifício”, disse o rabino Weiss. “A única coisa que impede o Povo Judeu de realizar o sacrifício da Páscoa é o governo israelense.”

O rabino Weiss sugeriu a possibilidade de que a culpa de impedir o sacrifício da Páscoa pode ter levado aos problemas políticos que assolaram Trump e Netanyahu no ano passado.

O Sinédrio realizou um estudo intenso sobre a situação atual da oferta da Páscoa e concluiu que, neste momento, um sacrifício feito no Monte do Templo em nome de todo o povo judeu seria suficiente.

Esses rabinos fizeram um pedido idêntico no ano passado. O pedido foi considerado e negado, mas se tivesse sido honrado, seria a primeira vez desde a destruição do Segundo Templo em 70 EC que um sacrifício de Páscoa seria realizado no Monte do Templo. A lei de Israel exige que a liberdade de religião seja permitida em todos os lugares para todas as religiões, mas as preocupações de segurança com base na violência muçulmana organizada impedem que a liberdade de religião seja expressa no Monte do Templo.

Na carta ao primeiro-ministro apresentada no ano passado, os rabinos observaram que a oferta de Pessach tem um significado especial, pois há apenas duas mitzvot (mandamentos bíblicos) para as quais o descumprimento recebe a punição mais severa ordenada pela Torá, karet (ser cortado fora da comunidade, ou excomungado): brit milah (circuncisão) e o korban Pesach.

Os rabinos enfatizaram que o korban Pesach e o serviço do Templo eram um meio de deter as pragas. Por esse motivo, a decisão de iniciar o serviço do Templo beneficiaria o mundo inteiro nesta época de pandemia. O rei Davi comprou o Monte do Templo, construiu um altar e ofereceu um sacrifício para deter uma praga.

Postar um comentário

0 Comentários