Header Ads Widget

Líbano, um refúgio para o cristianismo, à beira do colapso se o mundo não agir, alertam especialistas

 

Móveis danificados são vistos em primeiro plano enquanto as pessoas assistem à missa de domingo na Igreja de St. Antoine parcialmente danificada em 16 de agosto de 2020, em Beirute, Líbano. A explosão no porto de Beirute na semana passada matou mais de 200 pessoas, feriu milhares e acabou com inúmeras vidas. Houve pouco apoio visível das agências governamentais para ajudar os moradores a limpar os escombros e ajudar os deslocados, embora dezenas de voluntários de todo o Líbano tenham descido sobre a cidade para ajudar a limpar. Getty Images/Chris McGrath

O Líbano, conhecido como um refúgio para o cristianismo no Oriente Médio, está à beira do colapso financeiro e está à beira do status de estado fracassado se seu caminho não for rapidamente invertido, alertou uma mesa redonda especializada organizada por um importante grupo de defesa dos cristãos do Oriente Médio.

"O Líbano está se movendo rapidamente em direção ao fracasso total do Estado. O colapso total levaria semanas para se desenrolar, mas décadas para ser reparado", disse o ex-embaixador dos EUA Ed Gabriel, presidente da Força-Tarefa Americana no Líbano, durante uma mesa redonda de mídia organizada pela In Defense of Christians na última sexta-feira.

Richard Ghazal, conselheiro sênior da IDC, uma organização de direitos humanos de base não partidária com sede em Washington, disse que o Líbano não permanecerá "o bastião final restante do cristianismo no Oriente Médio" se não ocorrerem ações imediatas para reverter a queda do país.

A explosão na capital do Líbano, Beirute, em 4 de agosto, levou a mais de 200 mortes, milhares de feridos e à destruição de mais de 300.000 casas. A explosão piorou a crise financeira e humanitária do Líbano, já que o país com quase 40% da população cristã já estava em estado de declínio.

O primeiro-ministro libanês renunciou dias após a explosão mortal e os manifestantes alegaram que o governo era culpado de manipulação negligente dos explosivos que desencadearam a explosão.

Antes da explosão fatal, quase 1 milhão de pessoas na área de Beirute não podiam pagar itens básicos de vida, como comida, roupas e abrigo. Cerca de 60% dos cidadãos vivem abaixo da linha da pobreza devido à corrupção política e à negligência, segundo a IDC.

O Líbano, um país com uma população de cerca de 6,8 milhões de habitantes, compartilha fronteiras com Israel e a Síria.

Embora já tenha sido um capital financeiro no Oriente Médio, eventos recentes, corrupção governamental e a desestabilização de sua moeda estão fazendo com que os bancos internacionais fujam como está em uma crise financeira.

Credores estrangeiros como HSBC e Wells Fargo estão se retirando do banco central do Líbano, enquanto o Bank of America e o Deutsche Bank reduziram as atividades no Líbano. A prevalência do grupo militante apoiado pelo Irã Hezbollah torna os bancos do país cada vez mais arriscados para os credores internacionais.

O bispo Peter Karam, vigário patriarcal e bispo titular do Acre de Fenícia dos Maronitas, disse que parte da crise financeira do Líbano se deve à quantidade de corrupção no governo. Ele comparou a má gestão do sistema financeiro como um "esquema Ponzi".

"Devemos admitir o fato de que há muita corrupção no Líbano. Muita corrupção no Líbano financeiramente, politicamente, socialmente. ... O colapso das instituições financeiras no Líbano é uma questão muito complexa. ...", disse Karam. "O setor financeiro no Líbano foi um modelo na região por muitos anos. O país era conhecido como a Suíça do Oriente Médio. Mas agora é apenas inexistente por causa da má gestão, corrupção e interferência política no funcionamento do Banco Central e do setor financeiro."

Ghazal disse que o mundo inteiro sentiria os efeitos do fracasso do Líbano se ele colapsar.

"O povo libanês não pode comprar comida ou mesmo o essencial da vida básica. Portanto, não se enganem, um colapso total no Líbano enviará efeitos humanitários econômicos e até mesmo de onda de segurança nacional ao redor da região e, em seguida, em todo o mundo", explicou Ghazal.

Ghazal disse que a comunidade internacional deve responder ao agravamento da crise do Líbano através de uma cúpula liderada pelas Nações Unidas para "reformular seu curso indo para o futuro" e restaurar seus valores fundadores de igualitarismo, responsabilidade, estado de direito.

"Muitas vezes ouvimos a frase: 'vigilância eterna é o custo da liberdade', bem, isso nunca foi tão verdadeiro do que hoje no caso do Líbano", disse Ghazal.

Os palestrantes concordaram que a comunidade internacional deve responder ao agravamento da crise do Líbano com um governo não corrupto e reformista.

Estabilizar a moeda será um primeiro passo na direção certa, disse Gabriel, ex-embaixador dos EUA no Marrocos.

Gabriel recomendou um "sólido esforço diplomático" e uma conferência internacional liderada pelos EUA e pela França para fornecer esforço humanitário e forças armadas estabilizadas.

Robert Nicholson, presidente do Philos Project, um grupo de advocacia cristã no Oriente Próximo, disse que a importância geopolítica do país significa que sua queda iminente causaria um efeito cascata de ramificações em Israel, nos EUA e na Europa.

"O Líbano está exclusivamente ligado ao Ocidente", explicou Nicholson. "Faz parte do mundo árabe, mas é tanto uma parte do mundo ocidental. Às vezes penso no Líbano como uma espécie de zona de cessar-fogo entre esses dois mundos ou civilizações ou blocos culturais-religiosos."

Ele disse que o Líbano está na "linha de costura entre o Ocidente Cristão e o Oriente Islâmico [Próximo]".

"Falamos muito sobre, como cristãos, a importância deste país para os [cristãos] que vivem lá. Mas o Líbano é tão importante para os muçulmanos que vivem lá e seus correligionários em toda a região", afirmou Nicholson. "O que acontece no Líbano afeta os cristãos, sim, e estou muito preocupado com isso como cristão. Mas também afeta muitos muçulmanos."

Postar um comentário

0 Comentários