Armênios temem que limpeza étnica acabe com a cultura cristã após acordo de paz com o Azerbaijão - MISSÕES URGENTE
Seguir no Facebook Seguir no Twitter Seguir no Instagram

BRASIL MUNDO ISRAEL VERSÍCULOS PEDIDO DE ORAÇÃO VÍDEOS MÚSICA PREGAÇÕES CINEMA COLUNA

sábado, 19 de dezembro de 2020

Armênios temem que limpeza étnica acabe com a cultura cristã após acordo de paz com o Azerbaijão

 

Esta semana, um acordo de paz pôs fim à guerra entre a Armênia e o Azerbaijão. Enquanto o acordo acaba com o sofrimento de dezenas de milhares de civis, muitos armênios acreditam que isso coloca algo maior em risco – sua história como nação cristã.

A agitação ainda domina a Armênia após um acordo de paz aceito por seu presidente que ele descreveu como doloroso. Desde setembro, os cidadãos aqui estão sob ataque de seus vizinhos, Azerbaijão e Turquia, sobre a região de Nagorno-Karabach. Muitos naquela região fugiram para a capital, Yerevan, e agora estão protestando contra o que eles vêem como a rendição de seu futuro.

Durante meses, todo o país apoiou o esforço de guerra, mesmo quando os militares azeri continuaram a atacar áreas civis.

"Isso se tornou uma questão existencial. Esta é uma questão de limpeza étnica, e bombardeios terroristas aplicados pelo Azerbaijão em relação aos armênios que vivem lá", disse Arman Tatoyan, um defensor dos direitos humanos armênios.

"Foi iniciado pelos azeris que não só estão tentando tomar território historicamente armênio há milhares de anos, mas eles não querem parar com a tomada de território. Eles querem acabar com o povo armênio", disse Daniel Decker, um compositor armênio, à CBN News.

Os militares armênios estão em desvantagem numérica, alguns dizem que são oito para um. Depois que os militares azeri alegaram ter tomado a segunda maior cidade da região, conhecida pelos armênios como Artsakh, a situação se tornou terrível.

"Eles são apoiados abertamente pelo governo turco, que por um lado diz que nunca houve um genocídio e, por outro, dizem que agora estamos chegando para terminar o que começamos", observou Decker.

Para ser claro, os armênios viram esta luta muito mais do que uma disputa territorial.

"Erdogan, que é presidente da Turquia, busca um Império Otomano revivido com o Islã à sua frente, e agora a Armênia e a República de Artsakh estão no caminho disso", disse Decker.

Esta trégua atual não só para o derramamento de sangue no momento, como também força a Armênia a desistir da terra que manteve por séculos. Após a notícia do acordo de paz, manifestantes furiosos tomaram conta de um prédio do governo, pedindo que o presidente renunciasse.

Dezenas de milhares de pessoas foram deslocadas neste conflito e muitas delas se abrigaram aqui em Yerevan com a família e amigos, e algumas pessoas estão apenas acolhendo refugiados pela bondade de seus próprios corações.

"Desde o primeiro dia, tivemos muitas famílias que tiveram que se mudar e vir para Yerevan e outras cidades da Armênia", disse o morador local Hasmick Gasparyan à CBN News. "Eu hospedei em minha casa uma família de 12 pessoas, e então pedi aos meus pais para hospedarem outra família e depois todas as casas dos meus amigos, as pessoas hospedam famílias em suas casas."

Agora, muitos desses refugiados enfrentam um futuro incerto, pois suas casas foram seriamente danificadas ou destruídas. Os pacificadores russos patrulham o terreno na área de Nagorno-Karabach, mas o povo da Armênia diz que esta crise está longe de acabar, e temem que sua rica história religiosa em breve seja dizimada nas áreas que agora não controlam.

"Sua própria existência está em perigo agora. E como americanos, como cristãos na América, temos essa obrigação de apoiar a Armênia e Artsakh", disse Decker.

Nenhum comentário:

Postar um comentário