Estudantes cristãos paquistaneses serão forçados a estudar o Alcorão se os planos do governo avançarem

Os homens rezam durante Eid al-Fitr na mesquita badshahi em Lahore, Paquistão. | (Foto: REUTERS/Mohsin Raza)
O governador da província paquistanesa de Punjab pediu a todas as universidades provinciais que recomendassem como o ensino do Alcorão com tradução poderia ser feito parte do programa, dizendo que o livro sagrado islâmico é um código completo de vida e ajudará os alunos a "ganhar o favor de Alá Todo-Poderoso".

Será obrigatório que os estudantes assistam a palestras sobre o Alcorão, disse o governador do Punjab, Chaudhry Muhammad Sarwar, em uma coletiva de imprensa, dizendo que o Alcorão também os ajudará a se tornarem bons seres humanos, de acordo com o The New International.

A conferência de imprensa foi realizada para anunciar que o governador, que é o chanceler das universidades, constituiu um comitê de sete membros de vice-chanceleres para apresentar recomendações sobre como fazer do Alcorão parte do programa.

A comissão foi solicitada a apresentar recomendações finais em 22 de maio, de acordo com uma declaração do CLAAS-UK, um grupo cristão de advocacia legal.

"É triste que, para as minorias, especialmente os cristãos que vivem em grande número no Punjab, seus direitos religiosos e fundamentais sejam totalmente ignorados", disse Nasir Saeed, diretor do CLAAS-UK. "Nenhum programa alternativo foi anunciado para estudantes não muçulmanos das universidades de Punjab."

Saeed disse que forçar estudantes não muçulmanos a estudar o Alcorão contra sua vontade, e a de seus pais, terá "um impacto negativo".

"Promoverá intolerância e ódio contra não-muçulmanos na sociedade paquistanesa, algo que já está em ascensão."

Saeed acrescentou que era "vergonhoso" que aparentemente nenhum dos nove legisladores cristãos na Assembleia do Punjab levantou sua voz contra a mudança.

Um projeto de lei polêmico que torna obrigatório o ensino do Alcorão em todas as escolas e faculdades de todo o país foi aprovado pela Assembleia Nacional e pelo Senado em 2017.

Balighur Rehman, ministro estadual da Educação Federal e da Formação Profissional, insistiu na época que o Ensino Obrigatório do Projeto de Lei do Alcorão Sagrado 2017 só se aplicaria a estudantes muçulmanos.

"Isso levará à disseminação da bondade e da auspiciosidade e ao fim do caos e da incerteza", afirmou o projeto de lei, afirmando que tornaria "a mensagem divina entendida, garantiria a resposta da sociedade, incentivaria a paz e a tranquilidade, promoveria os valores humanos supremos da verdade, honestidade, integridade, construção de caráter, tolerância, compreensão do ponto de vista e modo de vida dos outros".

O projeto de lei afirma que os alunos do primeiro ano até a quinta série aprenderão a ler o texto árabe do livro sagrado islâmico, enquanto os alunos do sexto ano ao 12º ano também aprenderão a ler o texto árabe com tradução simples de Urdu, informou o Hindustan Times na época.

Os cristãos são frequentemente alvo tanto pelas leis de blasfêmia do Paquistão destinadas a proteger as sensibilidades islâmicas quanto por linha-dura que realizam violência e mataram dezenas de crentes nos últimos anos.

O cão de guarda da perseguição Open Doors USA classifica o Paquistão em 5º lugar em sua Lista mundial de observação de 2020 de 50 países onde é mais difícil ser cristão.
Estudantes cristãos paquistaneses serão forçados a estudar o Alcorão se os planos do governo avançarem Estudantes cristãos paquistaneses serão forçados a estudar o Alcorão se os planos do governo avançarem Reviewed by MISSÕES URGENTE on 09:14 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.