Nigeriano é condenado a 26 anos após forçar adolescente cristão ao casamento islâmico

Header Ads Widget

Nigeriano é condenado a 26 anos após forçar adolescente cristão ao casamento islâmico

Manifestantes marcham em apoio às meninas sequestradas por membros do Boko Haram em frente à Embaixada nigeriana em Washington em 9 de maio de 2014 | REUTERS/Gary Cameron
Um tribunal federal na Nigéria condenou um homem a 26 anos de prisão depois que ele sequestrou uma adolescente cristã de sua casa e a forçou a um casamento islâmico em 2015.

Um tribunal federal no estado de Bayelsa condenou Yunusa Dahiru pelo sequestro de Ese Oruru, de acordo com a mídia nigeriana.

Oruru foi raptada da loja de sua mãe no estado de Bayelsa em agosto de 2015, aos 14 anos, por Dahiru.

A criança foi levada através das fronteiras do estado para o estado kano de maioria muçulmana, onde ela foi supostamente estuprada, forçada a aceitar o Islã, e casada com seu captor. Além disso, seu nome foi alterado para "Aisha", o nome de uma das esposas do profeta do Islã Muhammad.

Seu sequestro ganhou atenção da mídia quando seus pais aumentaram a conscientização do público.

Meses depois, a polícia estadual resgatou Oruru em fevereiro de 2016. Foi revelado que a criança estava grávida de cinco meses de sua filha.

Charles Oruru, pai de Ese, elogiou a decisão da sentença pelo tribunal em uma entrevista ao jornal independente nigeriano The Guardian.

"Estou muito feliz e grato porque vejo que todo o meu sofrimento não é em vão", disse o pai. "Este caso servirá como um impedimento para outros que traficam os filhos das pessoas. Agradeço a Deus que a verdade tenha prevalecido. Eu e minha família estamos muito felizes."

De acordo com o jornal, Dahiru foi acusado de conspiração para cometer um sequestro em violação de uma lei anti-tráfico.

Oruru e sua esposa dizem que enfrentaram muito assédio em sua busca para ter sua filha de volta.

De acordo com a Christian Solidarity Worldwide, uma organização não governamental sediada no Reino Unido que opera em mais de 20 países, Rose Oruru foi insultada e ameaçada pelo chefe da aldeia em Kano quando tentou recuperar sua filha.

Embora a mãe tenha pedido ao emir local a libertação de sua filha, seu pedido não foi bem sucedido. CSW observa que em duas ocasiões, a mãe foi insultada e agredida por pessoas da aldeia, bem como recusou acesso à filha.

De acordo com a CSW, o lançamento de Ese Oruru veio um dia depois que o jornal nigeriano The Punch lançou sua campanha viral #FreeEse nas redes sociais.

O processo criminal contra Dahiru começou em março de 2016, mas ele foi inicialmente solto sob fiança. No entanto, ele foi preso novamente por não comparecer ao tribunal.

"Saudamos essa convicção e esperamos que ela marque o início de uma erosão da impunidade em torno desses crimes, dissuadindo potenciais autores e seus facilitadores", disse o chefe executivo da CSW, Mervyn Thomas, em um comunicado.

"É inaceitável que as jovens nos estados de Shari'a continuem a sofrer múltiplas violações de seus direitos à liberdade de religião ou crença, educação, cuidados parentais e liberdade e segurança da pessoa, entre outros."

Na Nigéria, muitas meninas e jovens foram sequestradas em várias ocasiões diferentes por diferentes atores como Boko Haram, extremistas do Estado Islâmico, manadas radicais Fulani e gangues à beira da estrada.

Enquanto alguns sequestros são para pagamentos de resgate, centenas de estudantes foram abduzidas por extremistas islâmicos no nordeste da Nigéria, muitos dos quais foram casados com militantes.

"A única diferença entre esses sequestros e aqueles cometidos por facções terroristas no nordeste da Nigéria é que, em vez de traficar meninas menores de idade para espaços desgovernados, esses sequestradores tentam se esconder atrás de autoridades tradicionais que podem ter perdoado suas ações", explicou Thomas.

"Pedimos às autoridades federais nigerianas que se tornem mais proativas em garantir o retorno imediato de menores sequestrados às suas famílias, e a processar consistentemente qualquer pessoa envolvida em tais crimes na maior extensão da lei."

De acordo com o Open Doors USA, que monitora a perseguição em mais de 60 países, sequestros e casamentos forçados de meninas cristãs "acontecem muito" no contexto não militante no norte da Nigéria de maioria muçulmana.

"Há até casos de meninas cristãs que foram sequestradas do sul e casadas no norte", diz um dossiê do Open Doors sobre a Nigéria.

A Nigéria é o 12º pior país do mundo quando se trata de perseguição cristã, de acordo com a Lista Mundial de Observação 2020 da Open Doors USA.

Em março, a Fundação Cristã hausa relatou como uma garota cristã chamada Sadiya Amos foi capaz de escapar de seus captores e se reunir com sua família depois que ela foi sequestrada e forçada a um casamento islâmico em janeiro.

Em outubro passado, seis estudantes cristãos e dois funcionários foram sequestrados de sua escola por radicais Fulani no estado de Kaduna. Eles foram soltos quase um mês depois.

Postar um comentário

0 Comentários