Header Ads Widget

Ataque do Boko Haram em Camarões deixa dezenas de mortos e milhares são deslocados desde dezembro

 

Aldeões se escondem na floresta após um ataque militar à sua comunidade na área de Mfumte, nos Camarões, em 7 de abril de 2019. Milhares foram deslocados pela violência nas regiões anglófonas de Camarões nos últimos anos. Muitos fugiram para a vizinha Nigéria. Ébano-de-Efi

Um proeminente grupo de observadores de direitos humanos está pedindo ação à medida que os ataques do Boko Haram aumentaram no norte dos Camarões este ano, levando à morte de pelo menos 80 civis e ao deslocamento de milhares desde dezembro.

A Human Rights Watch, um grupo internacional de defesa dos direitos humanos, divulgou um relatório na segunda-feira detalhando o aumento da violência e das mortes nas mãos de terroristas do Boko Haram nos Camarões, especialmente na região do Extremo Norte.

A violência resultou em uma grande crise humanitária, já que 322.000 pessoas foram forçadas a sair de suas casas desde 2014 e 12.500 foram forçadas a sair de suas casas desde dezembro de 2020.

O grupo de defesa pede que o governo tome "medidas concretas" para proteger as comunidades sujeitas à crescente violência.

"O Boko Haram está travando uma guerra contra o povo de Camarões a um custo humano chocante", disse a pesquisadora sênior da HRW na África, Ilaria Allegrozzi, em um comunicado. "À medida que a região do Extremo Norte dos Camarões se torna cada vez mais o epicentro da violência do Boko Haram, Camarões deve adotar e realizar urgentemente uma nova estratégia que respeite os direitos para proteger os civis em risco no Extremo Norte."

A insurgência do Boko Haram começou na Nigéria em 2009, espalhando-se pela Bacia do Lago Chade para Camarões e outros países.

O Africa Center for Strategic Studies, um think tank do Departamento de Defesa dos EUA financiado pelo Congresso, divulgou um relatório em novembro mostrando um aumento acentuado da violência terrorista nos Camarões e em outros países próximos, como Chade, Níger e Nigéria.

De acordo com o relatório de novembro, a quantidade de ataques do Boko Haram contra civis nos Camarões nos últimos 12 meses foi maior do que os ataques do Boko Haram contra civis na Nigéria, Níger e Chade juntos.

Camarões experimentou o pico mais acentuado de violência de 2019 a 2020 e está um pouco abaixo da Nigéria no número de eventos violentos.

Apesar da recente onda de violência, o ministro da administração territorial de Camarões afirmou em fevereiro que o Boko Haram está "vivendo em seus últimos dias" e que a situação da região do Extremo Norte está "sob controle".

A HRW insta o Parlamento camaronês a realizar uma audiência para examinar a abordagem do governo para impedir o aumento dos ataques terroristas no Extremo Norte e fornecer recomendações para melhorar a proteção civil.

"Com os ataques do Boko Haram em ascensão nos Camarões, mais precisa ser feito para proteger efetivamente os civis, inclusive aumentando a presença militar e patrulhas em toda a região do Extremo Norte e garantindo que os soldados respeitem os direitos das pessoas", disse Allegrozzi. "Os parceiros regionais e internacionais de Camarões, incluindo aqueles que apoiam a força multinacional, devem reforçar esses esforços e garantir que sua assistência não contribua para violações dos direitos humanos."

O relatório detalhou alegações de agressão cometidas pelas forças de segurança contra civis acusados de fazer parte do Boko Haram.

Os militares enviaram milhares de soldados para a região, mas os trabalhadores humanitários dizem que a presença militar é muito escassa para proteger os civis dos terroristas. O exército está sobrecarregado e também está enfrentando uma guerra civil nas regiões de língua inglesa do país.

O exército também lida com a ameaça de ataques transfronteiriços por rebeldes na República Centro-Africana.

Soldados às vezes forçam ou ameaçam civis desequipados na região do Extremo Norte a cumprir o dever noturno de se proteger contra o Boko Haram, informou a HRW.

Grupos de direitos, incluindo a HRW, documentaram violações dos direitos humanos e crimes humanitários internacionais cometidos pelas forças de segurança camaronesas no Extremo Norte. Esses crimes incluem execuções extrajudiciais, prisões arbitrárias, desaparecimentos forçados, detenção incomunicável, tortura sistêmica e o retorno forçado de refugiados, segundo a HRW.

Grupos comunitários de autodefesa não treinados são frequentemente a primeira linha de defesa para comunidades vulneráveis, uma vez que os militares estão preocupados com outras preocupações. Isso faz das comunidades um "alvo fácil" para o Boko Haram, informou o Africa Center.

Um dos ataques mais mortais ocorreu em Mozogo em 8 de janeiro, quando terroristas do Boko Haram mataram pelo menos 14 civis, incluindo oito crianças, e feriram outros três.

Neste ataque de janeiro, uma menina foi usada por terroristas do Boko Haram como um homem-bomba para explodir-se em um parque lotado no norte dos Camarões.

A HRW falou com uma mulher de 43 anos que perdeu o filho de 17 anos e a filha de 4 anos no ataque suicida.

"Boko Haram [lutadores] dispararam tiros e gritaram 'Allahu Akbar' [Deus é Grande]", ela compartilhou. "Corremos em direção à floresta. Minutos depois, ouvimos uma forte explosão. Eu me encontrei no chão. Quando me levantei, procurei meus filhos. Minha garota estava morta, enquanto o garoto estava gravemente ferido. Ambos estavam cobertos de sangue com feridas por todo o corpo. Os moradores me ajudaram a levar o menino para nossa casa, onde ele morreu."

Pouco depois do ataque de 8 de janeiro em Mozogo, veículos militares adicionais patrulharam a cidade por alguns dias, mas os moradores disseram que os reforços acabaram por sair. Isso levou muitos moradores a fugir para aldeias próximas, pois vivem em constante preocupação com sua segurança.

"Vivemos com medo", disse um homem de 50 anos. "Estamos cansados desta situação; temos sido economicamente e psicologicamente drenados.

Camarões ocupa o 42º lugar na Lista mundial de observação de Portas Abertas dos EUA de 50 países onde os cristãos sofrem a pior perseguição.

O extremismo do Boko Haram cria um ambiente hostil para os cristãos, embora os crentes compõem a maior parte do país.

"Como o governo está frequentemente focado em outros lugares, é dado uma abertura para o Boko Haram expandir e continuar os ataques que visam os cristãos", afirmou a Open Doors em um boletim sobre Camarões.

Camarões também está incluído na lista 2020 da ONU Watch dos 10 maiores abusadores de direitos humanos em todo o mundo por torturar o jornalista Samuel Abuwe até a morte e massacrar crianças em escolas de língua inglesa como parte da Crise Anglófona.

Postar um comentário

0 Comentários