Header Ads Widget

Restos mortais de missionário evangélico sequestrado são recuperados no Mali

 

Beatriz Stockli | Twitter

O corpo de Beatrice Stockli, uma missionária evangélica da Suíça que foi mantida em cativeiro por extremistas islâmicos no Mali desde janeiro de 2016, foi encontrado e identificado, informou o Ministério das Relações Exteriores do Mali.

O corpo de Stockli foi dado às autoridades malianas pelo Comitê Internacional da Cruz Vermelha, e um teste de DNA confirmou que é da mulher cristã, que havia sido sequestrada da cidade de Timbuktu do Mali pelo grupo jihadista Jama'at Nusrat Al-Islam wa'l-Muslimin, informou o The Washington Times.

"Infelizmente, agora temos evidências definitivas de que a mulher que foi mantida refém está morta", disse o conselheiro federal suíço Ignazio Cassis em um comunicado do Departamento Federal de Relações Exteriores da Suíça.

"Mas também estou aliviado por podermos devolver os restos mortais da mulher à sua família e gostaria de transmitir minhas mais profundas condolências a eles. Também quero agradecer às autoridades malianas pela ajuda em ajudar a identificar o corpo", acrescentou Cassis.

Em outubro passado, o departamento suíço anunciou que Stockli teria sido morto. A informação veio da refém francesa Sophie Pétronin, uma trabalhadora de caridade francesa de 75 anos que foi sequestrada por jihadistas em dezembro de 2016 e libertada em 2020, informou a BBC na época.

Pétronin, que se converteu ao Islã durante seu cativeiro, relatou que a missionária teria sido morta a tiros cerca de um mês antes por se recusar a participar de outro movimento com seus sequestradores no Saara. Pétronin disse que eles se moviam regularmente para impedir que os soldados malianos e franceses os rastreassem. Ela disse que Stockli foi arrastada ao ar livre uma noite durante seu protesto e então ouviu um tiro explodir.

Stockli começou a trabalhar como missionária na cidade de Timbuktu para uma igreja suíça em 2000, mas logo se ramificou por conta própria, disse o World Watch Monitor mais cedo. Uma líder da igreja local no Mali disse que ela levava uma vida austera na área de Abaradjou, onde vendia flores e distribuia material cristão. Ela era conhecida por ser sociável, especialmente com mulheres e crianças, mas a área também era popular entre grupos jihadistas.

Em 2012, ela foi sequestrada por islamistas, mas libertada 10 dias depois após a mediação liderada pelo vizinho Burkina Faso. Ela deixou Mali depois que sua mãe e seu irmão imploraram a ela, mas logo retornou mesmo que o governo suíço a tivesse avisado contra isso.

Ela foi arrastada de sua casa novamente em 2016 por homens armados em quatro caminhonetes.

"Beatrice Stockli é uma freira suíça que declarou guerra contra o Islã em sua tentativa de cristianizar os muçulmanos", disse um orador mascarado com sotaque britânico que reivindicou a responsabilidade por seu sequestro em nome da Al-Qaeda no Magreb Islâmico disse em um vídeo.

Em troca da libertação de Stockli, a AQIM queria que seus combatentes presos no Mali e um dos líderes do grupo detidos no Tribunal Penal Internacional em Haia fossem libertados. Eles também exigiram que Stockli não voltasse a nenhuma terra muçulmana para pregar sobre o cristianismo.


Postar um comentário

0 Comentários