Header Ads Widget

Polícia dispara gás lacrimogêneo contra cristãos no Haiti

 

Grupos de ajuda cristã que servem no Haiti testemunharam em primeira mão a devastação causada pelas manifestações em curso estimuladas por alegações de corrupção do governo e crise de inflação do Haiti. Eles estão pedindo aos cristãos em todo o mundo que tomem medidas e rezem pelo povo haitiano. 26 de fevereiro de 2018. (Foto tirada em Porto Príncipe, Haiti em 12 de janeiro de 2011). Mario Tama/Getty Images

A polícia do Haiti teria disparado gás lacrimogêneo enquanto dezenas participavam de uma "missa pela liberdade do Haiti" liderada por bispos católicos na quinta-feira como parte de um protesto nacional em curso contra os recentes sequestros de padres e outros na nação caribenha.

Cerca de uma dúzia de bispos católicos e dezenas de pessoas estavam participando da missa na Igreja de São Pedro em Pétion-Ville, um subúrbio da capital, Porto Príncipe.

De acordo com o Miami Herald, a multidão tinha voado para as ruas quando a polícia disparou gás lacrimogêneo e tiros.

Paroquianos podiam ser vistos correndo, gritando "gás lacrimogêneo" e "Precisamos de ajuda". Alguns participantes desmaiaram nos bancos, informou o jornal.

A missa foi organizada como parte de uma greve nacional em resposta ao recente sequestro de cinco padres católicos, duas freiras e três leigos em meio à crescente ilegalidade, um aumento no sequestro e violência de gangues no país.

A Igreja Católica está buscando desempenhar um papel ativo no enfrentamento dos desafios enfrentados pela nação empobrecida.

"A Igreja Católica pode ajudar a trazer mudanças. O país precisa disso", disse à AFP Andre Michel, um dos principais membros da oposição presentes na igreja.

De acordo com o The Miami Herald, 11 bispos liderados pelo arcebispo de Porto Príncipe Max Leroy Mésidor entraram na igreja por volta das 12:00.m. enquanto os sinos da igreja tocavam e batias podiam ser ouvidos até uma montanha próxima.

As pessoas reunidas na igreja repetidamente cantaram, "Nou Bouke", que significa "Estamos fartos". Eles também cantaram para a destituição do presidente do Haiti Jovenel Moise.

"Não era mais uma massa. Foi realmente uma manifestação política espontânea contra o poder, contra o sequestro", disse Michel ao The Miami Herald. "Quando a missa terminou, a polícia disparou gás lacrimogêneo. Eu quase morri de asfixia por dentro.

Um porta-voz da Conferência Episcopal Católica do Haiti disse ao jornal que a polícia havia oferecido várias razões pelas quais o gás lacrimogêneo foi implantado. Uma das razões pelas quais os funcionários da igreja foram informados foi que as autoridades queriam evitar protestos. Outra razão dada foi que alguns manifestantes começaram a incendiar carros, observou o Miami Herald.

Como a maioria dos haitianos são católicos, o cardeal haitiano Chibly Langlois disse à AFP que a igreja goza de "grande confiança" entre a maioria da população haitiana. Quando a nação passa por tempos difíceis, as pessoas esperam "uma palavra da Igreja Católica".

Dias antes da missa, a Arquidiocese católica de Porto Príncipe emitiu uma declaração criticando "a descida ao inferno da sociedade haitiana" e contra a "violência de gangues armadas".

"As autoridades públicas" não estão "imunes à suspeita", acrescentou o comunicado.

Fiammetta Cappellini, representante do país com sede no Haiti para a instituição de caridade AVSI, com sede na Itália, disse ao Catholic News Service que "a violência atingiu um ponto alto".

"Vemos que este é o ponto mais profundo já alcançado neste país e não podemos ir mais fundo", disse Cappellini, cuja organização iniciou suas operações no Haiti em 1999.

Sequestro tornou-se comum no Haiti.

De acordo com a Associated Press,estações de rádio frequentemente transmitem pedidos de ajuda para levantar dinheiro do resgate ou ajudar a encontrar um corpo.

No mês passado, quatro policiais foram mortos enquanto tentavam invadir o reduto de uma gangue criminosa.

O Escritório Integrado das Nações Unidas no Haiti afirmou em um relatório de fevereiro que houve 234 sequestros nos últimos 12 meses, um aumento de 200% em relação ao ano anterior.

As autoridades do Haiti relataram 1.380 assassinatos em 2020, segundo a AP.

De acordo com o grupo de cães de guarda Fondasyon Je Klere, mais de 150 gangues operam no Haiti.

Postar um comentário

0 Comentários