Header Ads Widget

China prepara reabertura pós-pandemia, mas continua fechando e demolindo igrejas

Organizações de apoio à Igreja Perseguida continuam alertando sobre intensa repressão do Partido Comunista Chinês ao cristianismo no país.


O pilar de uma igreja demolida é visto em Puyang, na província central de Henan, na China, em 13 de agosto de 2018. A igreja foi demolida para dar lugar a um desenvolvimento comercial. (Foto: Greg Baker / AFP / Getty Images)






















repressão da China contra o cristianismo continua a aumentar ao longo deste mês maio, com numerosos relatos de ataques a igrejas, remoções de cruzes e intimidação de cristãos emergindo de todo o país.

De acordo com a agência Bitter Winter, que registra violações de direitos humanos na China, enquanto o país tenta reabrir após as ordens de bloqueio em razão da pandemia do coronavírus, as autoridades comunistas continuam propagando medidas de “manutenção da estabilidade” que visam especificamente os locais de culto cristãos.

Na semana passada, a Irmandade Cristã Chinesa de Justiça (CCFR) revelou no Twitter que uma igreja examinada pelo Estado, localizada no distrito de Panji, na cidade de Huainan, província de Anhui, teve sua cruz removida pelas autoridades. Em um vídeo compartilhado pelo grupo, um funcionário pode ser visto de pé no telhado da igreja, agora vago, ao lado de uma escada.

Em outro post (abaixo), a CCFR compartilhou fotos de uma igreja doméstica na cidade de Shangrao, na província de Jiangxi, supostamente programada para ser demolida. As fotos mostram a igreja gravemente danificada, com ladrilhos de teto espalhados pelo chão.

A agência Bitter Winter relata que várias igrejas na cidade de Dexing, Shangrao e Fuzhou também foram invadidas pelas autoridades locais e instruídas a fechar suas seus templos e se unir à Igreja das Três Autonomias (autorizada oficialmente pelo Partido Comunista Chinês). Alguns líderes da igreja foram detidos e forçados a assinar um acordo para interromper a reunião ou associar=se à igreja oficial.

Na semana passada, surgiram imagens de vídeo da polícia usando a força para acabar com um culto na Igreja de Xingguang, na cidade de Xiamen, na província de Fujian, sudeste do país. Durante o ataque realizado por guardas de segurança e oficiais do Departamento Étnico e Religioso local, muitos crentes foram violentamente espancados, um dos quais precisou procurar atendimento médico.

A igreja foi banida após o ataque, para o qual os oficiais nunca apresentaram mandados.

Gina Goh, gerente regional da da organização de apoio à Igreja Perseguida, ‘International Christian Concern’ (ICC) para o Sudeste Asiático, disse que a China retomou claramente sua repressão ao cristianismo, agora que a ameaça representada pela pandemia de coronavírus diminuiu.

“Nas últimas semanas, vimos um número crescente de demolições de templos e remoções de cruzes até mesmo em igrejas sancionadas pelo Estado em toda a China, enquanto as reuniões de igrejas domésticas continuam enfrentando interrupção e assédio. É deplorável que as autoridades locais não apenas tenham conduzido esse ataque sem o procedimento adequado, mas tenham usado o uso excessivo da força contra os membros da igreja e os espectadores”, disse ela. "A ICC pede à comunidade internacional e ao governo dos EUA que condenem os constantes abusos dos direitos humanos na China".

Contexto

A Missão Internacional Portas Abertas (EUA) classifica a China como um dos piores países do mundo quando se trata de perseguição aos cristãos. O país subiu na classificação de 27 para 23 no relatório da Lista Mundial de Perseguição de Portas Abertas para 2020, que aponta os 50 países com maiores índices de intolerância religiosa.

No início deste ano, o CEO da Portas Abertas (EUA), David Curry, disse ao The Christian Post que a China, sob o comando do presidente comunista Xi Jinping, está criando um "sistema de perseguição para o futuro".

"Temos que alertar agora", disse ele. “Caso contrário, será tarde demais. Caso contrário, eles venderão esse sistema ao Irã e a outros países para oprimir suas minorias religiosas. É por isso que precisa ser realmente destacado. Dentro de cinco anos, seria quase tarde demais para detê-los".

A Comissão dos Estados Unidos sobre Liberdade Religiosa Internacional divulgou no mês passado um relatório recomendando que o governo dos EUA designe novamente a China como um país de preocupação especial sob a Lei da Liberdade Religiosa Internacional. O relatório citou a contínua perseguição da China a cristãos, budistas tibetanos, uigures, cazaques, quirguizes e outros muçulmanos.

Postar um comentário

0 Comentários