Header Ads Widget

Sob ataques que vitimam cristãos, Etiópia dá ultimato a rebeldes da região do Tigré

 Os militares etíopes disseram que tanques serão enviados para cercar Mekelle, a capital das terras altas da região norte de Tigré.

Abiy Ahmed, o primeiro-ministro da Etiópia. (Foto: Ethiopian Public Broadcaster)

O primeiro-ministro da Etiópia Abiy Ahmed deu às forças rebeldes de Tigré 72 horas para se renderem antes que o exército inicie uma ofensiva na capital da região devastada pelas guerras.

Cristão, Abiy, que é o líder mais jovem da África e ganhou o Prêmio Nobel da Paz no ano passado, lançou sua operação depois de acusar a TPLF de atacar um campo militar e tentar confiscar equipamentos militares.

Etiópia tem sido atacada por diversos grupos terroristas, especialmente os cristãos do país, que sofrem com constantes ataques às igrejas e à comunidade, provocando grandes deslocamentos para lugares mais seguros.

Recentemente, o ataque com mortes de pastores tem se intensificado, além de frequentes sequestros de mulheres e meninas.

Se a Etiópia cair no caos, diz o The Guardian, pode levar o Chifre da África com ela.

72 horas

Enquanto os tanques do exército se reuniam em torno da cidade de Mekelle, Abiy Ahmed postou uma mensagem no Twitter na noite de domingo (22) que dizia: “Exortamos você a se render pacificamente em 72 horas, reconhecendo que está no ponto sem volta”.

Os chefes do Exército alertaram anteriormente os civis na capital da região de Tigré, devastada por guerras, para “se libertarem” dos líderes rebeldes ou receberem “misericórdia” em um ataque à cidade.

Os militares etíopes disseram que tanques serão enviados para cercar Mekelle, a capital das terras altas da região norte de Tigré, e que também podem usar artilharia na cidade, informou a mídia estatal no domingo.

O rebeldes não comentaram sobre o ultimato, mas vai aprofundar as preocupações internacionais à medida que o conflito entra em sua terceira semana, sem qualquer sinal de que as hostilidades cessarão em breve.

As forças etíopes estão avançando constantemente do norte e do sul em direção a Mekelle, que fica em um planalto a uma altitude de mais de 2.500 metros.

Deslocamentos

Centenas, possivelmente milhares de pessoas foram mortas no conflito até agora e muitas mais foram deslocadas. Mais de 36.000 fugiram para o vizinho Sudão, e um grande número está se mudando dentro de Tigré para evitar o conflito.

O alerta para meio milhão de habitantes de Mekelle pode levar muitos a abandonar suas casas, aumentando a crescente crise humanitária.

“As próximas fases são a parte decisiva da operação, que é cercar Mekelle usando tanques, terminando a batalha em áreas montanhosas e avançando para os campos”, disse o coronel Dejene Tsegaye à estatal Ethiopian Broadcasting Corporation.

Tsegaye disse que os militares etíopes evitaram até agora qualquer alvo que pudesse causar vítimas civis, mas disse que no caso de Mekelle “pode ser diferente”.

“Queremos enviar uma mensagem ao público em Mekelle para se salvar de quaisquer ataques de artilharia e se libertar da junta”, disse ele, referindo-se à Frente de Libertação do Povo Tigray (TPLF), o partido no poder na região. “A junta agora está se protegendo do público e o público deve se isolar da junta. Depois disso, não haverá misericórdia.”

Rendição

Redwan Hussein, um porta-voz da força-tarefa do governo em Tigré, disse que ainda há tempo para a liderança da TPLF se render. “O governo fará o máximo para não causar grandes riscos aos civis”, acrescentou.

Debretsion Gebremichael, o líder da TPLF, prometeu "uma luta feroz" que faria as forças federais "pagarem por cada movimento" e advertiu que um ataque a Mekelle não seria o fim do conflito. “Enquanto a força de ocupação estiver em Tigré, a luta não vai parar”, disse ele.

As autoridades em Addis Abeba, capital da Etiópia, deixaram claro que a “operação de aplicação da lei” continuará até que a TPLF seja removida e a autoridade federal reafirmada sobre a região.

No sábado, o governo etíope rejeitou um esforço diplomático africano para mediar.

Na semana passada, Abiy Ahmed, o primeiro-ministro etíope, disse que as forças do governo estavam se preparando para um "empurrão final" em Mekelle para encerrar o conflito em poucos dias.

No entanto, uma avaliação confidencial das Nações Unidas sobre a situação militar em Tigré, vista pelo Guardian, sugere que as forças nacionais etíopes estão encontrando resistência mais pesada do que as comunicações oficiais deixaram claro e podem enfrentar uma prolongada “guerra de atrito” em Tigré.

O governo de Abiy reivindicou a captura de uma série de cidades nos últimos dias, incluindo a antiga cidade de Aksum e a cidade de Edega Hamus, 60 milhas ao norte de Mekelle. Isso significaria que as colunas blindadas federais agora têm uma única crista principal para cruzar antes de chegar ao platô ao redor da cidade.

Postar um comentário

0 Comentários