'Vamos matá-lo como cabras': Pastor e família recebe ameaça de morte ao ajudar cristãos a fugir de Fulani na Nigéria

Header Ads Widget

'Vamos matá-lo como cabras': Pastor e família recebe ameaça de morte ao ajudar cristãos a fugir de Fulani na Nigéria

Moradores participam de um enterro em massa para 17 pessoas mortas em um ataque noturno na aldeia Gonan Rogo, no estado de Kaduna, na Nigéria, em 12 de maio de 2020. | 

 Um pastor e trabalhador humanitário no estado de Kaduna, na Nigéria, teria recebido uma ameaça de morte escrita à mão por "insultar" a tribo islâmica Fulani. A ameaça adverte: "Vamos matá-lo como cabras e sua família. Conhecemos sua casa, sua igreja e até sua família."

O pastor Gideon Agwom Mutum encontrou uma carta de duas páginas perto de seu carro estacionado em sua casa por volta do meio-dia da última segunda-feira, informou o cão de guarda de perseguição do Reino Unido, Christian Solidarity Worldwide.

A carta anônima alega que Mutum, que ajuda moradores deslocados por agressores fulani armados a atacar comunidades agrícolas no estado de Kaduna, "insultou" a tribo Fulani na mídia.

A carta ameaça destruir uma escola que o pastor construiu na aldeia Pasakori, no governo local de Kaura, e caçar o jornalista e ativista de Kaduna Steven Kefas, que foi arbitrariamente detido por 150 dias em 2019.

"Estamos chegando. Nigéria é nossa terra. O sul de Kaduna é nossa terra", diz a carta.

No dia em que a carta foi enviada, assaltantes armados atacaram comunidades na área do governo local de Zangon Kataf pelo sexto dia consecutivo, deixaram 33 pessoas mortas, 215 casas destruídas e quatro igrejas arrasadas, de acordo com a União popular de Kaduna do Sul.

De acordo com o Comitê de Socorro e Intervenção do Sindicato Popular de Kaduna do Sul, os agressores foram "identificados como pastores Fulani pelas vítimas".

Mutum é o fundador e diretor do Acampamento Neemias em Kafanchan, na área do governo local de Jema'a.

O fundador da CSW, Mervyn Thomas, disse que é "inaceitável e imperdoável que os ataques à Zangon Kataf LGA continuem por seis dias consecutivos sem interceptação, indicando uma falha abrangente de segurança e governança".

"A crise de segurança na Nigéria, e particularmente no sul de Kaduna, já dura tanto tempo que agora parece além das capacidades das autoridades estaduais e federais", alertou Thomas. "Exige urgentemente esforços conjuntos da comunidade internacional para ajudar a Nigéria a combatê-la sempre que possível, ao mesmo tempo em que responsabiliza o governo por sua falha em ajudar as comunidades alvo."

O grupo de vigilância de perseguição dos EUA International Christian Concern designa os radicais fulani como o quarto grupo terrorista mais mortal globalmente, que superou o grupo terrorista Boko Haram como a maior ameaça aos cristãos nigerianos.

"Muitos acreditam que os ataques são motivados pelo desejo do jihadista Fulani de assumir terras agrícolas e impor o Islã à população e estão frustrados com o governo dominado pelos muçulmanos que acredita-se estar permitindo tais atrocidades", alertou o ICC em maio.

A Sociedade Internacional para liberdades civis e o Estado de Direito, com sede em Anambra, estimou em maio que cerca de 1.470 cristãos foram mortos na Nigéria durante os primeiros quatro meses de 2021, a maior estimativa nos primeiros quatro meses de um ano desde 2014. O número também supera o número estimado de cristãos mortos em 2019. O relatório estimou que cerca de 300 pessoas foram mortas em Kaduna nos primeiros quatro meses de 2021.

Nos primeiros quatro meses deste ano, a organização estima que pelo menos 2.200 cristãos foram sequestrados. O estado de Kaduna registrou o maior número de sequestros (800).

O Índice Global de Terrorismo classificou a Nigéria como o terceiro país mais afetado pelo terrorismo e registrou mais de 22.000 mortes por atos de terror de 2001 a 2019.

Os defensores, incluindo o comissário da Comissão de Liberdade Religiosa Internacional dos EUA, Gay Bauer, advertiram que a Nigéria "avançará incansavelmente em direção a um genocídio cristão" se as medidas não forem tomadas. O Departamento de Estado dos EUA reconhece a Nigéria como um "país de particular preocupação" por tolerar ou se envolver em graves violações da liberdade religiosa.

O extremismo islâmico, notavelmente realizado por grupos como o Boko Haram e a província do Estado Islâmico da África Ocidental no nordeste da Nigéria, levou a milhares de mortes e milhões de deslocados nos últimos anos.

Postar um comentário

0 Comentários