Dois missionários da Sociedade Bíblica de Camarões são mortos pelo Boko Haram

 Depois de uma calmaria de dois anos, os ataques do Boko Haram na região estão em alta novamente e faz muitas vítimas.

Jonas e Joseph, os dois facilitadores de alfabetização da Sociedade Bíblica mortos por Boko Haram em um ataque em sua aldeia. (Foto: Reprodução / UBS)

Dois facilitadores do programa de alfabetização da Sociedade Bíblica dos Camarões na região do extremo Norte foram do país mortos pelo grupo militante islâmico Boko Haram nas últimas semanas.

Depois de uma calmaria de dois anos, os ataques do Boko Haram naquela região estão em alta novamente e fazem muitas vítimas. Entre as vidas recentemente perdidas estavam dois facilitadores de alfabetização do Programa Alpha da Sociedade Bíblica dos Camarões na língua Parkwa. Um deles morreu no início de agosto e o segundo em meados de setembro.

Jonas, 42 anos, um ancião da União das Igrejas Evangélicas em Camarões, foi morto na noite de 8 de agosto enquanto montava guarda do lado de fora da igreja com três outras pessoas. Patrice*, que mora em frente à igreja, descreve o que aconteceu.

“O Boko Haram geralmente aparece nas aldeias por volta das 22h, então, quando chegava às 23h, os guardas pensavam que não viriam - então adormeceram. Eles não dispararam suas armas para o ar nem acenderam tochas, o que costumam fazer, então Jonas foi pego de surpresa durante o sono. Os outros dois conseguiram escapar, mas Jonas foi baleado na cabeça duas vezes”, contou.

Jonas, que deixa uma viúva e sete filhos, era muito estimado por sua comunidade.

“Perdemos o motor da igreja, um homem muito dinâmico e prestativo, um facilitador excepcional e diligente que realmente sabia como ensinar”, acrescenta Patrice. “É graças a ele que muitos cristãos aqui podem ler e escrever.”

O pastor da igreja confirma as palavras de Patrice, mas ainda está em choque, sobrecarregado demais para ser capaz de falar sobre o que aconteceu. Marcel*, um dos tradutores que trabalhava na Bíblia Parkwa, quase foi morto pelo Boko Haram em outubro de 2019. Ele era amigo de Jonas e o descreve como trabalhador, alguém calmo e sério em tudo que fazia.

Muitas pessoas fugiram de suas aldeias desde que os ataques recomeçaram na região. Os membros do Boko Haram alertaram aqueles que optaram por ficar de que continuarão a enterrar seus mortos porque “viver nas encostas das montanhas não significa que você está no céu”. Em outras palavras, eles não estão fora do alcance do Boko Haram.

Após a morte de Jonas, a igreja construiu uma cabana para sua família no topo da montanha, que é mais difícil para o Boko Haram chegar. Olivier *, delegado da Sociedade Bíblica para as regiões Extremo Norte, Norte e Adamaoua, foi visitar sua viúva.

Famílias vulneráveis

“Nós a encontramos absolutamente devastada pela terrível perda que sofreu, mas também doente porque a umidade na montanha atrai insetos e répteis”, diz Olivier. “Eles vivem em um estado terrivelmente precário. Uma das crianças tem feridas purulentas nas pernas e duas delas tinham saído para uma cidade a 27 quilômetros de distância em busca de plástico - para que a família pudesse colocá-lo sob o colchão da cama, para isolá-los do chão”.


Jonas deixa viúva e sete filhos; ele era muito estimado por sua comunidade. (Foto: Reprodução / UBS)

Em 18 de setembro, apenas 40 dias após a morte de Jonas, o Boko Haram matou outro facilitador de alfabetização, Joseph.

Joseph tinha 43 anos e oito filhos. Ele era amigo de Jonas. Marcel estava entre o grupo que foi buscar o corpo de Joseph.

“Os aldeões estavam escondidos em cavernas”, diz ele. “Um dos filhos de Joseph estava doente e chorando. Temendo que fossem descobertos, alguns dos moradores pediram a Joseph que levasse sua esposa e filho e voltasse para sua cabana. Foi aí que o Boko Haram os encontrou. Sua esposa conseguiu escapar com a criança, mas Joseph não. Perdemos um de nossos melhores professores de alfabetização Parkwa.”

Na aldeia, as pessoas vivem com medo. Eles podem fugir ... mas para onde? Do que eles viveriam? Há inundações na área e as condições de vida são extremamente difíceis. As doenças estão dizimando a população e a fome está aumentando devido à proibição do cultivo na área ao redor da aldeia - isso é para garantir que qualquer pessoa que se aproxima possa ser vista. Mas as pessoas não têm para onde ir.

Condições dolorosas

“Após o assassinato de nossos dois membros da equipe, que foram responsáveis ​​por preparar a comunidade para a chegada da Bíblia em Parkwa, nossa tarefa se torna ainda mais urgente”, disse o secretário Geral da Sociedade Bíblica de Camarões, Luc Gnowa.

“É esta Bíblia que trará esperança e curará as feridas do povo de língua Parkwa. A tradução da Bíblia para a língua parkwa está realmente ocorrendo nas condições mais dolorosas. Mesmo na cerimônia oficial de lançamento do projeto de tradução, tivemos que deixar a aldeia às pressas porque fomos avisados ​​de um possível ataque do Boko Haram.”

“Sabe, quando Deus o envia em uma missão, ele não diz que condições você enfrentará quando partir. Ele diz: ‘Vá, estou enviando você’. Ele nos enviou a este povo e devemos cumprir nossa missão. Estamos convencidos de que, com ele, cumpriremos nossa missão, apesar das ações do inimigo”.

Pedidos de oração

A Sociedade Bíblica dos Camarões pede oração “por nossos irmãos e irmãs que falam Parkwa, para que Deus intervenha por essas pessoas que viram seus homens morrerem e por todos aqueles no Extremo Norte que ficaram de luto devido às ações do Boko Haram.”

Outro motivo de oração e pedido de ajuda é para as famílias que perderam tudo e pelos tradutores da Bíblia que estão tão angustiados com o que aconteceu: “Eles estão tendo dificuldade para se concentrar. Que o nome do Senhor seja glorificado e nos dê a vitória, para que seus filhos possam finalmente viver em paz e segurança”.

* Nomes alterados para proteger a identidade.

Dois missionários da Sociedade Bíblica de Camarões são mortos pelo Boko Haram Dois missionários da Sociedade Bíblica de Camarões são mortos pelo Boko Haram Reviewed by MISSÕES URGENTE on 19:30 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.