Header Ads Widget

Heróis da fé: Elizabeth Fry, missionária chamada de 'o anjo das prisões'

Filantropa Quaker britânica e uma das principais promotoras da reforma prisional na Europa.

A filantropa britânica Elizabeth Fry. (Foto: Reprodução / Elizabeth Fry)

Elizabeth Fry nasceu em 21 de maio de 1780, em Norwich, Norfolk, em uma família Quaker, cuja fé e tradições cristãs moldariam sua vida. Filha de um rico banqueiro, aos dezessete anos, Isabel teve uma experiência de conversão e, desde então, foi uma mulher comprometida com a oração pública e privada, com a leitura e pregação da Bíblia e com o bem aos outros.

Os Quaker preferiam se vestir com um estilo de roupa simples que os tornava instantaneamente reconhecíveis. Eles rejeitaram a violência em qualquer forma e acreditavam que todos eram iguais perante Deus e tentaram ignorar a posição social. Excepcionalmente para aquela época, eles acreditavam que deveria haver igualdade entre os sexos para que as mulheres frequentemente assumissem papéis de liderança.

Em 1.800, aos 20 anos, ela se casou com Joseph Fry, um comerciante de Londres, e combinou seu trabalho com o cuidado de uma grande família – Elizabeth Fry teve 11 filhos. Principalmente por causa do apoio de seu marido, a gravidez de Elizabeth não atrapalhou seu trabalho social.

Dedicando-se incansavelmente aos pobres, ela foi reconhecida como uma “ministra” pela Sociedade de Amigos em 1.811, e mais tarde viajou para a Escócia, norte da Inglaterra, Irlanda e grande parte da Europa. Lá, ela inspecionou as prisões e escreveu relatórios.

Em 1813, Elizabeth Fry fez sua primeira visita à prisão de Newgate, onde observou mulheres e crianças em condições terríveis. O bairro - construído para 60, mas agora com 300 - estava lotado de mulheres e crianças que usavam trapos, dormiam na palha e sofriam todo tipo de abusos.

A indignação de Elizabeth a fez voltar no dia seguinte com comida e roupas, mas as crises na família atrasaram seu envolvimento total no trabalho da prisão até 1816. Ajudada por outras pessoas, ela começou a fazer visitas regulares, trazendo comida, roupas e livros. Ela criou uma escola na prisão e iniciou esquemas nos quais os presidiários pudessem trabalhar e aprender habilidades.

Ela lia a Bíblia para as mulheres e, com considerável efeito, pregava a elas. Buscando dar dignidade e respeito próprio aos presidiários, ela os envolveu na tomada de decisões.

Suas recomendações para aquela prisão, por exemplo, incluíam separação dos sexos, classificação dos criminosos, supervisão feminina para mulheres, provisão adequada para instrução religiosa e secular e empregos úteis. Mesmo durante sua vida, suas sugestões foram cada vez mais postas em prática na maior parte da Europa.

Em 1817, Elizabeth Fry criou a Associação para o Melhoramento de Mulheres Presas e, junto com um grupo de 12 outras mulheres, fez lobby junto às autoridades, incluindo o Parlamento.

Na década de 1820, ela inspecionou as condições das prisões, defendeu a reforma e estabeleceu mais grupos para fazer campanha pela reforma.

Em 1823, a legislação de reforma das prisões foi finalmente introduzida no Parlamento.

O Anjo das prisões

Dotada de inteligência, charme e uma personalidade persuasiva e persistente, Elizabeth lutou incessantemente pela mudança. Ela encorajou as prisões a adotarem tratamento de gentileza e simpatia, a recrutar oficiais do sexo feminino e a proteger as mulheres, separando-as dos homens.

Ela escreveu panfletos e livros e falou para comissões parlamentares. A imprensa fez dela uma figura pública e ela ganhou o apelido de "o anjo das prisões". Elizabeth usou sua crescente reputação e autoridade para promover sua causa.

A história de Elizabeth, uma senhora de classe média, que conseguiu reformar as terríveis condições sob as quais os prisioneiros eram tratados na Grã-Bretanha e em muitos outros países é um exemplo clássico de como Deus pode usar pessoas improváveis ​​para um efeito extraordinário.

Elizabeth parece ter sido incansável. Ela ficou indignada com o transporte de prisioneiros para a Austrália, algo que expôs as mulheres em particular à humilhação e ao perigo.

Enquanto trabalhava para sua abolição, Elizabeth tentou minimizar os danos do transporte, visitando mais de cem navios e milhares de prisioneiros. Ela lutou contra o uso excessivo da pena capital, trabalhou contra a falta de moradia e abriu uma escola de treinamento para enfermeiras.

Elizabeth Fry morreu em 12 de outubro de 1845, mas seu trabalho continuou e ela se tornou uma inspiração para as gerações futuras.

Postar um comentário

0 Comentários